Pular para o conteúdo principal

Modo noturno

Esta última semana foi realmente cercada pelo inesperado. Os eventos me levantar a ficar acordado até mais tarde quase toda a semana, fato que afetou minha “vontade” para levantar da cama às cinco da manhã para treinar. Assim, o jeito foi improvisar e tentar treinar durante a noite. Apesar de considerar o horário inadequado pela multidão que toma o calçadão, pela poluição do trânsito, além de me deixar acordado mais tempo que o necessário. Fora isso, posso dizer que não enfreitei dificuldades de desempenho, ou a tal fatiga do final do dia. Talvez a corrida tenha se tornado realmente uma fuga para este estresse desmedido que vivemos em alguns momentos de nossas vidas, além do simples prazer por correr. Único ponto negativo foi não ter corrido o longão hoje e tamparei o buraco com uma corrida moderada amanhã cedo.
O modo noturno continuará esta semana, para tentar acertar o horário antes do final da semana.
Concluindo o clipping da Revista O2 de abril #96
CORRA PARA FLORIPA é mais que um guia para a Meia Maratona de Florianópolis. É uma referência para quem deseja debutar - como eu - em provas de 21K. Deixarei registrado aqui alguns fatos relevantes para consulta futura:
  • Avalie o clima. Se você conseguiu cumprir com sua planilha de treino e se considera apto para concluir a prova dentro de um tempo estimado, lembre-se que a temperatura pode e será o diferencial. Acima de 25ºC nosso desempenho cai sensivelmente, então esteja pronto para replanejar sua meta para evitar frustração ou tentar fazer além do que você pode.
  • Frio demais também atrapalha. Se você não quer jogar um lindo casaco fora, ou não tiver como entregar para alguém após os primeiros quilômetros, faça um casado com uma sacola plástica grande o suficiente para lhe manter aquecido, enquanto aguarda a largada.
  • Aquecimento é tudo. Aquecer é mais do que preparar o corpo para uma prova. É preparar a mente. É reduzir a ansiedade. Um aquecimento para soltar a musculatura, ou para simular - por poucos instantes - o ritmo da prova é uma forma interessante de recuperar o foco e lembrar que você ensaiou por semanas para estar ali naquele momento para fazer algo factível.
  • Se você estima terminar a prova acima de duas horas, recomenda-se ingerir algum repositor energético após quarenta minutos e uma segunda vez após uma hora e trinta de prova.
  • Comidas pesadas e proteínas. A três dias da prova, reduza a ingestão de proteínas, leite e derivados e dê preferência a carboidratos a fim de garantir sua reserva de glicogênio.
  • Na quinzena que antecede a prova, remova os treinos de qualidade e velocidade. Treinos leves e um longão no domingo anterior é mais que o suficiente para deixar o corpo pronto para a prova.

A revista apresenta até uma planilha com quatro treinos e musculação duas vezes na semana. Uma boa referência para quem não conta com uma assessoria esportiva. Mas vale lembrar que tudo isso só lhe ajudará se você se preparar bem para a prova, senão as chances de quebrar antes do final aumentam sensivelmente.
A matéria COM OS PÉS LIVRES foi oportuna para tratar de uma nova onde que invade o mundo dos corredores. Os tênis minimalistas são antagônigos a tudo o que nos acostumamos a usar nas últimas duas décadas, mas migrar dos tênis atuais para eles não é algo tão simples. A transição pode não ser muito simples, pois alterará absurdamente a pisada. O assunto é extenso e os dois lados possuem verdades e polêmicas. É uma matéria introdutória bastente interessante, caso você tenha interesse em conhecer mais sobre o assunto.
A CORRIDA IMPOSSÍVEL fala sobre o livro Endurance de Caroline Alexander. Zé Augusto de Aguiar faz uma ótima resenha sobre a aventura de um homem e seus seguidores ao Polo Sul. Não um, nem duas vezes. A história que começou como uma aventura se transformou em uma dramática história de resgate.
Você já se imaginou correndo uma maratona? E que tal 61 vezes a mesma? ENCARNAÇÃO DE BOSTON conta a história do homem que realizou esta proeza.
Enfim, a revista abordou diferentes temas, tornando-a muito rica em vários aspectos. Parabéns a O2.

Comentários

  1. Estou me preparando para minha segunda meia e é sempre bom ler dicas sobre esse tipo de prova. Musculação é chato, mas fundamental.

    Boas Corridas!!

    Alessandro
    http://blog42195.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. @Alessandro
    Opa! Qual será a próxima? Em relação a musculação eu ainda estou tentando compensar minha falta de motiviação em ir à academia com exercícios funcionais. Porém, não estou sendo muito disciplinado com eles. Arrumar um quarto dia na semana tá sendo bem difícil. Já estou pensando em separar uma meia hora antes - ou depois - dos treinos para fazer os específicos.
    Abraço e boas passadas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…