Pular para o conteúdo principal

Recomeço

Olá. Me chamo André. Eu tenho asma. Mas apesar dela, eu sempre adorei praticar esportes. Desde pequeno. Corri como toda criança, andei de bicicleta, brinquei na praia, na piscina, mas alguns dias por um motivo que sempre desconheci ela aparecia. Me acordava a noite se sufocando, impedindo minha respiração. Dali em diante eram horas de agonia para que os remédios fizessem efeito e me tirassem da crise. Foi assim por muito tempo. Muito mesmo. Dizem que muita gente se livrou da asma quando chegou a maior idade. Sinceramente, nunca tive esta esperança, pois ela sempre me espreitou. Nunca se ausentou por tempo suficiente para eu achar que havia me livrado dela. Asma. Minha asma.
Aprendi na prática que qualquer atividade aeróbica ajudava a controlar a minha asma. No início eu acreditava que apenas a natação conseguia me ajudar a domar este monstro, mas os anos de corrida me mostraram havia solução também fora d'água. E assim corrida de tudo um pouco.  Provas de cinco, dez, meias e até uma maratona. Provas no asfalto e off-road.
Mas também fui vítima da crise e em meio a um cem número de preocupações a corrida me escapou entre os dedos. No início julguei que era uma breve parada, mas de repente me vi sem data para voltar a correr. De outubro de 2015 para cá, tentei algumas vezes, mas não conseguia engrenar. Espero que desta vez seja diferente e para provar que a coisa é para valer realizei esta semana meu check up do coração, com direito a teste de esforço na esteira.
Segui para clínica me perguntando o que eu conseguiria fazer numa esteira depois de quinze meses praticamente parado. Para colocar mais emoção, esta foi uma semana em que a asma esteve presente por conta da virada do tempo. Mas vamos ao que interessa: o teste na esteira.
Foram uns trinta minutos entre o eletro e aquele monte de sensores colados no meu peito. Subi na esteira pouco confiante, certo de que faria um humilhante teste. A meta era tentar ficar ali pelo menos uns nove minutos. Quando a esteira começou a girar, não tive muito tempo mais para choramingar. Foi me concentrar nas passadas e controlar a respiração. O que começou como uma caminha, virou um trote depois de algum tempo. Eu não tinha como saber quanto tempo se passará. Eu não enxergava a tela do micro que controlava a esteira ergométrica. A doutora, por sinal corredora também, já tinha aferido minha pressão duas vezes antes da esteira alcançar uma velocidade que já não era mais um trote. Mas estava bem. Respiração sob controle. Não demorou muito e a esteira acelerou mais um pouco. De repente num intervalo menor mais um pouco, mais um pouco e já não era pouco! Perguntei se estava a 10 km/h e ela disse que não. Está em 13 km/h! Tentei resistir, mas a respiração começou a ficar ofegante demais. Eu estava já em zona anaeróbica. Foi questão de pouco mais de 1 minuto para eu pedir arrego.
Teste encerrado. Foram 11 minutos de teste (cumpri minha meta inicial) e eu procurando formas de respirar. Estranhamente eu o corpo não estava cansado. Eu estava era sem fôlego. De repente lembrei o motivo: a asma. Até ali ela apareceu para me incomodar, mas sei que com a rotina vou exorcizá-la por outros bons anos da minha vida. Eu acabei tirando a corrida da minha vida, mas a corrida não sai da nossa carne. É algo que foi fundido com muita transpiração e quilômetros. 
Coisas boas sobre o teste. Foi definida minha FCM, o meu VO2 máx atual e que não tenho restrições para voltar a correr.
Agora é acertar o alarme e ver como andam as manhãs da minha cidade depois de tanto tempo. 
Bom estar de volta.
Viva a endorfina.
Boas passadas. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…