Pular para o conteúdo principal

Recomeço

Olá. Me chamo André. Eu tenho asma. Mas apesar dela, eu sempre adorei praticar esportes. Desde pequeno. Corri como toda criança, andei de bicicleta, brinquei na praia, na piscina, mas alguns dias por um motivo que sempre desconheci ela aparecia. Me acordava a noite se sufocando, impedindo minha respiração. Dali em diante eram horas de agonia para que os remédios fizessem efeito e me tirassem da crise. Foi assim por muito tempo. Muito mesmo. Dizem que muita gente se livrou da asma quando chegou a maior idade. Sinceramente, nunca tive esta esperança, pois ela sempre me espreitou. Nunca se ausentou por tempo suficiente para eu achar que havia me livrado dela. Asma. Minha asma.
Aprendi na prática que qualquer atividade aeróbica ajudava a controlar a minha asma. No início eu acreditava que apenas a natação conseguia me ajudar a domar este monstro, mas os anos de corrida me mostraram havia solução também fora d'água. E assim corrida de tudo um pouco.  Provas de cinco, dez, meias e até uma maratona. Provas no asfalto e off-road.
Mas também fui vítima da crise e em meio a um cem número de preocupações a corrida me escapou entre os dedos. No início julguei que era uma breve parada, mas de repente me vi sem data para voltar a correr. De outubro de 2015 para cá, tentei algumas vezes, mas não conseguia engrenar. Espero que desta vez seja diferente e para provar que a coisa é para valer realizei esta semana meu check up do coração, com direito a teste de esforço na esteira.
Segui para clínica me perguntando o que eu conseguiria fazer numa esteira depois de quinze meses praticamente parado. Para colocar mais emoção, esta foi uma semana em que a asma esteve presente por conta da virada do tempo. Mas vamos ao que interessa: o teste na esteira.
Foram uns trinta minutos entre o eletro e aquele monte de sensores colados no meu peito. Subi na esteira pouco confiante, certo de que faria um humilhante teste. A meta era tentar ficar ali pelo menos uns nove minutos. Quando a esteira começou a girar, não tive muito tempo mais para choramingar. Foi me concentrar nas passadas e controlar a respiração. O que começou como uma caminha, virou um trote depois de algum tempo. Eu não tinha como saber quanto tempo se passará. Eu não enxergava a tela do micro que controlava a esteira ergométrica. A doutora, por sinal corredora também, já tinha aferido minha pressão duas vezes antes da esteira alcançar uma velocidade que já não era mais um trote. Mas estava bem. Respiração sob controle. Não demorou muito e a esteira acelerou mais um pouco. De repente num intervalo menor mais um pouco, mais um pouco e já não era pouco! Perguntei se estava a 10 km/h e ela disse que não. Está em 13 km/h! Tentei resistir, mas a respiração começou a ficar ofegante demais. Eu estava já em zona anaeróbica. Foi questão de pouco mais de 1 minuto para eu pedir arrego.
Teste encerrado. Foram 11 minutos de teste (cumpri minha meta inicial) e eu procurando formas de respirar. Estranhamente eu o corpo não estava cansado. Eu estava era sem fôlego. De repente lembrei o motivo: a asma. Até ali ela apareceu para me incomodar, mas sei que com a rotina vou exorcizá-la por outros bons anos da minha vida. Eu acabei tirando a corrida da minha vida, mas a corrida não sai da nossa carne. É algo que foi fundido com muita transpiração e quilômetros. 
Coisas boas sobre o teste. Foi definida minha FCM, o meu VO2 máx atual e que não tenho restrições para voltar a correr.
Agora é acertar o alarme e ver como andam as manhãs da minha cidade depois de tanto tempo. 
Bom estar de volta.
Viva a endorfina.
Boas passadas. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…