Pular para o conteúdo principal

Run The Night RJ: o relato


Fonte: Iguana Sports
Noite com temperatura amena e uma leve brisa para ajudar. Cenário perfeito para uma boa corrida. Para alguns ainda mais perfeito por não ser preciso acordar cedo para correr. A organização preparou um circuito de 5 km evitando o viaduto do aeroporto, o que garantiria um pouco mais de fôlego para quem estivesse tentando bater alguma marca. Àqueles entre os mais de 5.000 participantes (que deduzi no olhômetro), que como eu, optaram por correr os 10 km, dariam duas voltas.
Cheguei com relativa folga para largada e pude observa a estrutura montada no estacionamento do Monumento dos Pracinhas. Um DJ determinava o ritmo da festa em meio ao show pirotécnico. Como toda boa corrida, havia gente de todos os tipos, idades e não menos curiosas. Novamente fui abordado por conta da meia de compreensão. Esteticamente é feio, por contra dos tornozelos a mostra, mas o que vale é a musculatura protegida contra lesões e cãibras.
Fonte: Iguana Sports
Próximo do horário da largada encontrei o Eric e a Isabel. Enquanto trocávamos impressões e expectativas da corrida Sérgio e Drica apareceram. Segundo ela foi fácil me achar no meio da multidão - risos. A contagem regressiva foi acompanhada por fogos de artifício e muita música. Assim saí em perseguição ao meu melhor tempo do ano.
Manter o ritmo de 5'40"/km não seria muito fácil. Apesar da noite, o calor que súbita fui asfalto incomodava, apesar do termômetro "mentir" dizendo que a temperatura estava em 23°C. A água dos pontos de hidratação foi utilizada para me banhar também. A fadiga incomodava com o avançar dos quilômetros e pesou ao assistir o pessoal dos 5 km comemorando a chegada e eu tendo que seguir em frente pista cumprir com mais uma volta. Foi respirar fundo e seguir em frente, pois eu ainda estava vencendo o relógio. A vantagem derreteu com o calor e perto do km 8 acabou o gás. Sorri, pois eu estava correndo, apesar das dificuldades e do receio de nova lesão na panturrilha. Tem sido um exercício inusitado dar tanta atenção aos músculos, mas esta volta por cima está dando gosto de viver. Depois de 58'43" cruzei a linha final. Foi pegar a medalha e ir para o ponto de encontro.
Do alto da escadaria do monumento comemoramos nossas vitórias e já sonhávamos com a próxima prova. Algumas fotos depois e a confirmação de que o calor atrapalhou o desempenho, seguimos felizes para casa.

Considerações finais
O percurso, salvo engano, foi idêntico ao da WRUN. Mas em virtude do número elevado de participantes criou-se um grande gargalo na área de dispersão. Ficou meio complicado para receber a medalha, mesmo tendo corrido 10 km e parte dos corredores terem concluído a prova de 5 km com quinze a vinte minutos de antecedência.
Para quem não sabe o estacionamento subterrâneo da Cinelândia possui preço fixo nos sábado, domingos e feriados. É uma boa alternativa ao estacionamento do aeroporto e uma ótima alternativa para evitar a exposição aos flanelinhas da região.

Alguns dias depois
Há tempos não me sentia tão inteiro após uma prova. Cheguei a estranhar a ausência das dores musculares, principalmente na panturrilha direita.
Meus agradecimentos à Iguana Sports por mais um ano de parceria e em especial à Ana Amaro, por confiar no trabalho feito neste blog. Desejo um feliz natal e um próspero ano novo à equipe Iguana e que venha a WRUN 2015!
Boas passadas!

Que venha 2015
Pensando nas possíveis promessas de fim de ano, aproveito para divulgar a primeira prova da Iguana no calendário de 2015: a WRUN! Famosa pelos serviços e cuidados com as mulheres no dia da retirada do kit e no dia da prova, a prova segue para mais uma edição. Se quiser saber um pouquinho mais sobre as edições anteriores digite no google andreeotenis wrun.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…