Pular para o conteúdo principal

A vida... é uma caixinha de surpresas II

Onze dias de molho, relaxante muscular e muito gelo. A perna parou de doer e resolvo fazer o primeiro teste em ambiente controlado. A proposta seria realizar 40 minutos de corrida leve na esteira para ver como a coisa estava debaixo da pele. Depois de dois minutos caminhando, coloquei a máquina rodando a 8.7 km/h e lá fui. Um gole d'água a cada 10 minutos (avisados pelo monitor cardíaco) e quando percebi o treino havia acabado.
Foi um treino razoável, faltando uns 5 minutinhos um leve desconforto, mas não que assustasse. O decorrer do dia é foi um pouco mais complicado, pois fiquei com uma dor localizada. Mais gelo nas 48 horas seguintes e estava na boa. Era quinta, acordei cedo, mas decidi dar mais 24 horas para a musculatura antes de ir para a rua. Mais gelo, sem dor e novamente acordei cedo. Não resisti e desci para tentar 40 minutos de corrida leve, agora no asfalto.
Não havia como àquela hora ligar a esteira dentro de casa. Minha mulher iria me trucidar antes mesmo dos vizinhos. Afinal o dia não havia amanhecido. Um pequeno aquecimento na calçada, fazendo um sobre e desce, a imitar uma subida de escada para aquecer os músculos. Depois disso, foi ligar o relógio e seguir em direção a praia. Depois do primeiro minuto de expectativa veio a confiança, pois não havia dor. A mente e o corpo já por padrão buscaram a "velocidade de cruzeiro". Por vários momentos tive que me policiar para não aumentar a velocidade, pois a ausência de dor era um convite a adotar um ritmo mais intenso. Afinal as duas semanas parados me deixaram sob abstinência da endorfina. Infelizmente o breve momento de rebeldia cobrou seu preço. A dor voltara com quase vinte minutos de treino. 
Caminhei um pouco mais para entender até onde a dor se estendia em meio a bom dias e sorrisos dos assíduos frequentadores da alvorada. Isso me trouxe conforto e aproveitei o tempo reservado para curtir uma das vistas mais bonitas do planeta com o Pão de Açúcar, Cristo Redentor e MAC como adereços a uma Baía de águas calmas e céu claro. 
Relaxar talvez tenha sido a palavra chave da experiência, pois a dor diminuiu. Tanto que o retorno para casa ocorrera sob intervalos de corrida e breves caminhadas. Parecia um louco. Sorrindo, às vezes mancando ou correndo. De repente a imagem do Gene Wilder no papel do Sr. Wonka me veio a cabeça. Ele mancando de bengala até o portão da fábrica de chocolate para receber os ilustres convidados com seus cupons dourados. No final, ele ameaça cair, realiza uma cambalhota e de braços abertos sorri para todos. Só a corrida para me fazer rir nestas horas.


Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…