Pular para o conteúdo principal

Guerra contra a balança


Era uma manhã como outra qualquer e eu me vestia para ir para o trabalho. O novo jeans (48) que comprara há dias era bonito e muito confortável, mas as camisas sociais escapavam da calça com uma facilidade que eu não estava acostumado. Como não tinha muito tempo a perder, tentei me ajeitar o melhor possível e entrei no elevador. A pergunta que até então não tinha resposta, foi refletida no espelho do elevador social. Era a maldita barriga que estava esculhambando a roupa. Essa barriga que até pouco tempo não estava ali, por causa do volei das terças e quartas há muito esquecidos, do basquete também abandonado e dos tediosos dias de musculação. Isso para não falar da natação em piscina e dos treinos em mar. Eu estava bem barrigudo e alguns quilos acima do peso.
Deste dia em diante o acaso me levou a conhecer a corrida. Fiz os exames de saúde e procurei me instruir sobre este novo esporte que me faria desintegrar aquela pança. O resto da história vocês podem conhecer nos outros 82 posts que escrevi desde então.
Se você se identificou com a história, corra, pois você emagrecerá facilmente seguindo uma rotina de treinos (sem roubar) e uma dieta adequada para suas condições. Hoje meu problema com a balança é outro. Meu peso está ficando perigosamente abaixo do ideal. Não é uma questão de ser tachado de magricelo, mas dos perigos em reduzir abaixo do ideal o índice de massa corporal (IMC).
Se você tem como hábito ler matérias deste universo, este termo não é novidade para você, mas não custa falar um pouco sobre ele. Segundo o Wikipedia, o índice de massa corporal (IMC) é uma medida internacional usada para calcular se uma pessoa está no peso ideal. Trata-se de um método fácil e rápido para a avaliação do nível de gordura de cada pessoa, ou seja, é um preditor internacional de obesidade adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Este indicador possui algumas limitações, mas se você não é asiático, ou tem menos de 12 anos, os resultados tem pertinência para você. Vale ressaltar que este post é meramente ilustrativo, não objetivando indicar tratamentos ou métodos de redução de peso. Consulte um especialista para isso. Meu intuito é apenas apresentar-lhe uma forma de controle.
Se o resultado (IMC=peso/(altura.altura)) for entre 18,6 e 24,9 você está bem, na faixa considerada ideal. Acima disso é ruim e ultrapassando grau 30 é considerado perigoso. Porém, abaixo de 18,6 também não algo salutar. A redução de seu percentual de gordura além do ideal enfraquece o sistema imunológico. Em alérgicos como eu a situação é ainda pior. Não ter a barreira lipídica nos coloca em situação muito complicada. Assim, quando você alcançar seu peso ideal e tirando onda com seu visual esportista, os cuidados com a alimentação devem ser redobrados, pois você precisará uma rotina de perda de peso para outra tentando manter o peso.
Hoje me faço de suplementos, pois não tenho disciplina para comer a cada três horas, conforme orientação da nutricionista. Mas apesar deste reforço alimentar, quando me distraio perco preciosos dois, três quilos e lá vem minha rinite entupir minha vida. Se não consigo respirar, imagine correr. Por isso a preocupação.
Links sobre o assunto:
http://ganharmassa.com.br/nutricao/calculo-do-imc.aspx#magreza
http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dndice_de_massa_corporal

Treino de ritmo para Golden Four. Nas últimas semanas não tive oportunidade de realizar os longões nos finais de semana e acabei perdendo minha referência de ritmo para a Meia Maratona. Assim, hoje realizei o último treino antes da prova visando definir a FC e pace. Para minha surpresa alcançei 5'44" por quilômetro. Preciso tirar 4 segundos do meu pace para terminar a prova com menos de 2 horas.
Não sei se a prova terá um coelho para as várias faixas de pace, mas levarei o Runkeeper para me ajudar a controlar o ritmo. Além disso, calculei os splits com o Pace Calculator. As soluções para Android para este mundo da corrida são muito legais.
Amanhã e dia de kit e quitutes no hotel lá em Copacabana.
Abraço e boas passadas.

Comentários

  1. Andre,
    queria eu ter que me preocupar com pouco peso he he
    Mas maravilha. Vamos nesse ritmo juntos. 5'40" está bom demais.
    abraço,
    Sergio
    corredorfeliz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sergio,
    Tudo tem um lado bom e ruim. A questão é administrarmos as adversidades. Fazer o quê?
    Obrigado pela "ajudinha" para a Meia. Completar a prova em menos de 2 horas será um grande desafio.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Interessante essa inversão, agora o cuidado é para não emagrecer demais!!!

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/
    @alesilvabr

    ResponderExcluir
  4. Pois é, Alessandro.
    Passa-se tanto tempo tentando perder os quilos a mais que para interromper o processo é um novo processo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…