Pular para o conteúdo principal

Meu cativeiro

Ainda está escuro quando abri os olhos na silenciosa madrugada da última quarta. Tentei imaginar que horas poderiam ser, quando o despertador começara a tocar. Eram cinco horas. O primeiro dia em sete sememas que eu levantava para treinar. Uma pergunta não saia da cabeça. Eu me questionava sobre o quanto eu poderia ter regredindo após tanto tempo parado.]
O ritual foi o de sempre. Lanche rápido e vestir as roupas separadas na véspera.Demorei mais que de costume. Falta de prática, mas as cinco e meia eu estava na rua. O aquecimento foi feito, enquanto o Garmin sincronizava o GPS, e foi curtir os quarenta minutos de treino. Dava até para forçar e correr o treino inteiro, mas a frequência cardíaca estava bem mais alta que de costume. Assim, pouco antes da metade do treino resolvi caminhar. Forçar para que? Estava comemorando um triunfal retorno, depois de ficar amarrado ao sofá em meio aos estudos e afazeres do dia a dia. Temperatura baixa, ruas tranquilas e uma alvorada inspiradora como cenário. Ainda tive oportunidade de agradecer ao passar em frente a igreja de São Judas Tadeu por mais esta vitória.
Em casa, resolvi definir uma planilha para as próximas oito semanas. Avaliei uma para iniciantes, mas três semanas de caminhada seriam demais. Acabei optando por oito semanas em nível intermediário da O2.
Dois dias depois voltei para rua. Já foi melhor. Consegui percorrer uma distância maior em menos tempo, mas ainda caminhei.

O que não podemos esquecer depois de cair é lembrar de se levantar. Seja lá o que for que lhe atormenta, lembre-se que não será para sempre se você encontrar formas diferentes de enfrentar o problema. Uma hora você acerta e pronto! Livre para outra!!! Daqui a duas semanas tem Circuito Rio Antigo para comemorar mais um ciclo, apesar deste último ter sido sem o tênis. Mas ao olhar para as fotas e para a medalha, a lembrança da vitória virá de qualquer forma.
Parafraseando Rubem Alves (que Deus o tenha): "Vive mais, quem tem motivo!"

Boas passadas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…