Pular para o conteúdo principal

Quatro anos de corrida comemorados na Athenas 10K

Foi um final de semana memorável. Apesar dos quase 60 quilômetros entre Niterói e a Barra da Tijuca, chegar a Mega loja da Centauro e pegar o kit sem filas ou transtornos foi um alento. A estrutura simples e eficiente é sinal da maturidade da Iguana Sports como organizadora de eventos esportivos.
A camisa de poliamida (linda diga-se de passagem) será guardada com muito carinho, pois nesta prova comemorei quatro anos como corredor.
Eu gostaria de ter mobilizado a galera, tirar fotos, mas foi tudo meio no improviso, por conta da correria (sem tênis) dos últimos dias. Por capricho do destino ainda consegui ajudar uma amiga do trabalho, que em viagem não conseguiria pegar o kit. Assim, cumpri o ritual de sempre. Tentar descansar na noite anterior, levantar cedo e curtir a prova. Prova que não seria para buscar recordes pessoais, mas para consolidar a maior das lições que a corrida pode nos ensinar: a persistência.
O bom corredor aprende logo o quanto a corrida pode ser generosa com quem se entrega por completo. A sensação de missão cumprida é quase indescritível. Trás uma felicidade e confiança sem tamanho para que sigamos em frente. Lição que pode ser aplicada à todas as áreas de nossa vida, pois viver requer atitude. Assim como chegamos no ápice da fadiga e precisamos decidir se continuamos, ou se paramos, a vida em muitos momentos exige uma dose a mais de vontade para se manter o equilíbrio em direção as grandes resoluções. É nisto que eu acredito. Viva a corrida.

A manhã de domingo começou silenciosa, céu nublado e temperatura amena. A viagem para a Barra da Tijuca foi tranquila e sem trânsito. Tranquila até o pedágio, pois ao sair do túnel me deparei embaixo de uma chuva sem tamanho. A primeira reação foi de susto e a segunda de alegria. Com certeza não passaria aperto na prova por conta do calor. Coisa de maluco esta perspectiva de corredor. Bom, pois não somos de açúcar e sabemos tirar proveito de qualquer coisa. 
Cheguei ao Pontal perto das sete e estacionei o carro próximo da concentração. Por conta da chuva fiquei dentro do carro e pacientemente coloquei o número de peito, o chip no tênis e liguei para Joyce. Eu estava com o kit dela. Até que ali pelas sete e vinte e cinco finalmente nos falamos e ela me alertou que a largada ocorreria às sete e meia! Tranquei o carro e sai correndo para encontrá-la. Deixei o número peito e o chip com ela e segui para o guarda-volumes, após desejar-lhe boa sorte. Era sua primeira tentativa de concluir uma prova de dez quilômetros.
Passei pelo pórtico de largada quando faltavam dois minutos para organização fechar a passagem. A pista já estava meio vazia, pois o grande pelotão seguia a minha frente. 
A meta era manter a frequência cardíaca entre 85% e 90% da máxima. Evitei aferir o pace, para não me frustar ou animar demais. Entre o primeiro e segundo quilômetro alcancei o mar de gente. Entre os corredores muitos andarilhos, exigindo certa habilidade para desviar de tantos sem derrubá-los. Eu mais parecia um louco gritando animadamente "cooooom licença pooooor favor... muuuuito obrigaaadu!", enquanto passava pela multidão. Quando cheguei no retorno dos dois quilômetros e meio, senti falta das meninas gritando "cinco a esquerda, dez a direita". Então, tomei a liberdade de auxiliar o calado staff que tentava orientar os corredores.
A chuva apertava, a temperatura baixava e eu me animando cada vez mais. A pulsação já havia alcançado 95%, mas eu estava bem. A panturrilha estava bem. A euforia já havia me possuído, enquanto a cada minuto acelerava mais. Quando vi a placa do quarto quilômetro resolvi apertar ainda mais o passo e comecei uma corrida pessoal contra um grupo que seguia a minha frente. Verdade que não passei por todos, mas foi fantástico terminar a prova com um sprint e coração na boca. Vinte sete minutos depois da largada eu sabia que a panturrilha superou o rojão. Que a quinta temporada estava só começando, mas a motivação era a dois áureos tempos. Seria mentira falaste que a motivação era de iniciante, pois ninguém bi começo fica animado. A paixão vem no final da primeira possuía. Da primeira medalha.

A alegria foi tamanha que simplesmente parei para curtir a chuva e assistir aos demais corredores chegarem. Recuperado, comecei minha caminhada para buscar Minha amiga que debutava nos dez quilômetros. Enquanto caminhava vi a Drica e seu marido, a Márcia e o Waldemar, além da Angélica. Além deles, alguns amigos da rede social começavam a curtir o post com o resultado da prova. Eu passava da parque anunciava o oitavo quilômetro, quando avistei minha amiga de meias rosas. Achei um barato a reação de surpresa dela e fiquei ainda mais feliz com a disse de animo que aquilo lhe dera. Para lhe distrair do cansaço o ultra-maratonista Jorge passou pela gente e gravou uma breve entrevista conosco (enquanto corríamos, claro). Quando percebemos já estávamos no último quilômetro, nos aproximando da música e pouco depois da chegada. Desafio vencido, tiramos algumas fotos antes de nos despedirmos do novo templo da corrida de rua do Rio de Janeiro.

O evento promovido pela Iguana Corta esteve dentro do padrão de qualidade já conhecido pelos fãs do Circuito Athenas. Gostaria de agradecer uma vez mais pela confiança e carinho a este credor e blogueiro. Tirar do Aterro do Flamengo este evento foi uma decisão sabia, custo as obras que se multiplicam na região. O Pontal é plano, com pistas largas, com uma vista até mais bonita. Aos apaixonados da Golden Four Asics uma ensaio para a etapa Rio deste curtiu de meias maratonas. Para os demais um muito obrigado e até breve.
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…