Pular para o conteúdo principal

Nunca me machuquei com um Asics Kayano nos pés


A vida de um corredor começa pelos exames médicos, mas depois de ter certeza que eu poderia correr, uma pergunta consumiu muito do meu tempo para ser respondida: que tênis devo utilizar? 
Meu primeiro tênis foi comprado na mais inocente ignorância. A única informação útil que eu possuía era de que ele deveria ter um ótimo amortecimento. E com isso comprei um dos melhores tênis para pisada supinada. O problema é que descobri tardiamente que minha pisada é pronada. Assim vi um tênis caro ser destruído em menos de três meses de uso, enquanto treinava para participar da minha primeira prova. Fui mal orientado durante a compra do tênis. O vendedor afirmou com que o tênis era bom para qualquer tipo de pisada e eu, ingênuo, acreditei. 
Assim cheguei ao dia da retirada do kit para Family Run. Fui a feira promovida para o evento e lá tive a curiosidade de fazer o tal teste da pisada promovido pela Asics. Teste feito e mistério desfeito. Olhei para prateleira e comprei o tênis que iria usar no dia seguinte na prova. Ao calçar o Kayano pela primeira vez, eu tive a certeza de que nunca havia tido um bom tênis. A palavra perfeição se aplicava àquele momento de conforto e satisfação. Ali foram as primeiras passadas das centenas de milhares que eu viria a dar com um Kayano. 
A maioria dos quilômetros que percorri foi com um Kayano nos pés.  Sempre bem e saudável. Um daqueles casos de amor perfeito, que apenas um idiota colocaria a prova. Pois é, o idiota aqui colocou e arrumou lesões. Foram tentativas de se economizar alguma grana, comprando modelos mais em conta. 
O teste da pisada e a utilização de tênis auxiliando a correção da pisada é apoiada por muitos, mas também é contestada por outro grupo muito expressivo. Eu não posso afirmar que o Kayano é uma solução para você. Nem muito menos que com o teste da pisada, você encontrará o seu par prefeito. Mas posso dizer que enquanto utilizei os Kayanos 15, 16 e 18 não me machuquei. Tenho alguns amigos e amigas que também resolveram problemas com dores após o testes da pisada e conseguiram encontrar o tênis ideal para si, tendo pisada supinada ou pronada. O importante é termos em mente que sentir dor não é normal. A dor nada mais é do que um alarme para algo que está provocando desconforto em alguma parte do corpo e precisa ser evitado. Caso contrário, o problema crescerá para algo incapacitante. 
Busque sua verdade e aproveite este maravilhoso mundo da corrida. A minha é que a partir de hoje irei para as ruas com meu quarto Kayano. O Asics Kayano 20.

Boas passadas!

Comentários

  1. Feliz 2015 encima do seu novo Kayano, André!

    ResponderExcluir
  2. Andre bom dia, quando comecei a correr e lendo vários artigos sobre pisada e por gastar a borda de fora do tênis eu na santa ignorancia pensei que a minha pisada era supinada, ai em um dos treinos da Mizuno alguns anos atras eu fiz o famoso teste da pisada e no termino a mulher me informou que a minha pisada era Neutra e dai eu disse...Como assim? Se eu gasto a borda de fora a minha e supinada, ela me disse que nem todos que gastam a borda de fora do tenis e supinador...Não contente com o teste, refiz em outro lugar e não é que deu novamente Neutro...Sendo que antes comprava tenis para supinador e de vez em quando me dava umas dores, ou seja depois que fiz o teste por duas vezes e deu neutro a partir daquele dia nunca mais sentir dor no pé...Os tenis Asics sao bons, nunca usei um Kayano o de maior conforto que já utilizei foi o CUMULUS 14, sendo que ano retrasado em uma ultra de 24 horas apertou muito pq o meus pés estava inchados devido estar correndo 24 horas, ai coloquei o Sprint que a frente dele e mais larga e deu tudo certo...Vlw amigo...Bons treinos!!!

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…