Pular para o conteúdo principal

My Asics app: o que ele tem de diferente dos demais?

No final de 2012 eu estava vivendo uma fase de estagnação dos resultados. Não conseguia mais baixar meus tempos com as planilhas genéricas que até então me direcionavam. Assim fiz uma vasta pesquisa sobre outras fontes e esbarrei no My Asics. Um aplicativo aos moldes do Run Keeper, mas que oferece de forma gratuita um sistema para gerar uma planilha personalizada usando como referências técnicas suas características (gênero, idade, peso), tempo disponível para treinar, resultados passados e objetivo.
Na época eu havia decidido por correr provas menores no verão, por conta do calor, que impossibilitava alcançar bons resultados. O resultado foi expressivo, pois mesmo não superando meu recorde pessoal, registrei meu segundo melhor tempo nos 5 km em pleno janeiro carioca. Este ano resolvi repetir a experiência, mesmo com uma meta mais modesta. Ainda estou longe de dos áureos tempos, mas acho que com este plano de treino eu continuarei me desenvolvendo. A meta é baixar meu melhor tempo de 2014, mesmo no calor de janeiro. Ousado, mas o que é a vida sem objetivos e ousadia?
O My Asics também tem outra característica importante. Enquanto a maioria das planilhas sugerem treinos baseados em esforço cardíaco (conforme fórmula de Karvonen Fox), a planilha baseia-se em ritmo. Sugere um intervalo máximo e mínimo de esforço para ser cumprido nas tarefas alvo.
O App divide o plano de treino em cinco fases: pré-preparação, ganho de velocidade, simulação de competição, polimento e alguns treinamentos para recuperação após a prova alvo. Percebi rapidamente a diferença na planilha. Normalmente o primeiro treino era mais leve quando comparado com os demais. Acabou a moleza. O primeiro e terceiro treino seguem semelhantes em todas as fases. O segundo treino é o clássico intervalado. Como o Garmin 610 informa o ritmo e buzina quando estou muito rápido ou muito lento, a sensação é de estar correndo com a companhia de alguém. O dispositivo não deixa a peteca cair!
Disponível também em português brasileiro, vejo apenas uma questão a ser criticada no gerador de planilhas. Ele suprime o tempo de aquecimento e desaceleração dos treinos. Isto é, ele se preocupa em informar apenas o treino alvo. Eu particularmente sou fã das planilhas da O2 e fico muito confortável com os 10 minutos sugeridos antes e depois do treino alvo. Deixo a dica, mas procure o melhor para você.
Por falar em melhor, se você é um iniciante procure orientação com um profissional. As assessorias são fantásticas sob vários aspectos, tanto que em 2012, logo após minha primeira experiência com o My Asics, iniciei os treinos para minha maratona em uma. Mesmo com dois anos de treinos nas costas, tive humildade e consciência para entender que novos desafios devem ser feitos sob orientação.
Fonte: myasics.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…