Pular para o conteúdo principal

O que fazer com as dicas matadoras para o Desafio Boost - Adidas?

Eu na edição de 2014
O diretor técnico da UPfit Assessoria Esportiva, em entrevista para O2, passou 10 dicas para quem pretende participar da prova organizada pela Adidas.

Quisera eu ter desempenho para estar entre os 200 primeiros colocados e disputar o tiro final de 1 km, mas como este é um outro nível de corrida, contarei o que pretendo fazer, já que correrei apenas a primeira etapa de 10 km e a segunda de 5 km.

10 dicas para o Desafio Boost Endles Run

Use estas orientações para ter a energia necessária e se dar bem no Desafio Boost Endles Run

Existem provas que exigem uma atenção melhor na estratégia durante o percurso, onde qualquer erro pode fazer você “quebrar”, e aquela sensação de frustração pode derrubar qualquer corredor sem planejamento. Em provas, como o  Desafio Boost Endles Run Adidas, que oferecem um modelo diferente de competição (10 km + 5 km +1 km) com foco no desempenho, se o corredor não estiver muito bem preparado pode não chegar ao fim.

O Desafio Boost Endles Run começa com um percurso de 10 km, a ser cumprido no máximo em 1h30. Após um intervalo, acontece a largada para os 5 km. Os 300 melhores corredores – 200 homens e 100 mulheres –, qualificados por tempo, poderão concluir o desafio e disputando a última pensa do desafio com 1 km. Em São Paulo a corrida acontece no dia 13/09, na USP. E no Rio de Janeiro, no dia 18/10, no Aterro do Flamengo.
Para dar um boost na corrida, o treinador Rogério Carvalho elaborou dez dicas para que você conclua o desafio.


1. Acesse o site da organização, conheça os percursos, e se possível, tente treinar pelo menos uma vez em cada um. Em seguida, aplique a estratégia a seguir.
Sempre bom para qualquer prova. Um tempo run no local do evento é realmente algo que pode se tirar vantagem, ou ao menos se precaver contra surpresas. Porém, o Aterro já é meu velho conhecido.

2. Divida a prova dos 10 km em duas partes: 6 km/4 km, 5 km/5 km, 4 km/6 km, 7 km/3k m ou até mesmo 8 km/2 km. Corra a primeira “perna” em ritmo mais controlado, moderado. Na segunda parte, aumente a intensidade. Escolha a estratégia de divisão da prova de acordo com a sua capacidade, desempenho, experiência e treinamentos, pois essa dica é justamente para você evitar “quebrar” e ter condições de correr bem a etapa de 5 km. Não dê os seus 100% na segunda “perna” dos 10 km, pois você ainda tem 5 km pela frente.
Verdade. Sentei a bota nos 10 km e sobrou pouca força para correr o trecho de 5 km no ano passado. A verdade que minha prova alvo foi e será novamente o trecho de 10 km. Irei para os 5 km para tentar baixar os 27'51" que fiz no ano passado.


3. Nos 10 km, evite subir forte e descer forte, segure um pouco o ritmo nesse trecho. Subidas e descidas exigem muito da musculatura e desgastam demais fisiologicamente. Isso pode prejudicar o seu desempenho na prova de 5 km.
Se você está debutando no Aterro do Flamengo, vale saber que dependendo do dia você pode enfrentar um belo vento contra no trecho Glória-Botafogo, além de um leve aclive entre a enseada de Botafogo e o Aterro do Flamengo. É importante saber dosar a energia neste trecho.

4. Nos 10 km e nos 5 km, evite dar aqueles honrosos, glamorosos e heróicos “sprints finais”. Guarde essa energia extra e explosiva para ser usada na prova de 1 km.
Não se aplica a minha realidade. Vou para tentar correr os 10 km abaixo dos 55 minutos.

5. Na prova de 5 km, você já pode correr um pouco mais solto e no ritmo que está acostumado para essa distância. Só não vá tentar fazer a sua melhor marca para 5 km, pois ainda tem o grande desafio de 1 km para fechar a corrida.
Meu melhor tempo do ano para a distância até agora são 27'15". Quem viver, verá!

6. Não corra no ritmo dos outros. Faça a sua prova e ponha em prática a sua estratégia.
Fato! Evite o "efeito manada" e execute o que você planejou durante as semanas de treino. Procure no máximo um coelho para lhe ajudar na manutenção de seu ritmo, mas evite apostar corrida com outras pessoas. Você pode quebrar.

7. Ingerir carboidrato e se hidratar bem antes dos 10 km, durante os 10 km, entre os 10 km e os 5 km, e após os 5 km é imprescindível para que você tenha energia de sobra para correr cada prova, e também para acelerar a recuperação entre cada uma das etapas.
Beba e coma o que a organização oferecer. As quantidades são razoáveis e ajudarão na reposição de energia. Melhor ainda se você já desenvolveu sua estratégia de reposição energética. Se você nunca se preocupou com isso antes, vale ressaltar a importância de se reabastecer a cada 40 minutos para não assistir se desempenho se deteriorar durante a corrida, principalmente pelo calor que faz nesta época do ano.

8. Após os 10 km e os 5 km, faça alongamentos LEVES e RELAXE as pernas. Deite um pouco e eleve um pouco as pernas, apoiando em um banco, por exemplo. Isso irá favorecer a circulação sanguínea, o retorno venoso e, consequentemente, a recuperação muscular. Você pode colocar bolsa (ou saco) de gelo nos quadríceps e nas panturrilhas por 10 a 15 minutos, para acelerar a recuperação muscular. Se houver a possibilidade, faça massagem leve nas pernas, pois isso também ajuda na recuperação. Faltando de 15 a 20 minutos para a próxima prova, levante-se e comece a se reaquecer.
Tomarei coragem para entrar no tanque de gelo para acelerar minha recuperação para os 5 km.

9. Se possível, use um tênis para correr 10 km, outro para correr 5 km, e na prova de 1 km coloque novamente o tênis que correu os 10 km. Isso dará uma maior sensação de bem-estar durante cada etapa. Vista sempre meias secas, após cada prova.
Trocar o tênis é um exagero em meu universo, mas levarei um par de meias extras com certeza. Ficar descalço após os 10 km foi reconfortante no ano passado.

10. Na sexta-feira que antecede o Desafio Boost Endles Run, faça apenas treino de rodagem. Na véspera (sábado), faça um DAY-OFF. Lembre-se que é importante chegar na prova bem descansado e sem dores ou sequelas musculares.

(Fonte: Rogério Carvalho, diretor técnico da UPfit Assessoria Esportiva, de São Paulo)

Manter uma rotina de alongamento e descanso é crucial para quem começa a sonhar com distâncias maiores. O Desafio Boost é um belo ensaio para quem quer consolidar o desempenho nas 10 milhas, ou está a caminho de uma meia-maratona. No meu caso, o Desafio Boost é a consolação após um 2014 repleto de lesões e pouco descanso. Sigo animado e com meta definida para prova deste ano, espero que você também.
Boas passadas!
#boostrio


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…