Pular para o conteúdo principal

A importância do descanso na vida do corredor

Fonte: http://galswhorun.com/
Depois de uma prova tão empolgante e metas alcançadas, o nível de motivação nos coloca nas nuvens. A vontade de continuar se desafiando é tão grande que perigosamente negligenciamos alguns cuidados pós-prova. Falo do merecido descanso para o corpo surrado.

Respeitar a dor muscular e dar tempo para o corpo se restabelecer é pré-requisito para que o próximo ciclo de treinos seja bem sucedido. Tá, eu sei que é difícil, mas não tem jeito. Se não consegue tirar a corrida da cabeça, leia uma revista de corrida, acesse um site de corrida, leia um blog (como o meu) de corrida, veja fotos de corrida, veja a Maratona de Berlin no YouTube, mas não pratique a corrida! Estes três ou quatro dias de descanso são importantes, meu amigo corredor amador. A não ser que você disponha de massagistas ou mecanismos para acelerar a recuperação do seu corpo.

Além disso, são dias que você pode utilizar para definir sua próxima prova e planejar os treinos com ou sem um treinador. Como já disse em outros textos sou fiel a planilha, mesmo a genérica. Ela foi fruto de um estudo e atende com competência a maior parte da população.

As planilhas normalmente são dividas em três etapas: dias de ganho de resistência, de força e finalmente o polimento para você chegar com a faça nos dentes para correr sua prova-alvo. Por falar em prova-alvo decidi que a minha última prova do ano será em 6 de dezembro, daqui a 6 semanas. Com um leve ajuste na planilha avançada para 10 km acertei minha estratégia de treino.

O desafio não será simples, pois estará quente com certeza. O verão carioca é cruel, mas a meta será factível. Estou pesquisando meus resultados de anos anteriores para definir meu desafio para Etapa Verão do Circuito das Estações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…