Pular para o conteúdo principal

E lá se foram 7.000 km

E lá se foram 7.000 km. Mais de 680 treinos nestes 6 anos. Muitas histórias, experiências, alegrias e planilhas.
Desde que comecei a correr uso planilhas para treinar. Planilhas genéricas, ou personalizadas. Todas valem, pois estas possuem as três fases distintas para o desenvolvimento do corredor: (1) condicionamento, (2) força e (3) polimento. Tudo bem arrumadinho para quem quer se preparar para próxima corrida. As planilhas da O2 são as minhas favoritas. Normalmente divididas em micro ciclos de 4 semanas, elas propiciam uma boa evolução, sem descartar importantes intervalos para descanso do corpo.
No último domingo concluí as primeiras 4 semanas de treino depois de muito tempo. Neste período teve frequência cardíaca alta, dores musculares, mas por fim as coisas começaram a entrar nos eixos.
Tendo ainda 9 semanas para prova alvo, comecei a quinta semana (de treinos leves) com parte do tempo na areia fofa. Bom para fortalecer, tendões, tornozelos e panturrilhas para os treinos que estão por vir. A meta é chegar bem para correr a prova de 10 km abaixo de 1 hora (e manter uma velha tradição em minha vida). Sempre que pude treinar, consegui terminar a distância em menos de 60 minutos.

Dica para o iniciante
As planilhas genéricas foram elaboradas para a esmagadora maioria das pessoas, que foram aprovadas em médicos (cardíacos e ortopédicos) e possuem experiência pregressa como desportista. Se você está entrando agora neste mundo procure uma assessoria, um personal trainer, alguém que possa lhe orientar a ter um bom começo. Lesões nos primeiros 90 dias são o principal vilão dos iniciantes. Ainda fora de forma e/ou sem o controle do movimento adequado, acabam estressando o corpo e desenvolvendo lesões. O auto-didatismo tem seu risco. Evite-o, pois o preço indubitavelmente é a dor e um tempo no estaleiro.
Vamos em frente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…