Pular para o conteúdo principal

I Etapa da Athenas RJ: para começar o ano com o pé direto!

No último domingo foi realizada a primeira etapa da Athenas RJ. Pela primeira vez no ano, resolvi desafiar os 10 km.

Como de praxe deixei as coisas separadas no sábado a noite, afinal dia de prova é dia de acordar cedo, muito cedo. O sol ainda não tinha saído quando eu estava terminando de me arrumar e tomar rumo para o Recreio dos Bandeirantes. A previsão de chuva não se concretizou, mas o dia havia começado com temperatura aceitável o suficiente para uma boa prova. Assim, cheguei na esperança de vencer meu desafio e correr abaixo de uma hora.
Domingo também foi dia de celebrar a vitória de alguns amigos. Uns, como eu, voltavam de lesões e outros superaram limites na guerra contra balança. A animação era quase tátil. A prova, mais que o desafio, era o momento de celebrar (com chave de ouro) o fechamento de mais ciclo de treinamento. Nos reunimos em meio a agradável estrutura para trocar histórias e tirar algumas fotos antes da largada. Depois cada um se colocou onde era pertinente e partiu para construir a própria história.
Larguei no pelotão amarelo, logo atrás da elite - pace entre 5' e 6' min/km - e não sofri com o velho problema das ultrapassagens. Afinal, todos estavam praticamente na mesma velocidade. Preciso registrar a importância de se respeitar o ritmo. Alguns poucos furaram o esquema e ficaram expostos as trombadas.
Durante todo o percurso a pista foi dividida por cones para delimitar a pista de ida, da pista de volta. Funcionou razoavelmente bem, pois em alguns trechos vi corredores invadindo tanto a faixa que era permitido o trânsito de carros e mais a frente usando a pista dos últimos cinco quilômetros. Como os líderes sempre são escoltados por batedores, o pessoal retornou a faixa correta no momento propício. Depois de uma célere salva de palmas aos excepcionais, retomei o foco para as passadas e terminei a primeira metade com 29'23".
Cheguei bem a metade da prova. Pensei no carb up para recompor as reservas energéticas, mas por fatalidade deixe-o cair. Nem pensei em parar para pegá-lo, seria pior tentar retomar o ritmo. Encarei como um sinal. Ironicamente pouco depois alcancei um posto de hidratação que oferecia isotônico nas primeiras mesas e água logo em seguida. Reabastecido, segui em frente.
Com sete quilômetros de prova comecei a sentir a fadiga. Compreendi o cansaço do quadríceps com movimentos mais amplos com os braços. Ajudou. Ajudou a ponto de manter o ritmo que eu vinha tocando e fechei a prova com um modesto sprint com 58'59. Apesar do curto tempo de treino e de não ter feito uma planilha específica para dez quilômetros, consegui. Termino este ciclo convicto do poder dos treinos funcionais e a certeza de que devo continuar com eles. Não senti dores musculares após a corrida, o que comprova o fortalecimento e o eficiente alongamento pós-prova.
Com a medalha no peito fui comemorar o feito com os amigos. Cada um com sua história, sua conquista. Algumas fotos depois e já estávamos pensando no próximo desafio.
Quem viver, verá!

Impressões
A estrutura montada para este ano estava impecável como nos anos anteriores. Quem estava a fim pode fazer massagem inclusive antes da prova. A fila existiu, verdade, mas vale a pena. As frutas estavam com uma boa aparência e saborosas. O isotônico gelado no final é sempre bem vindo.
Ter apenas parte da rua na largada é um antigo complicador, mas o controle de acesso às baias de ritmo possivelmente fizeram diferença.
O chip grudado no verso do número de peito foi novidade para mim. Interessante, pois reduz a chance do descarte em local indevido com o chip descartável e reduz o estresse da organização com o chip antigo, que precisamos pegar e devolver em algumas provas.

Você sorriu? Possivelmente tiraram uma foto sua

Apenas reforçando o que disse no último post, a MidiaSport (.com.br), a Fotop (.com.br) e o FocoRadical (.com.br) fotografaram o evento. As imagens podem ser adquiridas por preços razoáveis. É sempre legal guardar uma recordação.

Comentários

  1. Parabéns, amigo! ótimo retorno! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo. Este primeiro ciclo foi de redenção. Me debatido como em 2011. Agora é continuar treinando e buscar a superação.
      Valeu a força e a visita.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.


Exc…

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…