Pular para o conteúdo principal

Adidas Boost Endless Run: o relato

Foto: Adidas
Correr é algo tão bom, tão bom que a Adidas criou um evento onde foi possível participar de dois eventos no mesmo dia! Os melhores ainda correram uma terceira prova! A Adidas Boost Endless Run inovou neste ponto, onde a primeira prova teve 10 km, a segunda 5 km e os 100 melhores homens e as 50 melhores mulheres correram um último quilômetro na disputa pelo título deste inusitado evento.
A infraestrutura do evento classifiquei como impecável. Padrão Adidas de ser. Lindas camisas e de altíssima qualidade serviram para situar os inscritos o nível do evento. No espaço montado dentro do Shopping Leblon na sexta e sábado, além da retirada do número de peito, era possível realizar o teste da pisada e saber qual o melhor tênis Adidas para você correr. Tudo bonito e organizado.

Levantar cedo, no domingo, antes mesmo do sol nascer não é uma novidade na minha rotina de corredor. Mas levantar cedo para correr uma prova no Aterro do Flamengo tem um gosto especial, com ou sem horário de verão para roubar uma hora de sono. Como disse no último post, foram oito semanas de treino para chegar até aqui. Fiz o que estava ao meu alcance para chegar bem para esta prova.
A concentração pré-prova foi feita em companhia do Eric e da Isabel. Foi bom para controlar a ansiedade, pois cheguei a pensar em me jogar em meio a multidão na frente do pórtico de largada. Assistimos o início da prova do gramado, em meio aos últimos preparativos e ajuste do Garmin. A pista estava quase vazia, quando o locutor alertou que a largada iria ser encerrada.

Começar às sete ajudaria muito, pois a previsão era de um domingo de calor e muito sol, mas naquele momento o nevoeiro vencia a disputa mantendo o ambiente ameno. Apesar de saber, a pouca concentração perdeu para o "efeito manada" e disparei. Imediatamente o Garmin berrou pedindo para eu reduzir o ritmo. Precisei do primeiro quilômetro para encontrar meu melhor ritmo. Então foi segui em frente ultrapassando um bocado de gente, em meio as muitas lembranças que o aterro me proporcionara neste mais de quatro anos correndo.
No quinto quilômetro um Carb Up para refazer as reservas, sabendo que a conta viria mais a frente. No sétimo quilômetro o desgaste começou a atrapalhar, mas a motivação era maior. ISSO AQUI É O ATERRO DO FLAMENGO. O "Maracanã" do pedestrianismo! Não precisei de muito esforço para recuperar a concentração e manter a força das passadas e os segundos de vantagem em relação ao corredor virtual do Garmin. A meta estava no papo e no último quilômetro ainda encontrei forças para um sprint final e fechar com 57'04". Melhor tempo do ano, deixando para trás as marcas do Circuito Rio Antigo e Athenas.

Primeira meta cumprida. Tínhamos pouco menos de meia hora para nos recompormos para a segunda prova de 5 km. Bebi, comi e fiz alongamento, enquanto conversava com alguns amigos. Drica e Sérgio entraram no tonel de gelo para acelerar a recuperação. Pouco depois me juntei ao Eric e Isabel para trocar impressões da prova e nos preparar para os derradeiros 5 km.
Desta vez eu resolvi me misturar ao pelotão, pois não queria perder muito temo com ultrapassagens. Mas a largada no sentido aeroporto não ajudou muito, pois a passagem pelo viaduto de retorno além de desgastante embolou o pelotão. A idéia de manter o pace em 5'25"/km derreteu com o esforço do viaduto e o sol, finalmente vitorioso sobre o nevoeiro. Esquentou rapidamente e a meta passou a ser correr um pace melhor que o dos 10 km. Qualquer pace! Valeu água na cabeça, na coxa e nas panturrilhas. Eu sentia demais o ritmo, mesmo após dois pontos de hidratação. Vi a placa de retorno um pouco mais a frente e o desânimo quase me fez caminhar, mas ao ver a placa do km 3, percebi que já tinha passado dá metade. No retorno o Garmin acusou que faltavam menos de 1.500 metros. Deu até ânimo e segui perseguindo um outro corredor que tentava se desgarrar. Faltando 500 metros usei o que restava da energia para ultrapassá-lo e fechar com 27'51". Não deu para bater os 26'54" do Circuito Rio Antigo (meu melhor tempo no ano), mas vamos dar um desconto, não é?

O pós-prova foi uma festa. Reencontrar vários amigos foi muito bom. Abraço especial para o Eric, Isabel, Drica, Sérgio, Victor e esposa, além da Claudia (beijos especiais para sua mãezona corredora). Com a bonita medalha no peito vieram as fotos para assinar este fantástico evento.
Que venham os próximos!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…