Pular para o conteúdo principal

III Etapa de Circuito Athenas: o relato

A previsão do tempo para o último domingo era de sol, muito sol e com a temperatura na casa dos trinta graus. Não havia muito o que fazer, apenas ajustar as expectativas e cair no asfalto. Mas em uma prova que faz homenagem a mitologia grega, um dos deuses olhou por nós. Hermes, lá do alto, providenciou um nevoeiro, segurando o sol de Hélio longe de nós por algum tempo. Às sete e meia, o tempo estava fechado e com a temperatura em

torno dos 19°C. Perfeito para uma boa prova.

Isabel (C), estréia nos 10K em menos de 1 hora
As boas novas não pararam por aí. Como a Athenas sugere superação desde o slogan, domingo foi dia de várias vitórias pessoais. Bruno e Dani debutaram nos 5 km. Meu amigo depois de inúmeras lesões foi para a prova, assim como a namorada que superou um problema no tendão de aquiles. Eric e Isabel iriam para os 10 km, mas a vencedora do sorteio ganhou um desafio a parte: completar a prova em menos de uma hora. A pequena intrépida já havia realizado o feito na esteira, mas como dizem: treino é treino. Jogo é jogo. Prometi ser o pacer dela, mas eu mesmo não tinha certeza se conseguiria manter o ritmo. Só tinha um jeito de descobrir.

Largamos no final do pelotão, fato não muito bom para quem busca tempo, seja ele qual for. Depois do tradicional desejo da boa corrida, partimos os cinco em ritmo cadenciado. As ultrapassagens geravam certo desconforto, mas até a preocupação pela busca de um espaço para desenvolver a corrida colocou o esforço em segundo plano. A temperatura baixa colaborou demais com isso. A confusão seguiu até o retorno da prova de cinco quilômetros, quando o trajeto de duas faixas ficou menos entupido.
A blogueira e ultramaratonista Drica 
Conseguimos manter o ritmo planejado. No quilômetro 3 estávamos apenas 30 metros a frente do corredor virtual e dosando bem a energia. A passagem pelos pontos de hidratação foram tranquilas. Havia água de forma farta e gelada. Mantive a estratégia de sempre, bebendo meio copo e despejando a outra metade na cabeça. Incrível como o calor me incomoda, mas seguimos bem. Próximo do retorno, que marcava a metade da prova, vi a Drica do outro lado já fazendo o caminho de volta com semblante tranquilo de quem estava passeando. Deve ser coisa de ultra maratonista. Chegamos ao quilômetro 6 ainda na boa, mesmo tendo parado para Isabel amarrar o tênis. A pequena intrépida seguiu concentrada e bem até o quilômetro 8, mas não precisei perturbá-lá muito para recuperamos velocidade e finalizar a prova com 59'49"!
Foi melhor do que a encomenda. Chegar bem e com missão cumprida. Vieram as frutas, o isotônico e a merecida medalha. Pouco depois as fotos da vitória com os amigos em meio a magnífica infraestrutura do evento. Quem quis ainda pôde curtir uma bela mensagem.
Agradecimento especial à Ana Amaro pela parceria com a Iguana Sports. Incentivar a corrida é celebrar a vida.

Boas passadas

Comentários

  1. Parabéns, amigo! que bom que está de volta! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelas beiradas vou chegando. Sensação boa esta de correr bem, meu amigo.
      Domingo tem a Adidas e de novo com aquele friozinho na barriga de uma boa prova. Vou pra cima!
      Abs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…