Pular para o conteúdo principal

Li e gostei na Runners World Brasil de Janeiro - #27

Gosto muito blog Correria, do Sérgio Xavier Filho e muito da Carta ao Leitor da revista de janeiro. Sua percepção sempre otimista dos eventos e pessoas é muito bem vinda neste mundo de poucas notícias boas e interessantes. 
A matéria Múltipla escolha é muito boa para quem adora competir. O autor diz que traçar objetivos é muito importante para não nos desmotivarmos, mas quando a vida nos pregar uma peça e não for possível cumprir com o planejado é muito importante estar preparado para reavaliar nossos resultados.
Alerta vermelho, de Beth Dreher, é uma matéria que passa dicas interessantes para se treinar no calor. Fala sobre o melhor horário para a prática da corrida, hidratação, filtro solar, as horas de descanso, além de tratar de assuntos desconfortáveis como cãibras, exaustão e hipertemia por causa deste caldeirão que se tornou o nosso verão. De todos as hipóteses, três me chamaram a atenção: o calor, horas de sono e a sensibilidade alérgica.
O calor. É um fator que podemos contornar com treinos no início da manhã, ou após o anoitecer. Mas se você precisa se adaptar a alta temperatura para correr uma prova, a recomendação foi aumentar gradativamente o tempo e o esforço dos treinos no horário do calor. Ainda não é o meu caso.
Noite de sono. O recomendado é para a maioria são oito horas de sono e o maior desafio neste mundo moderno é conseguir estas horas. Seja pelo trabalho, pelos estudos, ou pelo filho pequeno que ainda não dorme a noite inteira. O tempo que damos para o corpo se recuperar é determinante para nosso desempenho. Enfim, durma mais para correr melhor.
Alergia. Espero que você não seja alérgico, ou tenha problemas com asma ou bronquite. Nós alérgicos já começamos o jogo perdendo. As alergias respiratórios comprometem sua capacidade de oxigenar o corpo, logo os músculos. Com menos oxigênio, menos energia. Com menos energia, menor desempenho, além de termos que aturar cãibras, dolores musculares e assistir a fadiga nos tomar mais rapidamente. Eu, depois de meia vida, identifiquei alguns alimentos que funcionavam como gatilhos para minha crise, além da poeira, cheiro forte e exposição a alternâncias bruscas de temperatura. Espero que você também consiga identificar e isolar os catalizadores de suas crises.
A coluna Oxigênio do Mário Sérgio Andrade Silva veio este mês com o título Desacelere. Ela fala sobre a dificuldade para se manter um ritmo de treino, pois a vida sempre nos impõe imprevistos que nos impedem de manter a intensidade e frequência dos treinos. Nada de novo, pois este foi o cerne dos últimos meses neste blog. O alerta é para diminuir e não parar de treinar. Muitas vezes a motivação cai, pois sabemos que com os treinos comprometidos, as metas e superação de marcas não ocorrerá e o desânimo muitas vezes fala mais alto e sonegamos os treinos. Mas sonegar aos treinos é também abrir mão de um patamar de saúde e disposição. Como já alertei muitas vezes, correr é acima de tudo ganho de equilíbrio físico e mental para vencer o desafio de nosso dia a dia. Nunca desista de sua saúde e não se esqueça que você (se for como eu) não vive para correr, mas corre para viver bem.
A coluna Sem pressa do Antonio Patra veio com uma boa dose de bom humor. Ele adianta um assunto interessante para esta época do ano: o vestuário para o inverno. Ele expõe a extinção do velho moletom e a chegada dos tecidos sintéticos, leves e com alta eficiência no que se refere a espantar o frio. É um assunto que merece mais atenção e pretendo falar mais no futuro.
Menos é mais?, assinada por Bob Parks, talvez esteja antevendo o futuro do mundo dos calçados. Esta reportagem fala sobre estudos na área da fisiologia do corredor, sugerindo que os tênis com amortecimento tem participação nas lesões. O excesso de amortecimento afeta a forma como se pisa, fazendo com que o esforço sobre o calcanhar seja acima do normal. A reportagem explica detalhadamente essa coisa toda, a importância da técnica para o corredor e o surgimento de um novo tênis chamado minimalista. Muito mais fino que os tradicionais, com menos amortecimento e mais leves. Quem usou conseguiu melhorar o desempenho nas provas, mas fica o alerta: mudar drasticamente sua forma de pisar não fácil e se feita sem orientação pode promover lesões por estresse. Vale a leitura da matérias antes de cair na tentação ou neste modismo.
Para terminar, preciso falar sobre a matéria O ritmo da discórdia. A RW promoveu um debate entre dois especialistas sobre a utilização da música nos treinos e provas. Um contra e outro a favor da utilização da música. Depois de ler e refletir uma frase me veio a cabeça para expressar meu sentimento: use com moderação. A música faz diferença dos treinos de baixa e média intensidade, diminuindo a sensação de fadiga e uma possível monotonia nos mais novos. A questão é tão contundente que a matéria foi aberta ao público que acompanha a revista na Internet. Veja em http://runnersworld.abril.com.br/materias/discordia/.
Vi e gostei

Comentários

  1. Olá André, gostei muito do seu post.
    Bons treinos,
    Boas energias,
    Simbora
    @marlipalugan
    www.marlipalugan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, Marli. Adoro seus posts também.
    Boas passadas :-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…