Pular para o conteúdo principal

A musculação e a corrida

Nas últimas semanas a carga de treinos têm subido vagarosamente e meu condicionamento junto com ela. O volume semanal que iniciara com poucos mais de 23 Km, hoje beira os 30 Km. Nada absurdo, pois foi um aumento gradual e sem abusos. Apesar do cuidado, eu sentia um leve desconforto irradiar do quadril. Era a bursite me dando bom dia e me lembrando do reforço muscular recomendado pelo ortopedista. Se pretendo continuar correndo com qualidade, eu tenho que dar um jeito de incluir a musculação na agenda semanal.
Como não imagino uma vida saudável sem corrida (ainda mais de rua), fiz a inscrição em uma academia. Descobri que estou mais baixo e mais pesado do que pensava. Assim, não tenho mais 1,98m. Depois de três aferições eu agora tenho 1,94m. Conversando com um dos professores sobre o resultado, ele me disse que a avaliação no final do dia tende a apresentar alterações. Quanto ao peso, veio o susto: foram marcados 96 Kg naquela balança mequetrefe. Confesso que esperava estar aos menos 2 Kg mais magro. O índice de gordura corporal ficou em 18% e o IMC beirando 26 pontos. Muito alto para quem convivia com ele perto de 23. Lembrarei destes números nas próximas festas de final de ano. Transcrevendo meu camarada e blogueiro Fábio (visitem http://42afrente.blogspot.com/), tenho que "queimar o bacon".
Ter esta avaliação é interessante para comparação futura do esforço, desempenho ou simplesmente do que temos colocado no prato como fonte de energia. Outro item que será colocado a prova é o tempo de recuperação. Com uma agenda semanal com mais atividades, as horas de sono serão cruciais para um desenvolvimento físico mental adequado. Minha capacidade de organização vai ser posta a prova para eu não desenvolver um quadro de overtraining e conciliar família, trabalho e esporte.
Musculação. Ficou definida para as primeiras semanas uma série para adaptação. O objetivo é informar ao corpo sobre os novos estímulos. Depois virão os exercícios com carga maior. Com esta linha de trabalho, recomendada inclusive na última RW, possivelmente chegarei melhor condicionado no inverno, onde estão minhas provas alvo.
Escadas. Com esta agenda complicada que tenho, ao menos o interesse em fazer os treinos em escadas parece ter retornado. Eu preciso ir à musculação ao menos duas vezes na semana. Três seria um sonho, porém distante. Nos dias que eu furar a academia vou me obrigar a fazer algumas séries nas escadas aqui do condomínio. É o jeito...
Ainda falando da musculação, vai uma informação interessante da matéria divulgada pelo Iberê na coluna SENTA A BOTA. De forma muito simples o Iberê divide os grupamentos musculares que usamos para correr em dois: o de resistência e o de força. O primeiro obviamente muito solicitado para exercícios prolongados e o segundo para as atividades de explosão. Porém estudos comprovaram que as fibras musculares de força também são exigidas nas corridas de longa distância, quando os grupos musculares de resistência apresentam sinais de fadiga. Em teste controlado, ficou provado que realizar séries de força na musculação (poucas repetições e muito peso) trazem melhores resultados que simplesmente correr, ou realizar as séries convencionalmente conhecidas com muitas repetições e pouco peso. Assim, além de evitar lesões ainda posso ganhar velocidade para minhas passadas.
Coração. Continuando a reflexão sobre limite saudável para nossos corações, a RW fala sobre a importância de se alimentar em pequenos intervalos. Esta rotina ajuda a manter o metabolismo acelerado, mantendo o coração funcionando em uma freqüência razoável e de quebra auxilia na queima de gordura. Logo, comer emagrece, mas apenas se o que escolher para e quando comer forem adequados. Por exemplo, eu particularmente tenho dificuldades para carregar frutas, ótimas opções para o meio da manhã e para o lanche da tarde. Assim, optei pelo damasco seco e pelo grão de soja salgado e torrado. Eventualme arrumo um biscoito integral. Se você já entrou na casa dos trinta, esta estratégia é muito importante, visto que se metabolismo já começou a desacelerar.
Por fim, a matéria que havia chamado a atenção na capa da RW. Cerveja compromete o desempenho de um corredor? Responderei esta pergunta com outra pergunta: alguém sai para tomar um, ou dous chopinhos com os amigos? Se sua resposta for sim, você gostará do que vai ler. Se sua resposta for não, você precisa saber o que acontece consigo quando resolver correr transpirando a cerca rua a fora.
Circuito Athenas 10K. Depois de oito meses, voltarei a correr uma prova oficial. Tô pilhado novamente!
Boas passadas!

Comentários

  1. Então vamos junto queimar todo o Bancon... rsrsrsrsrsrs

    Abs

    Fábio
    www.42afrente@blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…