Pular para o conteúdo principal

2200 Km depois...

2200 Km foram alcançados em um longão no último sabado. Verdade que meu longão atualmente não é tão longo, pois mal chegou a 10 Km, mas o que vale é poder correr. Correr sem receios ou ressalvas. A lesão foi superada. Repare que eu não disse curada, pois bursite é efeito colateral da má postura na corrida. Esta sim pode ser considerada a causa da lesão.
Comemoro 2200 Km de corrida, pois há dois anos eu não topava nem passear no Shopping com minha esposa. Eu odiava andar. Era desconfortável, cansativo. Ao dar uma simples volta no primeiro andar do Plaza era o suficiente para eu dar um jeito de levar a caminhada para praça de alimentação. O coisa era complicada. Assim, quero compartilhar minha experiência do último sábado para apresentar a orla de Niterói à vocês e antes deste post terminar, fazer uma homenagem a quem luta para este esporte democrático crescer na linda Niterói.


O longão. Com o fim do horário de verão, às sete da manhã já tínhamos o sol brilhando em um céu sem nuvens e a temperatura em torno de 24 graus. Zeloso, passei filtro solar na carinha que a minha querida esposa tanto gosta (para não tomar um puxão na orelha ao retornar de cara vermelha) antes de sair para o treino. Água na cintura e vamos para rua. Depois de cinco minutos de trote, eu iniciara o meu primeiro longão em meses. Seriam cinquenta minutos sem parar. O primeiro quilômetro foi fácil, bom para pegar ritmo antes de chegar a Estrada Fróes. Aquela singela subida engana muita gente, pois apesar da leve inclinação são quase 800 metros subindo. Ao final da subida, fui presenteado com uma vista incomparável da orla de São Francisco e Charitas. A descida em direção ao túnel é um pouco mais inclinada, trecho que na volta exige um bocado da mente no final do treino. Segui correndo até o final da orla de São Francisco, vencendo sua reta de quase um quilômetro com facilidade. Aquela reta nos convida a aumentar o ritmo, mas antes que eu pudesse cometer tal asneira o Runkeeper avisou que era hora de retornar. Já havia alcançado meia hora de corrida e estava tudo bem. Um carbup gel e um gole d'agua e voltar para Icaraí. A Fróes no sentido contrário é ainda mais bonita e a última curva nos presenteia com uma paisagem que mescla Icaraí e o Rio ao fundo. Com direito ao Pão de Açúcar, Corcovado e ao MAC. Próximo do final do treino, desci a Fróes como em um sprint final de corrida. Talvez contagiado pela beleza, talvez animado por ter corrido 50 minutos sem sufoco, ou principalmente por perceber que o quadril estava curado.
Fechar os percurso com um pace de 5'53" foi um alento, fato que me trouxe ânimo para os treinos de velocidade da desta semana. Em ritmo forte, porém intervalado, já consigo correr 800 m com pace em 5'00". Para os 10K ainda falta condicionamento para manter esta batida, mas recuperei a alegria para participar das provas. Dia 25 estarei no Aterro do Flamengo para correr a Athenas 10K.


Circuito Athenas. Muita gente pergunta o motivo de se pagar para correr no Aterro do Flamengo, se normalmente pode-se fazê-lo de graça e a chance de vencer a prova é nenhuma. Prometo não me estender:
1. Correr a prova é a primeira vitória, pois significa que você conquistou a base de muito suor, dedicação e jogo de cintura um condicionamento para correr.
2. A medalha é um fetiche que lhe trará lembranças destes dias e ninguém poderá lhe tirar isso.
3. Assim como o Maracanã está para o futebol, o Aterro do Flamengo está para a corrida de rua.
4. Quem corre, vive mais (e com qualidade)


É preciso divulgar. Há tempos lamento que uma cidade com uma orla como Niterói não tenha um evento trimestral de qualidade, aos moldes de outros muitos que ocorrem no Aterro do Flamengo. Temos bons treinadores, uma paisagem linda, mas ainda carecemos de organização, ou disposição para implantar um circuito com medidas convencionais. Carecemos também de maior divulgação dos eventos, pois a Pique Unimed se tivemos mais de mil participantes foi muito. A Corrida do Comércio não largaram quinhentos corredores ou caminhantes. Minha reflexão se faz pelo aspecto sustentável do evento. Com tão pouca gente fica difícil acreditar que alguém colocaria um centavo novamente em um evento desses, mesmo que seja apenas para exposição da marca.
Assim, vamos a minha contribuição com este post. Ao que parece, todos os eventos esportivos da cidade passam pela Secretaria Municipal de Esportes (www.esportesniteroi.com.br) e muito possivelmente pelos sites das assessorias da cidade. Assim faço deste espaço um veículo para promover quem faz da corrida um esporte, ou um meio de oferecer qualidade de vida a população. 
Divulguem. Compartilhem este post, o site da Secretaria de Esportes e os sites das assessorias. Ter eventos em nossa seria motivo de mais orgulho, já que respiramos o esporte há tempos. Niterói é um veleiro de talentos e ratificar esta condição agrega ainda mais valores para a nossa nova geração que verá o exemplo ao vivo, no cotidiano. Espero que a ponto de achar normal, que a vida sem o esporte não fará sentido.

2200 Km. Entrei no estado de Pernambuco!
Cheguei a Pernambuco, minha terra natal. Apesar meus pais serem do Rio, o destino quis que eu nascesse em Recife. Foram bons anos no que foi um genuíno paraíso com praias de beleza ímpar. Confesso que vir para o Rio foi um baque, mas a sabedoria de meus pais em se acolherem em Niterói foi crucial para não perdermos o estilo de vida tranqüilo que existia em Recife em minha infância. Niterói é realmente um território diferente aqui no sudeste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…