Pular para o conteúdo principal

Maratona do Rio 2011 - Colhendo os frutos da dedicação

Há um ano eu debutava na Family Run e me perguntava se eu conseguiria correr os 6 Km da prova. Não compreendia como alguém se propunha a correr 21 Km, muito menos 42 Km. Parecia algo sobrenatural permanecer correndo por tanto tempo, mas o tempo é um ótimo remédio para nossos medos e fantasmas. A resposta ao meu receio veio rápida e em pouco mais de 30 minutos, quando eu cruzei a linha de chegada da Family Run ano passado. Pensei: "Já acabou? Só isso?". Ali eu iniciava um novo ciclo em minha vida, desafiando meus limites físicos e mentais e reinventando meu jeito de viver. Tanto que pouco depois eu correria a Adidas Inverno/10 para tentar completar 10 Km sem parar.

Os treinos se intensificaram em ritmo, distância e intensidade. Os longões chegaram a 15 Km, os treinos de velocidade obedeciam a um pace abaixo dos 5 minutos e a presença de ladeiras um pré-requisito para ganho de força. Pouco depois eu já treinava com Gláucio, meu compadre, que já corria há tempos e apenas reforçou o que eu já sentia: correr é muito bom. Foi ele quem me convenceu a correr a Asics.

Ao perceber que eu daria conta da intensidade dos treinos para meia maratona, me inscrevi para correr a Meia Internacional do Rio, em agosto. Quanto a Maratona da Caixa, eu não achei que conseguiria me recuperar da Asics Golden Four e correr esta prova com qualidade, tanto que não fiz a inscrição com a antecedência que normalmente faço. Mas após a fantástica experiência na Asics, me animei e tentei realizar a inscrição para a prova, mas já era tarde. O número de vagas se esgotara. Mas sabe como é o destino. Ele corrobora a favor daquilo que devemos vivenciar. Na terça-feira antes da prova fui finalmente conhecer o trabalho da assessoria esportiva do André Cavalcanti, no Maracanã. Ironia do destino, o nome do treinador ser André. Um cara simples, de carisma diferenciado e sabedor do que faz. Nossa parceria como aluno e treinador estava apenas começando, mas nos demos bem. Aí o acaso colocou uma inscrição da meia maratona em minhas mãos. Ele me disse que não poderia correr e cedeu seu chip e número de peito. Ri de meu destino e agradeci o presente. Oficialmente eu correria a prova, como André.

Uma vez mais o pelotão Asics iria se reunir (eu, Gláucio, Sérgio e amigos) em busca de uma prova sub-2h. A novidade seria a presença de um velho amigo, o Lindemberg, mas o trânsito para chegar até a largada nos separou. Ele largara quase 15 minutos depois e não largou conosco.

A largada. O número de participantes era visivelmente maior. Não vi os pacers, nem muito menos um acesso ao pórtico de largada dividido por ritmo. Haviam uns 80 metros de corredores a nossa frente e outros 100 metros amontoados para trás na estreita avenida na Praia do Pepê. Precisamos de dois minutos para ultrapassar o ponto de largada e sofremos com o trânsito humano no acesso ao viaduto e na subida para o Elevado do Joá. A situação melhorou um pouco depois do segundo quilômetro e aproveitamos para apertar o ritmo. Aceleramos, mas seguíamos embolados na multidão. Nem mesmo a subida da Niemeyer serviu para dispersar, pois a organização reservou apenas a pista sentido zona sul para a prova. Seguimos ultrapassando muita gente, mas também estávamos sendo ultrapassados. Acho que foi o pedaço mais embolado da prova com direito a esbarrões e tropeções.

Ao chegar em Ipanema a situação melhorou bastante e aumentamos a velocidade. Enquanto corríamos aproveitamos os praticamente 3 Km de orla para  saber se conseguiríamos terminar a prova em menos de 2 horas, pois o GPS havia enlouquecido com os túneis no início da prova. Particularmente eu estava preocupado com o calor e não participei do debate, enquanto mantínhamos um ritmo abaixo de 5'40".

Correndo na boa. A estratégia de dois copos d'água por posto de hidratação funcionou muito bem (um para beber e outro para refrescar), pois a temperatura estava mais alta do que na Asics. Tanto que cheguei bem em Copacabana. Para minha surpresa passamos por um posto com isotônico e um segundo posto logo em seguida que distribuiu gel para reposição energética. Ao chegarmos a Av. Princesa Isabel ficou claro que estávamos na conta do chá para terminar abaixo de 2 horas. Ao passarmos pela banda militar, que tocava a música tema do filme Rocky dei uma acelerada. Sérgio aprovou e o Gláucio veio junto. Chegamos no Aterro com uma folga, mas não era muito. Meu compadre estava exausto e queria desistir, mas prometi que iríamos juntos até o final para terminarmos abaixo de 2 horas de prova. Aqui o Sérgio desgarrará para baixar o tempo da Asics, enquanto eu enchia a cabeça do Gláucio. De tanto que perturbei para tirar-lhe o foco do cansaço ele achou energia sabe lá onde para cruzarmos a Praia de Botafogo e o curvão da Glória. Oportuno chamar de Glória a curva que anunciou-nos a reta de chegada. Assim que avistamos o pórtico, o ânimo garantiu um pequeno sprint para completarmos com 01:59:29. Conseguimos.

Bastidores. Confesso que subir novamente o viaduto de saída da Barra não era algo que me trouxe tranquilidade, nem tão pouco a subida da Niemeyer. Mas por estarem no primeiro trecho da prova, não incomodaram tanto. Primeiro pelo ritmo que nos foi imposto pela multidão, que não permitiu forçar muito e, segundo, a altimetria da Niemeyer não impressionou no final. Com certeza não foi decisão da organização apertar todo mundo em uma pista em São Conrado e na Niemeyer, mas foi algo desconfortável. Na saída da Barra cheguei a tropeçar naqueles olhos de gato gigantes que delimitavam as pistas na Praia do Pepê.

O visual da prova. Passamos pelos pontos mais bonitos da orla carioca. Com certeza merece esta prova merece ser listada entre as mais bonitas do planeta.

A organização me surpreendeu. O que faltou na organização da largada, sobrou durante a prova. A água nos postos de hidratação estava geladas e as inúmeras mesas facilitaram o acesso.

Não haveria melhor forma de comemorar uma revolução no meu jeito de viver. Novos amigos, um jeito mais saudável de viver e muita, mas muita endorfina para garantir uma vida menos estressante e com ênfase nas conquistas e realizações. Amizades como a do Sérgio e uma desculpa para estreitar a amizade com meu compadre são presentes de valor inestimável. Para terminar, a corrida me ajudou a resgatar uma velha amizade: Lindemberg. Antigo companheiro de trabalho que a distância e o destino acabaram afastando. Mais uma vez estamos próximos e isso realmente não tem preço.

Curiosamente cheguei bem mais inteiro. O público que cercou o percurso trouxe uma dose de energia que não tivemos na Asics. Ouvir aquelas pessoas incentivando quem passava correndo trouxe ânimo para mente e para o coração.

Meu amigo Lindemberg me ligara pouco depois da chegada. Concluíra a prova em 01:58! Informei que esta fora a última corrida que ele faria fora do pelotão e já o convoquei para a Adidas Inverno deste ano, onde corro para superar meu maior desafio: correr abaixo de 50 minutos a prova em que debutei nos 10 Km ana passado.

Comentários

  1. Parabens pela prova e pelo tempo. Sub 2 horas... meu sonho de consumo...

    Abs

    Fabio

    ResponderExcluir
  2. @Fábio
    Três dias por semana usando uma das planilhas da Runners como referência me trouxe até aqui. Acredite, pratique, pois a corrida é o esporte mais honesto que existe. "Você é resultado dos seu empenho nos treinos". Li esta frase em uma revista e carrego comigo desde então.
    Obrigado pela visita, Fábio.
    Boas passadas

    ResponderExcluir
  3. Andre,
    obrigado pela citação. Foi uma ótima prova mesmo! parabéns pelo desempenho e pelo incentivo ao amigo Glaucio. Também quero fazer sub-50 na Adidas, mas só na primavera!
    abraço,
    Sergio

    ResponderExcluir
  4. @Sergio
    Que isso, Sérgio. Era o mínimo que eu poderia fazer por quem foi tão importante nestes momentos de conquista. Sua estratégia nas duas provas foi perfeita. A candência de ritmo garantiu o êxito nas duas oportunidades.
    Forte abraço, boa viagem e até breve.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…