Pular para o conteúdo principal

Fruto do oportunismo

Fonte: site da revista época
Todos os finais de semana milhares de corredores saem às ruas para participar de alguma prova de corrida de rua Brasil a fora. A maioria absoluta é composta de corredores amadores, mas é possível observar um pequeno grupo de dotados. Eles correm com o pace próximo dos três minutos por quilômetro nas provas de 5k, 10k e 21k. Diamantes brutos que brigam por premiações ou por brindes que proporcionem a manutenção de seu esporte de coração. Não procurando culpados, mas tentando entender como um efetivo tão grande não gera talentos para nos representar com mais evidência nos principais eventos do mundo, trouxe algumas informações para reflexão.

Nosso melhor maratonista
Provavelmente você não ouviu falar do Ronaldo da Costa. Eu mesmo confesso que não me recordo, pois a corrida tem apenas 5 anos na minha vida e o recorde brasileiro perdura desde 1998! Pasmem. Enquanto a África gera corredores que pulverizam o recorde mundial anualmente, congelamos no tempo. Possivelmente o Wanderley Cordeiro foi quem chegou mais perto de derrubar esta marca, não fosse o maluco que lhe agarrara na maratona olímpica em 2004.

Em relação as provas de 5k, 10k e Meia-maratona
Resolvi falar destas provas como um combo, pois o recorde das três pertencem a uma mesma pessoa e realizada em uma mesma prova! O Marilson resolveu correr a prova de Udine e suas parciais representam nossos melhores tempos de 2007.

O cenário para as mulheres é ainda mais complicado
O recorde dos 5 km perdura desde 1992. Dos 10 km se mantém firme de 1993. A meia-maratona não vê ninguém tão rápida desde 1991. A maratona foi a única marca melhorada recentemente. Adriana Aparecida da Silva estabeleceu o novo recorde brasileiro em 2012 na maratona de Tóquio, quando chegou em nono lugar (ver reportagem completa aqui).

Uma pena. Um país com tantas riquezas e talentos não consegue se organizar para mostrar ao mundo sua grandiosidade. Vivemos do acaso e do amor destes heroicos esportistas, que mesmo só conseguem apoio após atingirem um nível de excelência, mesmo não tendo condições ideais para buscar bons resultados. 
Quando superaremos a síndrome do cachorro vira-latas e assumiremos nossas responsabilidades e papel frente a sociedade mundial?
Boas passadas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…