Pular para o conteúdo principal

Você é o que você faz, o que você pensa

O maior desafio de quem quer começar a correr, ou está tentando retornar por causa de uma lesão, falta de tempo, ou qualquer outra adversidade, é o foco. Ou melhor, a falta dele.
O foco é o que contrói nosso cotidiano. É algo que pensamos, que avaliamos, que praticamos. É o nos faz estabelecer inclusive uma nova rotina. É ele que nos impulsiona a mudar hábitos, mudar o nosso modus operandi. É ele que nos faz criar um espaço em nosso parco tempo para algo novo, como a corrida, mesmo não tendo muita informação sobre o assunto. É ele que nos faz encontrar energia para retomar esta atividade e largar o ostracismo. É ele que nos encoraja a quebrar paradigmas, ou vencer o preconceito sob um universo que não dominamos. 

O Marcos Caetano em sua coluna na Revista O2 foi um exemplo oportuno na edição de dezembro passado. Seu preconceito com as esteiras foi vencido em decorrência da necessidade. Ele não tinha tempo para os treinos na rua e seu desejo de correr, seu foco na atividade, fez com que submetesse a rotina de treinos em esteiras. Afinal, o objetivo era correr. Correr, seja na esteira ou nas ruas, parques e trilhas, é um poderoso instrumento em pró de nosso bem estar e neste é que deve estar o foco. 
É o foco que nos faz permanecer antenados a rotina de treinos e não esmorecer, ou ser seduzido pela preguiça. Existem inúmeras maneiras de se manter o foco. A seguir algumas das que eu pratico: manter a leitura de revistas e sites especializados. Acompanhar o blog de alguns amigos e conhecidos. Escrever meu próprio blog. Enfim, rejuvenescer o interesse é fundamental para se estabelecer um rotina em nossas vida. Sem esta dedicação, possivelmente correr será mais uma atividade a ficar pelo caminho em sua vida.
Falarei um pouco da Revista O2. Suas edições mensais trazem boas histórias e dificilmente você não se identificará com alguma. Vez outra eu esbarro em uma história que poderia ser a minha. Que me anima a continuar. Que me ensina a seguir em frente. Que vale a pena.
A edição de dezembro passado trouxe a história da gaúcha Geny que por mais de 20 anos foi top 10 do ranking feminino de maratonas brasileiro entre os anos 80 e 90. A história de uma mulher que aos 57 anos fez os 10K em 46 minutos. EU AINDA SONHO com esta marca! Mas tenho outras boas histórias. A primeira sobre um cara que após chegar a 152 kg, teve coragem para mudar de vida e pouco tempo depois corria os 5K para fantásticos 19'25" e os 10K para 38'15". Uma segunda história de superação de lesões para correr sua primeira maratona na europa.
O Nuno Cobra ainda trouxe uma boa notícia para aqueles que buscam motivação para voltar. O que um dia se fez, o corpo não esquece. Tenha se passado um mês, ou um ano, depois de alguns treinos tudo volta ao que era. Basta um pouco de foco. Faço da minha experiência o exemplo. Há três semanas retomei os treinos e na primeira semana não cheguei aos 23 Km de treinos. Na segunda já eram quase 25 Km e a terceira já ultrapassava os 26 Km. Obviamente em decorrência do gradativo aumento de minha resistência. 
O foco também é responsável pela qualidade dos treinos. O foco garante também o desenvolvimento o técnico, que nos garante a segurança para praticar a corrida de forma adequada e saudável. A bursite que me assolou surgiu em decorrência de corpo e mente desgastados, conseqüência de um ritmo de treinos incompatível com a jornada de trabalho e pouco descanso. Até no bom senso o foco pode colaborar para definir limites e intensidade para os treinos.
Enfim, se você queria um motivo para voltar, já o tem. Se quer um motivo para começar, também.
Uma nova aba. Achei que manter apenas meu histórico não seria de muito útil. Assim, listei algumas provas que considero interessantes de se correr aqui no Rio de Janeiro. Quem quiser e puder contribuir, comente.
Boas passadas!

Comentários

  1. Olá André!
    Mais um ótimo post, amigo! Foco é tudo mesmo, e estou tentando fazer isso nesse início de ano, tratando minha lesão nos joelhos para poder correr o mais breve possível!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo elogio, Thiago.
      Fico muitíssimo grato por saber que contribuo de alguma forma. Estimo sua melhora para he retorne saudável a prática deste maravilhoso esporte.
      Aba
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…