Pular para o conteúdo principal

O grande equilibrista

Outro dia eu estava vagando na Internet e não percebi que o silêncio da madrugada foi tomando seu espaço. Era um silêncio reconfortante para uma cabeça que passa o dia em meio a barulhos e vozes. Era o primeiro momento em dias que eu tinha oportunidade para me ouvir, refletir sobre as coisas e entender o que eu precisava fazer para retomar o controle sobre meu tempo. Minhas idéias ganharam força quando comecei a procurar uma imagem de um equilibrista de pratos. Há um tempo eu havia feito esta metáfora sobre meu cotidiano, mas ultimamente a única coisa que eu percebo são os cacos no chão. Um texto de mesmo título postado pelo blogueiro Pablo Massolar me trouxe alívio e a esperança de que as coisas retornarão ao normal em breve. Lembrei das palavras de alguns amigos e encontrei conforto, pois nada acontece por acaso. A parada foi necessária para se recobrar o equilíbrio, pois sei mais do que ninguém que a jornada tem sido intensa. A maratona agora tem sido sem o tênis e faz parte do viver também. A saudade do tênis foi grande, tanto que baixei a Maratona de Berlin para assistir. Lembrei do Sérgio... ele correu e concluiu os 42 km com um tempo surpreendente! Meu amigo é a prova viva de que desistir não é uma opção quando sabemos o que queremos. Ah é! Eu também corri. 
A vida é complexa... como a do equilibrista e seus pratos. Corremos contra o tempo para manter todos rodando pelo maior tempo possível. Um ou outro acaba caindo, mas isso não é motivo para esquecermos quem somos e nos entregarmos. A resposta está conosco. Basta perseverar. 

"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo de arrancar o que se plantou; tempo de matar e tempo de curar; tempo de derrubar e tempo de edificar; tempo de chorar e tempo de rir; tempo de prantear e tempo de saltar de alegria; tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar; tempo de buscar e tempo de perder; tempo de guardar e tempo de lançar fora; tempo de rasgar e tempo de coser; tempo de estar calado e tempo de falar; tempo de amar e tempo de aborrecer; tempo de guerra e tempo de paz."
(Eclesiastes,3)


Vou fechar o post com a transcrição de parte do texto que li e com um novo vídeo da Asics.


Boas passadas!

Comentários

  1. Olha André, cheguei do Rio Grande amado e escutei essa música lá. Acho que você vai se identificar também.
    Está findando o meu tempo a tarde encerra mais cedo
    Meu mundo ficou pequeno e eu sou menor do que penso
    O bagual tá mais ligeiro braço fraqueja às vezes
    Demoro mais do quero mas alço a perna sem medo

    Encilho o cavalo manso mas boto o laço nos tentos
    Se a força falta no braço na coragem me sustento

    (Se lembro os tempos de guerra a vida volta pra trás
    Sou bagual que não se entrega assim no más)

    Nas manhãs se primavera quando vou parar rodeio
    Sou menino de alma leve voando sobre os pelegos
    Cavalo do meu potreiro mete a cabeça no freio
    Encilho no parapeito mas não ato nem maneio

    Se desencilho o pelego cai no banco onde me sento
    Água quente e erva buena para matear em silêncio
    Neste fogo onde me aquento removo as coisas que penso
    Repasso o que tenho feito para ver o que mereço

    Quando chegar meu inverno que me vem branqueando o cerro
    Vai me encontrar venta aberta de coração estreleiro
    Mui carregado de sonhos que habitam o meu peito
    E que irão morar comigo no meu novo paradeiro

    Link: http://www.vagalume.com.br/os-serranos/veterano.html#ixzz2jm2jVc5q

    Bons treinos
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso aí... e bola pra frente!
      Se entregar é pior :-)
      A vida é bela, como a rosa, mas tem os seus espinhos.
      Vamos que vamos!

      Ah! Nem sabia que ainda se escrevia desta maneira kkk literalmente, Brasilzão em tempo e espaço.

      Boas passadas!

      Excluir
  2. Amigo,
    Já passei em momentos em que só trabalhava, sem tempo para viver. Ainda hoje, trabalho mais do que gostaria, mas ainda dentro de um aceitável. Para mim, o equilíbrio entre a vida pessoal é profissional só pode ser quebrado em períodos curtos. Caso contrário, normalmente, é hora de partir para outra. Temos uma vida só, e a infância dos nossos filhos só passa uma vez.
    Espero que você consiga novamente encontrar seu equilíbrio.
    Obrigado pela menção a mim. Bacana o que escreveu!
    Grande abraço,
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, meu amigo. Certas coisas não podem ser para sempre.
      Mencionar vocês foi apenas a CULPA de ainda não ler seu registro sobre a maior de todas as suas aventuras. Deve ter sido muito incrível para você escrever inúmeros posts sobre o assunto.
      Quem sabe hoje nas barcas, voltando para casa, eu leio o primeiro da série?
      Abraços

      Excluir
    2. acho que eu não no seu lugar não teria paciência de ler he he. Ficou mais para registro mesmo. Para ler daqui há 20 anos... lê o último que resumiu tudo.
      grande abraço,
      Sergio

      Excluir
  3. Que tempo de paz sempre seja superior ao tempo de guerra!
    Precisando, grite! bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…