Pular para o conteúdo principal

2000 Km depois...


2000 Km. Analisando de fora parece um bocado de chão, principalmente se você estiver dando os primeiros passos neste mundo fantástico da corrida. Se você já tem como eu, uns dois anos de treino, não passará de um registro factível. Se você está treinando para correr maratonas, não passa de uma casualidade. Não menosprezando a conquista, pelo contrário, apenas digo que é algo que você pode fazer. É uma questão de tempo e perseverança. Correr de forma continuada é mais que uma habilidade física. Ela exige de você alguns atributos mentais, entre eles, controle para gastos com provas e equipamentos; manter um equilíbrio salutar na tríade família, trabalho e treinos; e talvez o mais importante entre outros muitos, ter resiliência. Esta é uma palavra utilizada comumente pelos recursos humanos no mundo corporativo, mas se aplica muito bem àqueles que buscam a auto-realização. Não querendo me fazer de frases de efeito, mas todos os dias a vida lhe oferece motivos e desculpas para você correr ou deixar de fazê-lo. Tudo dependerá da sua psique para interpretar estes estímulos externos. Como muitos sabem, as primeiras semanas são as mais difíceis, pois dificilmente você possui condicionamento (principalmente mental) para correr e ainda não está sob efeito da endorfina. Neste ponto os grupos de corrida podem lhes ser úteis, pois o grupo puxa o indivíduo. É apenas mais um exemplo corriqueiro de que o meio influencia o indivíduo. Superando este primeiro momento, dificilmente haverão motivos para você parar de correr. A corrida é uma atividade repleta de benefícios, principalmente por oferecer resultados expressivos de curto prazo aos que decidem fazê-la com comprometimento. Quem corre vive mais, mas não falo apenas de longevidade. Quem corre acaba fazendo turismo. Um turismo que existe em torno das provas, que nos possibilita conhecer outras cidades Brasil (e por que não o mundo) a fora. Tornou-se uma questão de planejamento. Assim, desejo à você boas passsadas para os seus primeiros, ou aos próximos 2.000 Km.

Google Maps. Quando apontei os 2.000 Km no GM avistei a divisa de Servige com Alagoas. Boas lembranças vieram das maravilhosas viagens de carro que meu pai proporcionava a família. Este trecho em especial possuía uma das mais bonitas vistas de todo o caminho. Ali estava a ponte que possibilitava ultrapassar o velho rio Sao Francisco. A vista constituída por uma planície que parecia não ter fim era linda. A ponte também era uma construção que Rogerio aos padrões normalmente feitos aqui no Rio. Mesmo em um dos anos, em que um temporal sem precedentes caiu e fomos obrigados a ficar parados no acostamento, tirou a beleza do lugar. Lindo mesmo debaixo de chuva. 

2012. Os 20 dias sem treinos tiveram seu preço. Foram 2 Kg a mais para carregar e uma queda razoável no condicionamento. O fôlego não me preocupa, mas a condição muscular. Encontrar tempo na agenda para musculação ainda é um desafio, pois o reforço a músculos e tendões é algo que preciso e gostaria de fazer para evitar uma nova lesão. De resto é correr e curtir o visual das ruas cidades a fora.

Hoje fiz o primeiro longão. Foram 50 minutos sem parar. Deu até orgulho para quem tá com este lastro, normalmente chamado de barriga. Um sábado incomum para o calor que tem feito. Eram 8 horas quando pensei em sair. A chuva havia parado, mas não demorou muito para São Pedro colocar minha motivação a prova. Antes de terminar o aquecimento, a chuva apertou. Mas como dizem, quem está na chuva é para se molhar. Praticamente parecia um novo batismo, para quem estava há pouco no estaleiro. Não sei se foi a endorfina, mas encerrei o treino cantando na chuva. Abraço ao Mr. Gene Kelly :-)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…