Pular para o conteúdo principal

2200 Km depois...

2200 Km foram alcançados em um longão no último sabado. Verdade que meu longão atualmente não é tão longo, pois mal chegou a 10 Km, mas o que vale é poder correr. Correr sem receios ou ressalvas. A lesão foi superada. Repare que eu não disse curada, pois bursite é efeito colateral da má postura na corrida. Esta sim pode ser considerada a causa da lesão.
Comemoro 2200 Km de corrida, pois há dois anos eu não topava nem passear no Shopping com minha esposa. Eu odiava andar. Era desconfortável, cansativo. Ao dar uma simples volta no primeiro andar do Plaza era o suficiente para eu dar um jeito de levar a caminhada para praça de alimentação. O coisa era complicada. Assim, quero compartilhar minha experiência do último sábado para apresentar a orla de Niterói à vocês e antes deste post terminar, fazer uma homenagem a quem luta para este esporte democrático crescer na linda Niterói.


O longão. Com o fim do horário de verão, às sete da manhã já tínhamos o sol brilhando em um céu sem nuvens e a temperatura em torno de 24 graus. Zeloso, passei filtro solar na carinha que a minha querida esposa tanto gosta (para não tomar um puxão na orelha ao retornar de cara vermelha) antes de sair para o treino. Água na cintura e vamos para rua. Depois de cinco minutos de trote, eu iniciara o meu primeiro longão em meses. Seriam cinquenta minutos sem parar. O primeiro quilômetro foi fácil, bom para pegar ritmo antes de chegar a Estrada Fróes. Aquela singela subida engana muita gente, pois apesar da leve inclinação são quase 800 metros subindo. Ao final da subida, fui presenteado com uma vista incomparável da orla de São Francisco e Charitas. A descida em direção ao túnel é um pouco mais inclinada, trecho que na volta exige um bocado da mente no final do treino. Segui correndo até o final da orla de São Francisco, vencendo sua reta de quase um quilômetro com facilidade. Aquela reta nos convida a aumentar o ritmo, mas antes que eu pudesse cometer tal asneira o Runkeeper avisou que era hora de retornar. Já havia alcançado meia hora de corrida e estava tudo bem. Um carbup gel e um gole d'agua e voltar para Icaraí. A Fróes no sentido contrário é ainda mais bonita e a última curva nos presenteia com uma paisagem que mescla Icaraí e o Rio ao fundo. Com direito ao Pão de Açúcar, Corcovado e ao MAC. Próximo do final do treino, desci a Fróes como em um sprint final de corrida. Talvez contagiado pela beleza, talvez animado por ter corrido 50 minutos sem sufoco, ou principalmente por perceber que o quadril estava curado.
Fechar os percurso com um pace de 5'53" foi um alento, fato que me trouxe ânimo para os treinos de velocidade da desta semana. Em ritmo forte, porém intervalado, já consigo correr 800 m com pace em 5'00". Para os 10K ainda falta condicionamento para manter esta batida, mas recuperei a alegria para participar das provas. Dia 25 estarei no Aterro do Flamengo para correr a Athenas 10K.


Circuito Athenas. Muita gente pergunta o motivo de se pagar para correr no Aterro do Flamengo, se normalmente pode-se fazê-lo de graça e a chance de vencer a prova é nenhuma. Prometo não me estender:
1. Correr a prova é a primeira vitória, pois significa que você conquistou a base de muito suor, dedicação e jogo de cintura um condicionamento para correr.
2. A medalha é um fetiche que lhe trará lembranças destes dias e ninguém poderá lhe tirar isso.
3. Assim como o Maracanã está para o futebol, o Aterro do Flamengo está para a corrida de rua.
4. Quem corre, vive mais (e com qualidade)


É preciso divulgar. Há tempos lamento que uma cidade com uma orla como Niterói não tenha um evento trimestral de qualidade, aos moldes de outros muitos que ocorrem no Aterro do Flamengo. Temos bons treinadores, uma paisagem linda, mas ainda carecemos de organização, ou disposição para implantar um circuito com medidas convencionais. Carecemos também de maior divulgação dos eventos, pois a Pique Unimed se tivemos mais de mil participantes foi muito. A Corrida do Comércio não largaram quinhentos corredores ou caminhantes. Minha reflexão se faz pelo aspecto sustentável do evento. Com tão pouca gente fica difícil acreditar que alguém colocaria um centavo novamente em um evento desses, mesmo que seja apenas para exposição da marca.
Assim, vamos a minha contribuição com este post. Ao que parece, todos os eventos esportivos da cidade passam pela Secretaria Municipal de Esportes (www.esportesniteroi.com.br) e muito possivelmente pelos sites das assessorias da cidade. Assim faço deste espaço um veículo para promover quem faz da corrida um esporte, ou um meio de oferecer qualidade de vida a população. 
Divulguem. Compartilhem este post, o site da Secretaria de Esportes e os sites das assessorias. Ter eventos em nossa seria motivo de mais orgulho, já que respiramos o esporte há tempos. Niterói é um veleiro de talentos e ratificar esta condição agrega ainda mais valores para a nossa nova geração que verá o exemplo ao vivo, no cotidiano. Espero que a ponto de achar normal, que a vida sem o esporte não fará sentido.

2200 Km. Entrei no estado de Pernambuco!
Cheguei a Pernambuco, minha terra natal. Apesar meus pais serem do Rio, o destino quis que eu nascesse em Recife. Foram bons anos no que foi um genuíno paraíso com praias de beleza ímpar. Confesso que vir para o Rio foi um baque, mas a sabedoria de meus pais em se acolherem em Niterói foi crucial para não perdermos o estilo de vida tranqüilo que existia em Recife em minha infância. Niterói é realmente um território diferente aqui no sudeste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…