Pular para o conteúdo principal

Semana trilegal

Em agosto do ano passado li uma matéria super interessante no site da Runners World Brasil. Ela sugeria para os “sem tempo” (como eu) um plano de treino que se dividiria em três dias da semana. Até então eu achava que fazia o suficiente para me manter em forma, mas a revista Runners World Brasil de fevereiro me mostrou que eu não estava tão longe do treino ideal. A planilha de treinamento para 10 Km apresentou uma semana com três dias de treino acompanhados de outros dois dias com musculação para fortalecimento. Foi bom ter certeza de que o caminho que está sendo trilhado é o correto. Meu desafio será arrumar tempo para musculação ou exercícios funcionais (como pular corda e subir escadas) nesta vida corrida de muito trabalho e pouco tempo livre. Talvez estas sejam a minha alternativa de curto prazo para cumprir com o reforço muscular. Mas certo mesmo seria incluir um quarto dia de treino para poder realizar mais treinos de qualidade dentro dos ciclos.

Viciados. Na coluna Oxigêno, Mário Sérgio Andrade Silva expressou sua preocupação pelo uso excessivo da tecnologia por parte dos corredores. Sabemos que o corpo fala e grita quando passamos do limite, mas os iniciantes (como eu fui) ainda não desenvolveram um feeling para não sobre carregar o corpo em demasia no momento errado e comprometer um treino ou mesmo uma prova.
Símbolo sagrado. Marcos Paulo Reis escreveu um protesto e faço coro com ele em relação a distribuição de medalhas antes da prova. A medalha precisa ser vista como uma premiação para quem completou o desafio. A lembrança de um desafio vencido com muito suor e dedicação, ao invés de uma mera recordação de uma viagem para São Paulo.
Novo de novo. É um verdadeiro dossiê sobre recuperação após esforço. A matéria fala sobre recondicionamento com treinos leves, com interrupção total da atividade, massagens, crioterapia e alongamento para recuperação dos músculos cansados de treinos e provas. Fala do que comer antes, durante e depois na recuperação da musculatura.
Leis do asfalto. A seção resolveu reunir 10 coisas que você não pode esquecer para superar seu recorde pessoal em uma prova. O primeiro item é sua playlist para lhe garantir aquele motivação extra. Depois vem a preocupação com o o piso da corrida, que se for plano e com poucos inscritos facilitará. Deixar tudo pronto na véspera para não perder o foco (a prova) por causa da correria para ir ao evento. Outro ponto importante é com relação ao clima, pois se o tempo não ajudar, esqueça, pois o calor pode ser o vilão que destruirá seus planos de melhor o recorde pessoal. Treinar nas mesmas condições a prova para que o corpo esteja preparado para o dia do evento. Ensair mentalmente a corrida, ter check points para controlar o ritmo e perseguir seu RP também é uma ótima estratégia. Treinar forte os intervalados nas semanas anteriores a prova. Isso lhe garantirá um bom ritmo para prova. O tênis também pode pesar, assim é preciso avaliá-lo para não estar sendo retardado por um tênis velho e que não lhe garante o conforto necessário.
Ótima solução para controlar os treinos.
Time de rua. Depois de adotar o RunKeeper como minha solução para registrar os treinos, espalhei a novidade com os amigos. André e Arthur foram os primeiros a usufruirem desta solução criada para smartphones. Desta forma eles poderão controlar a distância dos treinos e a evolução do pace. Ficou o alerta para a ausência de um monitor cardíaco, mas eles têm noção e em breve estarão municiados do equipamento, primordial para evolução dos treinos e para própria segurança.

Bons artigos:
Runkeeper: http://blogdoiphone.com/2011/01/runkeeper-pro-transforma-seu-iphone-em-um-personal-trainer/
Semana trilegal: http://runnersworld.abril.com.br/materias/trilegal/
Vi e gostei
Criatividade realmente é tudo. Este vídeo compara a tecnologia de dois tênis.

Comentários

  1. Olá andré, muito legal seu post e o eu curti o video! Bom início de semana!
    \o/ eee Simbora correr
    Bons Treinos
    Boas energias
    @marlipalugan
    www.marlipalugan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo retorno, Marli. Mais que escrever, gosto de discutir sobre os temas que acabo abordando!
    Em relação ao seu tênis é incrível como reagimos de forma tão diferentes aos tênis. Meu primeiro foi um Mizuno, depois comprei um Asics (o melhor até agora) e hoje treino com um Adidas (promoção no dia de resgatar o Kit da Adidas Primavera). É bem possível que eu retorno para o Asics quando este findar.
    Grande beijo e boas passadas!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…