Pular para o conteúdo principal

E lá vamos nós novamente - Parte II

Vou começar este post apresentando a comadre, esposa do Gláucio. Ela também corre. Ama uma atividade física desde que não a tire da cama cedo. Resolvi falar da minha comadre, pois uma frase que ela me disse explica exatamente o momento que estou vivendo:”Você não vive para correr, mas corre para viver melhor. Esta fase de transição vai passar e você tem a vida inteira para correr”. Da mesma forma que foi um alívio suas palavras de apoio, uma pergunta não sai da minha cabeça: Quanto tempo mais precisarei para reorganizar meu relógio biológico, horário de trabalho e família?
Este é um típico caso em que a agenda se tornou uma grande desafio. O corpo reclama treinos, mas estes não cabem mais a noite por costume. De manhã ainda é algo impossível, pois não consigo levantar mais às cinco da matina. E assim o tempo vai passando. O relógio biológico está tão maluco que fui colocar meu filho para dormir às nove e embarquei num lindo sono ao lado dele na cama. Agora são quase duas da manhã e acabei de jantar, pois acordei esfomeado.
Neste exato momento me pergunto se vou postar este texto louco que escrevo, pois o que isso tem a ver com corrida de rua? Mais parece um desabafo de uma pessoa com problemas e problemas você já tem os seus. Por que perder tempo em lê-los? Talvez a mensagem que eu queira passar é que a adversidade faz parte do viver e neste momento eu esteja enfrentando mais um daqueles momentos que já passamos em treinos ou provas um pouco mais longas, quando duvidamos se dá para terminar a prova ou o treino.
Manter o blog é justamente a mente lutando para trazer o corpo de volta para ativa, ou ao contrário. Talvez seja o corpo suplicando para a mente encontrar uma saída para as novas variáveis de vida para voltar a ativa. Vai saber. Talvez por isso meu post Mens sana in corpore sano seja o mais visitado de meus textos. Praticamente 4 vezes mais visitas que qualquer outro.
Fecharei o post falando um pouquinho de corrida de rua. Minha esposa acabou me levando para a Pique Unimed. Claro que não fiz os 9K, mas apenas a caminhada de 3K com ela. Foi um começou. Foi bom levantar cedo no domingo, calçar o tênis e rever a orla de São Francisco e Charitas. A Spiridon montou uma bela estrutura. Acho que a melhor em Niterói até agora. Parabéns aos envolvidos pela iniciativa.

Comentários

  1. Fala André! Como vai, parceiro?
    Poxa, nem nos encontramos no Pique Unimed, você acabou fazendo os 3km, né? O clima estava bem favorável no dia, fiquei pensando que ou ia chover muito ou ia fazer um sol daqueles e acabou que ficou no intermediário, que sorte!
    Vai fazer a corrida do Caminho Niemeyer? Já está chegando...

    Um abração! Até a próxima!

    ResponderExcluir
  2. Carlos,
    estou por fora do calendário de Niterói. Qual a sua fonte de informações? Me mande o link.
    Obrigado pela visita.
    Abs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…