Pular para o conteúdo principal

I Etapa da Athenas RJ: para começar o ano com o pé direto!

No último domingo foi realizada a primeira etapa da Athenas RJ. Pela primeira vez no ano, resolvi desafiar os 10 km.

Como de praxe deixei as coisas separadas no sábado a noite, afinal dia de prova é dia de acordar cedo, muito cedo. O sol ainda não tinha saído quando eu estava terminando de me arrumar e tomar rumo para o Recreio dos Bandeirantes. A previsão de chuva não se concretizou, mas o dia havia começado com temperatura aceitável o suficiente para uma boa prova. Assim, cheguei na esperança de vencer meu desafio e correr abaixo de uma hora.
Domingo também foi dia de celebrar a vitória de alguns amigos. Uns, como eu, voltavam de lesões e outros superaram limites na guerra contra balança. A animação era quase tátil. A prova, mais que o desafio, era o momento de celebrar (com chave de ouro) o fechamento de mais ciclo de treinamento. Nos reunimos em meio a agradável estrutura para trocar histórias e tirar algumas fotos antes da largada. Depois cada um se colocou onde era pertinente e partiu para construir a própria história.
Larguei no pelotão amarelo, logo atrás da elite - pace entre 5' e 6' min/km - e não sofri com o velho problema das ultrapassagens. Afinal, todos estavam praticamente na mesma velocidade. Preciso registrar a importância de se respeitar o ritmo. Alguns poucos furaram o esquema e ficaram expostos as trombadas.
Durante todo o percurso a pista foi dividida por cones para delimitar a pista de ida, da pista de volta. Funcionou razoavelmente bem, pois em alguns trechos vi corredores invadindo tanto a faixa que era permitido o trânsito de carros e mais a frente usando a pista dos últimos cinco quilômetros. Como os líderes sempre são escoltados por batedores, o pessoal retornou a faixa correta no momento propício. Depois de uma célere salva de palmas aos excepcionais, retomei o foco para as passadas e terminei a primeira metade com 29'23".
Cheguei bem a metade da prova. Pensei no carb up para recompor as reservas energéticas, mas por fatalidade deixe-o cair. Nem pensei em parar para pegá-lo, seria pior tentar retomar o ritmo. Encarei como um sinal. Ironicamente pouco depois alcancei um posto de hidratação que oferecia isotônico nas primeiras mesas e água logo em seguida. Reabastecido, segui em frente.
Com sete quilômetros de prova comecei a sentir a fadiga. Compreendi o cansaço do quadríceps com movimentos mais amplos com os braços. Ajudou. Ajudou a ponto de manter o ritmo que eu vinha tocando e fechei a prova com um modesto sprint com 58'59. Apesar do curto tempo de treino e de não ter feito uma planilha específica para dez quilômetros, consegui. Termino este ciclo convicto do poder dos treinos funcionais e a certeza de que devo continuar com eles. Não senti dores musculares após a corrida, o que comprova o fortalecimento e o eficiente alongamento pós-prova.
Com a medalha no peito fui comemorar o feito com os amigos. Cada um com sua história, sua conquista. Algumas fotos depois e já estávamos pensando no próximo desafio.
Quem viver, verá!

Impressões
A estrutura montada para este ano estava impecável como nos anos anteriores. Quem estava a fim pode fazer massagem inclusive antes da prova. A fila existiu, verdade, mas vale a pena. As frutas estavam com uma boa aparência e saborosas. O isotônico gelado no final é sempre bem vindo.
Ter apenas parte da rua na largada é um antigo complicador, mas o controle de acesso às baias de ritmo possivelmente fizeram diferença.
O chip grudado no verso do número de peito foi novidade para mim. Interessante, pois reduz a chance do descarte em local indevido com o chip descartável e reduz o estresse da organização com o chip antigo, que precisamos pegar e devolver em algumas provas.

Você sorriu? Possivelmente tiraram uma foto sua

Apenas reforçando o que disse no último post, a MidiaSport (.com.br), a Fotop (.com.br) e o FocoRadical (.com.br) fotografaram o evento. As imagens podem ser adquiridas por preços razoáveis. É sempre legal guardar uma recordação.

Comentários

  1. Parabéns, amigo! ótimo retorno! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo. Este primeiro ciclo foi de redenção. Me debatido como em 2011. Agora é continuar treinando e buscar a superação.
      Valeu a força e a visita.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…