Pular para o conteúdo principal

Fruto do oportunismo

Fonte: site da revista época
Todos os finais de semana milhares de corredores saem às ruas para participar de alguma prova de corrida de rua Brasil a fora. A maioria absoluta é composta de corredores amadores, mas é possível observar um pequeno grupo de dotados. Eles correm com o pace próximo dos três minutos por quilômetro nas provas de 5k, 10k e 21k. Diamantes brutos que brigam por premiações ou por brindes que proporcionem a manutenção de seu esporte de coração. Não procurando culpados, mas tentando entender como um efetivo tão grande não gera talentos para nos representar com mais evidência nos principais eventos do mundo, trouxe algumas informações para reflexão.

Nosso melhor maratonista
Provavelmente você não ouviu falar do Ronaldo da Costa. Eu mesmo confesso que não me recordo, pois a corrida tem apenas 5 anos na minha vida e o recorde brasileiro perdura desde 1998! Pasmem. Enquanto a África gera corredores que pulverizam o recorde mundial anualmente, congelamos no tempo. Possivelmente o Wanderley Cordeiro foi quem chegou mais perto de derrubar esta marca, não fosse o maluco que lhe agarrara na maratona olímpica em 2004.

Em relação as provas de 5k, 10k e Meia-maratona
Resolvi falar destas provas como um combo, pois o recorde das três pertencem a uma mesma pessoa e realizada em uma mesma prova! O Marilson resolveu correr a prova de Udine e suas parciais representam nossos melhores tempos de 2007.

O cenário para as mulheres é ainda mais complicado
O recorde dos 5 km perdura desde 1992. Dos 10 km se mantém firme de 1993. A meia-maratona não vê ninguém tão rápida desde 1991. A maratona foi a única marca melhorada recentemente. Adriana Aparecida da Silva estabeleceu o novo recorde brasileiro em 2012 na maratona de Tóquio, quando chegou em nono lugar (ver reportagem completa aqui).

Uma pena. Um país com tantas riquezas e talentos não consegue se organizar para mostrar ao mundo sua grandiosidade. Vivemos do acaso e do amor destes heroicos esportistas, que mesmo só conseguem apoio após atingirem um nível de excelência, mesmo não tendo condições ideais para buscar bons resultados. 
Quando superaremos a síndrome do cachorro vira-latas e assumiremos nossas responsabilidades e papel frente a sociedade mundial?
Boas passadas.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…