Pular para o conteúdo principal

Futebol é tudo?

Apesar deste espaço ser dedicado a correr sem a bola, eu me senti na obrigação de deixar um registro deste evento histórico que ocorre em nosso país.
Confesso que inicialmente pensei em escrever um protesto sobre a realização da copa do mundo, em meio a tantas necessidades que nosso povo passa, mas diante dos números eu realmente me perguntei sobre a coragem de se fazer uma copa do mundo em meio a tantas dificuldades. Somos um povo de baixa instrução e com contrastes sociais absurdos. Nossa infraestrutura é vergonhosa e as deficiências não teriam como ser listadas neste post, mas estamos aqui, com uma copa do mundo. Acredito que esta seja a maior de todas as copas, dentro do gramado, mas sonho que também seja um marco para as coisas que precisamos cuidar fora dele.
Li uma reportagem que os gastos com a copa do mundo representam o equivalente a um mês de gastos com educação, logo o valor total gasto é quase irrelevante diante do que precisamos. Infelizmente o que ficará como legado são estádios, algumas obras de melhoria e muita insatisfação. O problema é que a cada dia fica mais evidente a distorção entre custo e benefício. A ações do governo são caras, justamente pela precária governança que é mantida pelo executivo. Como responsáveis pela ordem nosso judiciário não possui a força para conter a violência física e psicológica a que somos expostos. Assim, nem adianta reclamar do planejamento, pois até acho que existem boas idéias.
Dos 32 países participantes, o Brasil foi classificado entre os piores em qualidade de ensino. Dentre aqueles que figuram na copa, estamos na metade debaixo da tabela. Infelizmente pagamos o preço da ignorância, onde a vitória de poucos garante a alegria de muitos. Futebol deveria ser, antes de tudo entretenimento, mas infelizmente não é e não serei eu que vou desfiar este novelo aqui. Mas posso citar que a Suécia rejeitou o convite do comitê olímpico para ser sede dos jogos de inverno de 2022, pois informou possuir outras prioridades para o dinheiro público. Suécia... setentaedez posições acima do nosso país em qualquer ranking de qualidade, educação, saúde, purrinha ou cuspe a distância.
Não sou contra o futebol, pelo contrário, adoro. Não duvido de que o país do futebol fosse oferecer o melhor espetáculo futebolístico de todos os tempos. O que discuto, assim como muitos, é sua pertinência para o momento que vivemos. Temos necessidades mais básicas que a diversão para serem tratadas. Assim como a corrida está para o atleta amador, o futebol está para este imenso povo que não vive da bola.
Eu trocaria os campeonatos mundiais por um país com mais saúde, educação, trabalho e riquezas melhor distribuídas com o povo. Como podemos concordar com uma sociedade onde a renda familiar brasileira é de um salário mínimo? Os contrastes sociais são assustadores.
O populismo é um ato de sabotagem, pois inibe o instinto de caça do ser humano. Cria pseudo-fidalgos, que se acostumam a viver com quase nada e ignorantes.
Fiz questão de referenciar todo o texto para provar a fundamentação. Não trouxe especulações, mas fatos. Em meio a isso tudo corro para fazer a minha parte e ser um exemplo para quem olha em minha direção. Não sou perfeito, nem tenho pretensão de ser, porém gostaria que as pessoas tivessem mais coragem e disposição de lutarem por seus sonhos e ideais, desde que estes não ferissem o direito coletivo.
Seremos mais fortes, desde que aprendamos a pensar coletivamente. Nesta hora lembro do pelotão africano nas maratonas. Não sei qual deles vencerá a corrida, mas veladamente garantirão que um deles levará o prêmio que garantirá benesses para seu povo.
No jogo entre Costa do Marfin e Japão, os orientais ficaram depois do jogo LIMPANDO o estádio. Eles têm consciência de que preservar é um bem coletivo, enquanto aqui tem gente jogando porcaria na rua achando que vai garantir emprego para os garis.
Quem sabe um dia pensaremos além dos nossos umbigos? 
Boas passadas.
Editado em 16/06/2014

Comentários

  1. O exemplo do gari é classico, mas ninguem quer morrer para dar emprego pro coveiro........................ rs

    Maravilhoso texto meu amigo.. Parabens!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…