Pular para o conteúdo principal

III Etapa de Circuito Athenas: o relato

A previsão do tempo para o último domingo era de sol, muito sol e com a temperatura na casa dos trinta graus. Não havia muito o que fazer, apenas ajustar as expectativas e cair no asfalto. Mas em uma prova que faz homenagem a mitologia grega, um dos deuses olhou por nós. Hermes, lá do alto, providenciou um nevoeiro, segurando o sol de Hélio longe de nós por algum tempo. Às sete e meia, o tempo estava fechado e com a temperatura em

torno dos 19°C. Perfeito para uma boa prova.

Isabel (C), estréia nos 10K em menos de 1 hora
As boas novas não pararam por aí. Como a Athenas sugere superação desde o slogan, domingo foi dia de várias vitórias pessoais. Bruno e Dani debutaram nos 5 km. Meu amigo depois de inúmeras lesões foi para a prova, assim como a namorada que superou um problema no tendão de aquiles. Eric e Isabel iriam para os 10 km, mas a vencedora do sorteio ganhou um desafio a parte: completar a prova em menos de uma hora. A pequena intrépida já havia realizado o feito na esteira, mas como dizem: treino é treino. Jogo é jogo. Prometi ser o pacer dela, mas eu mesmo não tinha certeza se conseguiria manter o ritmo. Só tinha um jeito de descobrir.

Largamos no final do pelotão, fato não muito bom para quem busca tempo, seja ele qual for. Depois do tradicional desejo da boa corrida, partimos os cinco em ritmo cadenciado. As ultrapassagens geravam certo desconforto, mas até a preocupação pela busca de um espaço para desenvolver a corrida colocou o esforço em segundo plano. A temperatura baixa colaborou demais com isso. A confusão seguiu até o retorno da prova de cinco quilômetros, quando o trajeto de duas faixas ficou menos entupido.
A blogueira e ultramaratonista Drica 
Conseguimos manter o ritmo planejado. No quilômetro 3 estávamos apenas 30 metros a frente do corredor virtual e dosando bem a energia. A passagem pelos pontos de hidratação foram tranquilas. Havia água de forma farta e gelada. Mantive a estratégia de sempre, bebendo meio copo e despejando a outra metade na cabeça. Incrível como o calor me incomoda, mas seguimos bem. Próximo do retorno, que marcava a metade da prova, vi a Drica do outro lado já fazendo o caminho de volta com semblante tranquilo de quem estava passeando. Deve ser coisa de ultra maratonista. Chegamos ao quilômetro 6 ainda na boa, mesmo tendo parado para Isabel amarrar o tênis. A pequena intrépida seguiu concentrada e bem até o quilômetro 8, mas não precisei perturbá-lá muito para recuperamos velocidade e finalizar a prova com 59'49"!
Foi melhor do que a encomenda. Chegar bem e com missão cumprida. Vieram as frutas, o isotônico e a merecida medalha. Pouco depois as fotos da vitória com os amigos em meio a magnífica infraestrutura do evento. Quem quis ainda pôde curtir uma bela mensagem.
Agradecimento especial à Ana Amaro pela parceria com a Iguana Sports. Incentivar a corrida é celebrar a vida.

Boas passadas

Comentários

  1. Parabéns, amigo! que bom que está de volta! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelas beiradas vou chegando. Sensação boa esta de correr bem, meu amigo.
      Domingo tem a Adidas e de novo com aquele friozinho na barriga de uma boa prova. Vou pra cima!
      Abs

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…