Pular para o conteúdo principal

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.



Excelente atendimento e preço justo

Cliente satisfeito é cliente fiel a marca. Cheguei a pensar em comprar um modelo concorrente, mas a qualidade di serviço prestado me cativou a ponto de acreditar que vale a pena continuar com a Garmin. O monitor cardíaco é excelente, mas foram "apenas" dois anos para apresentar um grande problema. 
Infelizmente não tenho outras referências para criticar a durabilidade, pois o antecessor foi o Polar FS3c. Um monitor cardíaco simples e que funciona desde 2010. Troquei a bateria uma única vez até hoje, mas devido a sua simplicidade, seria comparar banana com laranja.

Se você possui um monitor com GPS de outra marca ou modelo, deixe sua opinião entre os comentários. Será interessante balizar a durabilidade destes dispositivos.

Boas passadas!

Comentários

  1. Olá, André. Eu tenho um 610 também, e antes tive um Garmin 305. Os dois tiveram seus problemas, mas eram pequenos e foram resolvidos. O 610 no início dava um problema quando ia carregar e ele já estava com carga razoável. Ele começava a descarregar ao invés de carregar (https://forums.garmin.com/showthread.php?20184-Forerunner-610-reverse-charging-not-charging), mas esse problema durou pouco tempo. Agora eu sempre lavo os contatos com água e sabão quando chego do treino e não tenho mais qualquer problema. Minha impressão sobre a Garmin é que os modelos são excelentes, mas tem seus probleminhas e não chegam a ser uma Apple. Mas fiquei muito feliz em saber que eles estão com uma boa assistência aqui no Brasil. Sempre achei que nem precisava procurar porque não tinha. abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu o retorno, Sérgio.
      A Garmin não é uma Apple no que tange a durabilidade, mas como produto é o mais completo que conheci até agora.
      Valeu a dica da limpeza. Eu normalmente uso apenas água.
      Boas passadas!

      Excluir
    2. Sem dúvida é um ótimo produto. Acho excelente. Os probleminhas em geral são resolvidos com firmware ou pesquisando na internet. Sou tão satisfeito que vou comprar um 225 agora. A cinta cardíaca começou a me dar alergia e esse faz a leitura do batimento diretamente do pulso.
      abs.

      Excluir
    3. Ainda não li sobre o FR 225. O 220 vinda sem o virtual race. Mas estou curioso para ter informações sobre o modelo.
      Se você pretende vende o seu 610, avisa lá no grupo do facebook.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…