Pular para o conteúdo principal

E agora, Gump?

Três mil duzentos e vintes e um homens se proporam a correr a Maratona Caixa do Rio de Janeiro 2013. Eu cheguei após dois mil cento e trinta corredores mais rápidos do que eu, com o tempo de quatro horas, trinta e quatro minutos e cinquenta segundos. Como prêmio pela devoção dos últimos seis meses, passei os dez dias que se seguiram sem tênis. A prioridade foi descansar, acho que mais a mente do que o corpo.
Na mesma proporção que eu me sentia satisfeito pelo feito, experimentava um desconfortável ócio. O corpo aprendeu a levantar cedo e me vi vários dias olhando para o teto.
Durante estes dez dias sem tênis, lembrei em inúmeros momentos do filme Forrest Gump. O trecho em que ele resolveu sair correndo em busca de respostas orbitavam minha mente. Emblemático foi o momento em que ele parou de frente para o oceano e depois de um tempo decidiu retornar. E continuou a correr.
A vida é assim. Não existe um movimento verdadeiro sem motivação. Não estou falando daquilo que fazemos no automático, ou fazemos por obrigação. Estou falando do movimento que fazemos crentes de que plantaremos e colheremos algo de bom para nossas vidas. Então eu comecei a pensar no meu próximo objetivo e por conta do escasso tempo livre, resolvi retomar um antigo projeto: correr os dez quilômetros abaixo dos cinquenta minutos. Os treinos para provas de dez quilômetros são mais curtos, o que me permitirá manter um equilíbrio mais saudável entre família, estudos, trabalho e a corrida.
Então fui para a Internet, pois navegar em busca das provas de dez quilômetros era preciso. Depois de algum tempo, achei minha prova alvo. Melhor, minhas provas alvo. Marquei em vermelho as três provas que tentarei desafiar meu passado (50’18” na Adidas/11 - Etapa Primavera). Terei de oito a nove semana para o primeiro desafio, a etapa primavera do Circuito das Estações Adidas. Depois mais quatro semanas para a terceira etapa do Circuito Athenas e, por fim, outras quatro semanas até a Nike Rio. Terei tempo suficiente para retomar os treinos e ganhar ritmo.
A segunda etapa do Circuito Athenas será um belo longão de dezesseis quilômetros. Vou sem compromisso algum com resultado para um evento que aprendi a admirar e frequentar.
Correr se tornou parte da rotina, como respirar, ou comer. Não é uma obrigação, mas uma necessidade para se manter o bem estar.
Quer tentar?
Já tentou?
Boas passadas

Comentários

  1. Muito bacana! Me deu até vontade de rever o filme!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Engraçado estes insights. A mente humana é realmente capaz do inesperado. Foi buscar lá no fundo do baú esta lembrança.

      Excluir
  2. André, parabéns pela maratona.
    Curtir, assimilar o realizado, leva um tempo mesmo. E após um tempo correndo, sentimos a necessidade de criar um novo objetivo, para manter o foco e o gosto pela corrida. Escolheste provas ótimas. Excelentes mesmo. Bons treinos, guerreiro.
    Foco, força e fé!
    abraços
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Helena.
      Também curto os seus posts, mas recentemente é que pude divulgá-los da forma como eles merecem.
      Montei um grupo aberto no facebook para os seguidores do blog ANDRÉ E O TÊNIS interagirem mais. Parece que este espaço ainda intimida muita gente e o grupo aberto não nos obriga a ser "amigos" de todo mundo no face. Depois passa por lá. Você está mais do que convidada para fazer parte do grupo.
      Boas passadas!
      André
      http://andreeotenis.blogspot.com
      https://www.facebook.com/groups/462828997098174/

      Excluir
  3. Manero André.
    Correr é como uma deliciosa sobremesa. Se engolir tudo de uma vez, não dá para curtir. O gostoso é saborear a prova, relembrar, descrever e depois partir para a próxima. Ainda mais depois de uma maratona tão especial.

    Que venham muitas outras dessas pela frente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Luiz.
      E justamente pensando no futuro que pesquisei e selecionei algumas das provas. Preciso de desafios para manter minha sanidade.
      Tenho nos meus planos retornar ao sul no ano que vem, mas para correr (claro).
      Boas passadas e obrigado pela visita.

      Excluir
  4. Novos desafios são sempre bem-vindos!

    E eu adoro Forrest Gump! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São eles que me movimentam, Renata.
      São o tempero para encarar esta vida recheada de adversidades.
      Quanto ao filme, deu até vontade de rever depois que escrevi o post.

      Excluir
  5. Fala, André!

    Parabéns pelo post. Concordo contigo: precisamos de desafios para mantermos a motivação, para buscarmos novas superações.

    Desejo sucesso durante toda a preparação para os próximos desafios, e boa sorte ao encará-los.

    Grande abraço e bons treinos.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Brunno. Desejo o mesmo para você!

      Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…