Pular para o conteúdo principal

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.



Excelente atendimento e preço justo

Cliente satisfeito é cliente fiel a marca. Cheguei a pensar em comprar um modelo concorrente, mas a qualidade di serviço prestado me cativou a ponto de acreditar que vale a pena continuar com a Garmin. O monitor cardíaco é excelente, mas foram "apenas" dois anos para apresentar um grande problema. 
Infelizmente não tenho outras referências para criticar a durabilidade, pois o antecessor foi o Polar FS3c. Um monitor cardíaco simples e que funciona desde 2010. Troquei a bateria uma única vez até hoje, mas devido a sua simplicidade, seria comparar banana com laranja.

Se você possui um monitor com GPS de outra marca ou modelo, deixe sua opinião entre os comentários. Será interessante balizar a durabilidade destes dispositivos.

Boas passadas!

Comentários

  1. Olá, André. Eu tenho um 610 também, e antes tive um Garmin 305. Os dois tiveram seus problemas, mas eram pequenos e foram resolvidos. O 610 no início dava um problema quando ia carregar e ele já estava com carga razoável. Ele começava a descarregar ao invés de carregar (https://forums.garmin.com/showthread.php?20184-Forerunner-610-reverse-charging-not-charging), mas esse problema durou pouco tempo. Agora eu sempre lavo os contatos com água e sabão quando chego do treino e não tenho mais qualquer problema. Minha impressão sobre a Garmin é que os modelos são excelentes, mas tem seus probleminhas e não chegam a ser uma Apple. Mas fiquei muito feliz em saber que eles estão com uma boa assistência aqui no Brasil. Sempre achei que nem precisava procurar porque não tinha. abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu o retorno, Sérgio.
      A Garmin não é uma Apple no que tange a durabilidade, mas como produto é o mais completo que conheci até agora.
      Valeu a dica da limpeza. Eu normalmente uso apenas água.
      Boas passadas!

      Excluir
    2. Sem dúvida é um ótimo produto. Acho excelente. Os probleminhas em geral são resolvidos com firmware ou pesquisando na internet. Sou tão satisfeito que vou comprar um 225 agora. A cinta cardíaca começou a me dar alergia e esse faz a leitura do batimento diretamente do pulso.
      abs.

      Excluir
    3. Ainda não li sobre o FR 225. O 220 vinda sem o virtual race. Mas estou curioso para ter informações sobre o modelo.
      Se você pretende vende o seu 610, avisa lá no grupo do facebook.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…