Pular para o conteúdo principal

Epitáfio

Gostaria de tomar um pouquinho do seu tempo para contar uma pequena história. A história de uma mulher chamada Laura. Filha de Catharina, cresceu no interior de Minas Gerais. Se apaixonou por Luiz e se mudou para Volta Redonda. Enquanto assistia a Companhia Siderúrgica ser levantada, viu os extensos campos se transformarem em uma cidade. Deu a luz ao menino José e pouco depois a menina Neuza, seus filhos. Pouco depois adotou com seu coração um terceiro filho de nome Gilberto. Na década de 60 as coisas eram menos complicadas que hoje. Era possível amar e respeitar sem a lei precisar intervir. Amou a ajudou a criar e a mimar seus três primeiros netos, todos meninos. Depois fez o mesmo pela três meninas que seu segundo filho lhe presenteou. Justa e firme fez muito nesta vida e na mesma proporção fez pelas pessoas. Ajudou muita gente quando podia e até um pouco além. Viveu com uma correr em split negativo. Manteve um bom ritmo na primeira metade e ainda conseguiu acelerar para chegar ao final da prova com tudo. Por ser uma exceção em tudo que se propôs a fazer, também se incluiu no grupo de mulheres que fugiu a regra em viver apenas 78 anos. Quanto viveu... quanto ensinou a viver. Nunca foi esportista, mas levou uma vida sem vícios e adorava uma boa caminhada para resolver as coisas do lar. Foram 87 anos bem vividos, onde colecionou amizades e muita admiração. Em sua despedida ganhou aplausos após uma última oração e deixou um desafio para esta família: viver.
Minha saudade poderia ser uma desculpa para ficar em casa, mas minha admiração por tudo que minha avó fez me impede de permanecer parado. Assim eu treino, eu trabalho, eu amo a minha família e cuido do que me foi delegado com mais afinco. Mais do que nunca, minha luta é contra o relógio.
Espero que com a ajuda da corrida eu também supere os esperados 73 anos de vida para os homens do estado do Rio de Janeiro e, como ela, com muita sabedoria ajudar o próximo a trilhar percursos virtuosos, me espelhando em suas ações.
Runners de junho. Em meio aos acontecimentos perdi a revista. Gostei de algumas matérias, mas não me recordo dos detalhes para escrever um post. Mas inspirado em uma matéria que trazia dicas para treinos de velocidade fui navegar um pouco até esbarrar no Sprint curto. No passado eu ouvira falar destes treinos, mas como ainda estavam fora do meu universo não pesquisei mais a fundo.
Sprint curto. É assim chamam o intervalado de 30' por 30'. Cansa, mas ensina o corpo a trabalhar em ritmo mais elevado.

Comentários

  1. André,
    meus sentimentos pela sua avó... com certeza foi uma mulher e tanto!
    vais correr a Caixa? pretendo ir de novo no mesmo ritmo! vamos juntos?
    abraço,
    Sergio
    corredorfeliz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Sérgio,
    Não consegui me inscrever e espalhei entre amigos que se souberem de algum desistência, posso até comprar a inscrição (principalmente se a camiseta for G). Mas 21 de agosto estarei em São Conrado para a largada da Meia Internacional do Rio.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. André

    Bela homenagem a sua avó... Ela deve estar muito orgulhosa do neto na no plano superior...

    Fábio

    ResponderExcluir
  4. Uma vez lendo um senso achei a seguinte informação: 2/3 das famílias que vivem com até 2 salários mínimos se declararam felizes. Diante de um cenário como este fica difícil dizer que existe algo mais precioso que o amor nesta vida que levamos por aqui. Se carregaremos algo para outro lugar com certeza na será material.
    Obrigado pela visita e pelo comentário, Fábio.
    Forte abraço e boas passadas.
    André

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…