Pular para o conteúdo principal

Parabéns! 1700 Km

Eu completei 1700 Km corridos e também 40 anos nesta jornada chamada de vida no último dia 30. Nossa... QUARENTA ANOS. Vieram os INTES com muita natação, volei e basquete, depois os INTAS com muito volei e musculação e agora os ENTAS que começaram amparados pela corrida. Sempre fui um esportista amador, sem muitas pretensões. Sempre gostei da disputa, pois a vitória é saborosa e a derrota fonte de muito aprendizado.
Praticar uma atividade física sempre foi mais que buscar um corpo saudável. Foi uma forma de manter a sanidade em um mundo acelerado em que os prazeres são breves e descartáveis. O "sistema" nos ensina que a continuidade é irrelevante para se conquistar a satisfação. Que vale mais muitos pequenos sabores a um grande prazer. Sou avesso ao sistema. Acredito que as grandes conquistas derivam da dedicação. Talvez eu tenha me identificado com a corrida por causa disso. A corrida é uma entre muitas formas de se insurgir a este mundo passageiro, em que sucesso e esforço participam cada vez menos da mesma frase. É triste, pois o sistema está despreparando esta geração que segue após a minha. Vejo que uma minoria enxergou este "defeito" social e se ampara na educação da família para fazer mais. Esta habilidade é bem trabalhada também quando decidimos nos tornar um corredor, pois precisamos aceitar a continuidade, a repetição, mais do mesmo em nossas vidas. É preciso disciplina, paciência e fé, mas muita fé no caminho para colher resultados com a corrida e o sublime sabor da conquista. É um aprendizado que transcende nossa relação com o tênis. Afeta nossa maneira de ser e de ver a vida.
1700 Km depois os exercícios funcionais e alongamento foram integrados aos treinos para proteger o corpo. Incluí séries de flexões e abdominais para complementá-los. Depois da última semana dificilmente negligenciarei estas atividades. Encontrei até algumas matérias interessantes na rede, mas recomendo a leitura da matéria da Revista ISTO É. A musculação continua como desafio a ser alcançado, pois o tempo livre é um bem preciosíssimo hoje em minha vida.
O que resta até o final do ano. Ainda penso em correr algumas provas de 10 Km. Inclusive ajustei o treino para tentar ganhar velocidade. Os treino intervalado e o tempo run serão a base dos treinos. O próprio longão foi reciclado, pois a marcação por quilômetros foi trocada por tempo.
O treino desta quarta-feira foi um intervalado bem intenso (15' TR + 6x 1 km CF, I 2'30") e fiquei muito satisfeito pelos tempos que  consegui nos splits (4'37", 4'50", 4'38", 4'46", 4'41" e 4'56"). Tenho mais 5 semanas de treino até a Adidas Primavera e isso me trás confiança em superar mais uma vez meus limites. Estou em busca de força para vencer aqueles 16 inesquecíveis segundos da última Adidas Inverno.
André e o tênis. O Adidas Cushion continua no uso e chegou surpreendentemente aos 600 Km rodados. A relação custo x benefício é excelente e posso dizer que a qualidade deste tênis foi colocada a prova. Meus melhores tempos e as 1/2 maratonas foram feitas com ele e estou inteiro. Sem lesões, graças a Deus. Mas metódico que sou, hoje pago o preço da minha organização. Como o tênis alcançou a quilometragem sugerida, fico pensando se ele não me fará mal se continuar usando. Apesar de estar conseguindo desenvolver bem minhas passadas, a dúvida paira no ar. Farei o próximo treino com o Kayano para ao menos ter noção do quanto o Cushion já foi castigado e se vale a pena continuar fazendo uso dele.
A jornada. Estou quase saindo do estado da Bahia. Pedaço longo de terra esse! Não tenho certeza, mas me recordo de grandes retas planas com uma vegetal de meia altura durante várias horas de viagem. Mas não tenho certeza se era realmente neste trecho que este cenário ocorrera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…