Pular para o conteúdo principal

Da vergonha à Glória

Navegando recentemente descobri que a origem do sobrenome Silva vem dos tempos do Império Romano. Este que foi uma das maiores forças militares da humanidade denominava todos os povos que se refugiavam nas florestas (onde hoje conhecemos como Península Ibérica) como Silva. Silva que em latim significa selva, floresta, mata.

A história avançou e chegou à Vera Cruz. Muitos portugueses buscando o anonimato (não irei discutir a motivação do fato) adotaram o sobrenome Silva ao virem para o Brasil tentarem uma nova vida. Em nosso solo, o agora sobrenome Silva se estendeu aos escravos, já que a maioria perdeu suas referências após serem sequestrados no território africano.

Durante muito tempo percebi que a vergonha pesava sobre aqueles que carregavam o Silva em seus nomes. Era algo comum. Do povo, há tempos abandonado a própria sorte pelos poderosos. Mas como ouvi um dia no filme Jurassic Park, "a natureza sempre encontra um meio de prevalecer". Ela trás consigo poder para maioria. Assim era uma questão de tempo para que os Silvas se sobressaíssem a maioria.

Como a temática deste blog é o esporte, posso citar alguns que de alguma forma vi ou li sobre eles. Vou começar pelo Silva que pulou mais longe, Adhemar Ferreira da Silva. Agora eu posso citar o mais rápido de todos, Ayrton Senna da Silva, nosso eterno herói e exemplo para questões além das pistas de corrida. Deixei para falar no final de um Silva de 22 anos, que se juntou a estes mitos na última segunda, pois ele é o Silva que voou mais alto aos céus. Um Silva como muitos outros, desconhecido da maioria até alcançar a glória olímpica. Thiago Braz da Silva. Mais um brasileiro. Ele tem um dom como muitos outros (Silvas ou não) e aproveitou a chance de mudar sua vida, mostrando para este povo sofrido que tudo é possível àquele que persevera.

Sendo você um Silva, ou não, acredite que existe uma chance de você alcançar a glória. Mas tudo começa com acreditar ser possível. Não será fácil, mas com certeza gratificante. Descubra o seu Olimpo e escale-o!
Hoje aproximadamente 1 em casa 10 brasileiros é um Silva, ou tem Silva em seu nome. Eita família grande!


Boas passadas.

Comentários

  1. Os Silvas citados não realmente grandes atletas e a milhões de Silvas espalhados por aí que são verdadeiros heróis na arte de sobreviver neste país que teve um Silva como mandatário e que hoje é motivo de vergonha para os demais membros desta grande família... rsrsrsrs

    Brincadeiras a parte! Adhemar, Ayrton e Thiago são realmente grandes atletas em suas modalidades...

    Bons treinos!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…