Pular para o conteúdo principal

Circuito Athenas/12: inesquecível recomeço

Começarei esta narrativa na semana que antecede a prova, pois esta é motivo de muita festa para mim. Assim, não quero perder nenhum detalhe no futuro quando reler estes escritos.
Depois de praticamente oito meses longe de uma competição, aquele friozinho na barriga deu o ar da graça. Era o desejo de fechar com chave de ouro um longo ciclo de dores, repouso forçado e treinos. As dez semanas de treino foram realizadas sem contra-tempos e parte do condicionamento foi recuperado. Não vou para tentar superar meu recorde pessoal, mas para celebrar a continuidade de um jeito novo de viver. Se der para fazer um bom tempo, ótimo. Caso contrário, me daria por satisfeito por simplesmente poder correr.
Finalmente chegamos a semana da prova. Chegou a hora do primeiro teste do ano. O treino que fiz na segunda teve 42 minutos de duração e consegui manter o ritmo abaixo dos 6 minutos. O mesmo ocorreu no treino de quarta-feira, que inclusive fiz sem o monitor cardíaco. Ainda no aquecimento eu fiquei receoso e pensei em retornar para buscá-lo, mas achei rapidamente descartei esta hipótese. Como se tratava do último treino antes da prova, achei que deveria correr no ritmo que fosse confortável. A tranquilidade veio ao verificar o resultado. Eu havia feito o treino no mesmo ritmo da segunda-feira, mesmo sem o Polar como apoio.
A prova foi mais que um reencontro com a corrida. Foi um reencontro com vários amigos. Minha amiga Marta retomou as corridas após longo tempo sem frequentar o Aterro do Flamengo. Diego, depois de triunfante prova de 5 Km há duas semanas retornou ao Aterro para mais corrida. Além deles, o Lindemberg, o Sérgio e o Leandro completaram o nostálgico pelotão. O Lindemberg tomou gosto pela coisa e corre para alcançar 40 minutos. Incrível o que ele conseguiu a base de tanta dedicação. O Sérgio também retorna de lesão e veio com certeza para matar a saudade. O Leandro também. Fazia tempo que não corria uma prova. Porém, foi um dia esquisito, pois ninguém iria correr com o mesmo objetivo. Uns rápidos demais para acompanhar e outros um pouco mais lentos, o que colocaria meu teste a prova. Acabei largando sozinho pensando em manter o pace em 5'40".
A prova. Outro dia (jeito de dizer) eu li em uma RW a narrativa de um corredor na Maratona de Nova Iorque. Achei tão legal que resolvi fazer o meu registro dos meus 10 Km. Meio doido, mas achei divertido de fazer.
Smartphone na mão. Ligar, vira página, achei o Runkeeper, aperta. Configurar. Distância: 10 Km. Audio cues: 4 minutes. Set intervals: time + average pace. Salta, salta, salta. Corre! De novo, mais três vezes. Bora para largada. 

Muita gente. O jeito é esperar aqui. O GPS! Caramba. Tomara que dê tempo. Ai! Deram a largada. Bora Runkeeper!!! O jeito é esperar. Aqui eu não atrapalho ninguém. Finalmente! Polar ligado. 5, 4, 3, 2, 1, vamos lá! Segura, segura. É o de sempre. Todo mundo empolgado. Tem gente para 5K aqui. Desvia, desvia. PASSANDO! Que confusão. Será que um dia me acostumarei a isso? Concentra. "Time, four minutes. Average pace, 5'16". Muito rápido. Era para ser 5'40". O que está havendo? Deve ser a temperatura. Tá bom para correr. Respira, respira. 135 bpm. Bom começo.
Água, mas já? Eita, que confusão. Desvia! Desvia! Putz. Mal ae. Peguei. Beleza. Bebe. Joga na cabeça. Vamos nessa. Respira. Atenção na técnica. Trabalha os braços. Alonga a passada. "Time, 8 minutes. Average pace 5'20". Estou muito rápido. Será que dá? Respira. Respira.
Que reta. Tenho que vir um dia jogar basquete nestas quadras. Finep. Eita, o céu tá clareando. Vai ficar quente. Curvão da Glória. Beleza, mais água. Bora, bora, bora. Refresca. Dois goles. Refresca. Guarda o outro copo para o gel. 156 bpm. Tá alto. O final vai ser brabo. Concentra.
Edifício Argentina. O retorno tá aqui? O que será que aprontaram para ter 10 Km? Opa! Chegamos na metade com 27' baixo. Hunf! Abusei. Concentra. Agora falta menos da metade.
"Time, 32 minutes. Average pace: 5'23". Relaxa, abaixo de 1 hora tá garantido e ainda tem o sol. Hora do gel. Tomara que dê um levante. Ainda bem que guardei a água. Joga um pouco na cabeça.
Para onde foram as nuvens? Que sol é este? Ufa! Mais água. O de sempre. Hidrata e refresca. Vamos que vamos. 168 bpm. Respira. Alonga a passada. Use os braços. Agora não vale a pena parar.
Faltam 3 Km. Bom dia, lactato. Só mais vinte minutos e prometo que paro. Calor. Não tem sombra. Finep. Depois da reta acaba. "Time: 44 minutes. Average pace: 5'26". Respira. Falta pouco. O último posto de hidratação. Vamos nessa. Que beleza. Tá gelada! Menos de 2 Km para acabar. Olha lá as barracas. Não!!! O retorno fica lá no MAM. Tchau chegada. Até daqui a pouco. 
Respira. Mais cinco minutos. Eita. Ela tá passando mal! Tá acabando. Hum... igual o percurso da Vênus. Ufa, acabou. 57'01".
Esse tempo estava longe, mas muito longe do meu recorde pessoal, mas nem por isso era motivo para lamentar. Depois de cumprimentar os amigos e ver que todos chegaram bem, eu só queria voltar para casa, tomar um bom banho e abraçar minha esposa e o rebento. Estava tão animado que no almoço abri um pequeno espumante para comemorar esta vitória. Eu voltei a correr e isso é o que importa.


Boas passadas!

Comentários

  1. Cara, fiquei cansado só de ler a narrativa dos 10k, o engraçado é que os pensamentos são quase os mesmos... :-)
    Abraços e até a próxima.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelos 40' baixo! Você tá voando, meu amigo. Conseguiu ficar nos Top 300?

      Excluir
  2. André,
    o post ficou fantástico! a ideia do relato das sensações foi bem legal! pena que dessa vez não deu para corrermos juntos... mas mais importante foi todos termos corrido bem e atingir os objetivos propostos, apesar do calor.
    "Tamos" de volta, amigo!
    grande abraço,
    Sergio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu amigo. Sua opinião tem peso e é legal saber que mesmos os veteranos tiram proveito destas humildes anotações :-)
      Mas é uma questão de tempo para as coisas se convergirem. Daqui a 8 semanas teremos a Corrida da Ponte. Que tal um pace de 6min/km?
      Parabéns pelo retorno e boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…