Pular para o conteúdo principal

I Etapa da Athenas RJ: para começar o ano com o pé direto!

No último domingo foi realizada a primeira etapa da Athenas RJ. Pela primeira vez no ano, resolvi desafiar os 10 km.

Como de praxe deixei as coisas separadas no sábado a noite, afinal dia de prova é dia de acordar cedo, muito cedo. O sol ainda não tinha saído quando eu estava terminando de me arrumar e tomar rumo para o Recreio dos Bandeirantes. A previsão de chuva não se concretizou, mas o dia havia começado com temperatura aceitável o suficiente para uma boa prova. Assim, cheguei na esperança de vencer meu desafio e correr abaixo de uma hora.
Domingo também foi dia de celebrar a vitória de alguns amigos. Uns, como eu, voltavam de lesões e outros superaram limites na guerra contra balança. A animação era quase tátil. A prova, mais que o desafio, era o momento de celebrar (com chave de ouro) o fechamento de mais ciclo de treinamento. Nos reunimos em meio a agradável estrutura para trocar histórias e tirar algumas fotos antes da largada. Depois cada um se colocou onde era pertinente e partiu para construir a própria história.
Larguei no pelotão amarelo, logo atrás da elite - pace entre 5' e 6' min/km - e não sofri com o velho problema das ultrapassagens. Afinal, todos estavam praticamente na mesma velocidade. Preciso registrar a importância de se respeitar o ritmo. Alguns poucos furaram o esquema e ficaram expostos as trombadas.
Durante todo o percurso a pista foi dividida por cones para delimitar a pista de ida, da pista de volta. Funcionou razoavelmente bem, pois em alguns trechos vi corredores invadindo tanto a faixa que era permitido o trânsito de carros e mais a frente usando a pista dos últimos cinco quilômetros. Como os líderes sempre são escoltados por batedores, o pessoal retornou a faixa correta no momento propício. Depois de uma célere salva de palmas aos excepcionais, retomei o foco para as passadas e terminei a primeira metade com 29'23".
Cheguei bem a metade da prova. Pensei no carb up para recompor as reservas energéticas, mas por fatalidade deixe-o cair. Nem pensei em parar para pegá-lo, seria pior tentar retomar o ritmo. Encarei como um sinal. Ironicamente pouco depois alcancei um posto de hidratação que oferecia isotônico nas primeiras mesas e água logo em seguida. Reabastecido, segui em frente.
Com sete quilômetros de prova comecei a sentir a fadiga. Compreendi o cansaço do quadríceps com movimentos mais amplos com os braços. Ajudou. Ajudou a ponto de manter o ritmo que eu vinha tocando e fechei a prova com um modesto sprint com 58'59. Apesar do curto tempo de treino e de não ter feito uma planilha específica para dez quilômetros, consegui. Termino este ciclo convicto do poder dos treinos funcionais e a certeza de que devo continuar com eles. Não senti dores musculares após a corrida, o que comprova o fortalecimento e o eficiente alongamento pós-prova.
Com a medalha no peito fui comemorar o feito com os amigos. Cada um com sua história, sua conquista. Algumas fotos depois e já estávamos pensando no próximo desafio.
Quem viver, verá!

Impressões
A estrutura montada para este ano estava impecável como nos anos anteriores. Quem estava a fim pode fazer massagem inclusive antes da prova. A fila existiu, verdade, mas vale a pena. As frutas estavam com uma boa aparência e saborosas. O isotônico gelado no final é sempre bem vindo.
Ter apenas parte da rua na largada é um antigo complicador, mas o controle de acesso às baias de ritmo possivelmente fizeram diferença.
O chip grudado no verso do número de peito foi novidade para mim. Interessante, pois reduz a chance do descarte em local indevido com o chip descartável e reduz o estresse da organização com o chip antigo, que precisamos pegar e devolver em algumas provas.

Você sorriu? Possivelmente tiraram uma foto sua

Apenas reforçando o que disse no último post, a MidiaSport (.com.br), a Fotop (.com.br) e o FocoRadical (.com.br) fotografaram o evento. As imagens podem ser adquiridas por preços razoáveis. É sempre legal guardar uma recordação.

Comentários

  1. Parabéns, amigo! ótimo retorno! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo. Este primeiro ciclo foi de redenção. Me debatido como em 2011. Agora é continuar treinando e buscar a superação.
      Valeu a força e a visita.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…