Pular para o conteúdo principal

Parabéns! 1700 Km

Eu completei 1700 Km corridos e também 40 anos nesta jornada chamada de vida no último dia 30. Nossa... QUARENTA ANOS. Vieram os INTES com muita natação, volei e basquete, depois os INTAS com muito volei e musculação e agora os ENTAS que começaram amparados pela corrida. Sempre fui um esportista amador, sem muitas pretensões. Sempre gostei da disputa, pois a vitória é saborosa e a derrota fonte de muito aprendizado.
Praticar uma atividade física sempre foi mais que buscar um corpo saudável. Foi uma forma de manter a sanidade em um mundo acelerado em que os prazeres são breves e descartáveis. O "sistema" nos ensina que a continuidade é irrelevante para se conquistar a satisfação. Que vale mais muitos pequenos sabores a um grande prazer. Sou avesso ao sistema. Acredito que as grandes conquistas derivam da dedicação. Talvez eu tenha me identificado com a corrida por causa disso. A corrida é uma entre muitas formas de se insurgir a este mundo passageiro, em que sucesso e esforço participam cada vez menos da mesma frase. É triste, pois o sistema está despreparando esta geração que segue após a minha. Vejo que uma minoria enxergou este "defeito" social e se ampara na educação da família para fazer mais. Esta habilidade é bem trabalhada também quando decidimos nos tornar um corredor, pois precisamos aceitar a continuidade, a repetição, mais do mesmo em nossas vidas. É preciso disciplina, paciência e fé, mas muita fé no caminho para colher resultados com a corrida e o sublime sabor da conquista. É um aprendizado que transcende nossa relação com o tênis. Afeta nossa maneira de ser e de ver a vida.
1700 Km depois os exercícios funcionais e alongamento foram integrados aos treinos para proteger o corpo. Incluí séries de flexões e abdominais para complementá-los. Depois da última semana dificilmente negligenciarei estas atividades. Encontrei até algumas matérias interessantes na rede, mas recomendo a leitura da matéria da Revista ISTO É. A musculação continua como desafio a ser alcançado, pois o tempo livre é um bem preciosíssimo hoje em minha vida.
O que resta até o final do ano. Ainda penso em correr algumas provas de 10 Km. Inclusive ajustei o treino para tentar ganhar velocidade. Os treino intervalado e o tempo run serão a base dos treinos. O próprio longão foi reciclado, pois a marcação por quilômetros foi trocada por tempo.
O treino desta quarta-feira foi um intervalado bem intenso (15' TR + 6x 1 km CF, I 2'30") e fiquei muito satisfeito pelos tempos que  consegui nos splits (4'37", 4'50", 4'38", 4'46", 4'41" e 4'56"). Tenho mais 5 semanas de treino até a Adidas Primavera e isso me trás confiança em superar mais uma vez meus limites. Estou em busca de força para vencer aqueles 16 inesquecíveis segundos da última Adidas Inverno.
André e o tênis. O Adidas Cushion continua no uso e chegou surpreendentemente aos 600 Km rodados. A relação custo x benefício é excelente e posso dizer que a qualidade deste tênis foi colocada a prova. Meus melhores tempos e as 1/2 maratonas foram feitas com ele e estou inteiro. Sem lesões, graças a Deus. Mas metódico que sou, hoje pago o preço da minha organização. Como o tênis alcançou a quilometragem sugerida, fico pensando se ele não me fará mal se continuar usando. Apesar de estar conseguindo desenvolver bem minhas passadas, a dúvida paira no ar. Farei o próximo treino com o Kayano para ao menos ter noção do quanto o Cushion já foi castigado e se vale a pena continuar fazendo uso dele.
A jornada. Estou quase saindo do estado da Bahia. Pedaço longo de terra esse! Não tenho certeza, mas me recordo de grandes retas planas com uma vegetal de meia altura durante várias horas de viagem. Mas não tenho certeza se era realmente neste trecho que este cenário ocorrera.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…