Pular para o conteúdo principal

A reta final

O ano de 2015 foi um ano agitado, mas está terminando melhor do que começou. Foi um ano de franca recuperação física e mental, permitindo passar a borracha num 2014 conturbado e cheio de lesões.
Por isso tudo talvez eu tenha antecipado o final da minha temporada. O cansaço chegou e há três semanas não calço o tênis em prol de um descanso providencial. Não quero dizer que sofri um burnout, mas não está longe disso. Talvez este descanso possibilite a retomada dos treinos funcionais para 2016 ainda em dezembro. Quem sabe?
Os treinos funcionais deram muito certo em 2015. Tive um ganho de força que possivelmente foi meu pilar de sustentação para um ano sem lesões. Apesar do desconforto no joelho direito em boa parte do segundo semestre, consegui cumprir com o planejado. Agora é agendar os exames periódicos, curtir a etapa verão do Circuito das Estações num trotinho com os amigos e montar a lista de desejos para o ano que vem.

Boas passadas

Comentários

  1. Que isso André ainda temos muitas corridas até Dezembro manda ver...rsss...Que em 2016 o seu caminho seja longo de Kms a percorrer com muita saúde e sem lesões.
    Bons treinos,
    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk Boa, Jorge!
      Mas vou terminar o ano no trotinho kkk
      Que 2016 seja repleto de boas provas,conquistas e alegrias.
      Boas passadas, camarada.

      Excluir
  2. Bacana, André. Que bom, amigo!
    show de bola!
    Que 2016 seja tão bom ou melhor que 2015!
    abs
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Sérgio.
      Desejo o mesmo para você!
      Boas passadas.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…