Pular para o conteúdo principal

Corre melhor quem respira pela boca

As últimas duas semanas o pouco tempo livre que tive serviu para a preparação da Corrida da Ponte e para a leitura. O texto que me chamou mais atenção nestes dias estava na Runners de abril (edição 43). Parece óbvio que respirar pela boca vai fornecer mais oxigênio aos pulmões, mais vai de encontro ao que aprendi desde de garoto, quando minha avó falava para fechar a boca e respirar direito. Ao mesmo tempo, me lembrei dos anos de natação em que instintivamente respirava pela boca em busca de energia para as braçadas. Como disse, parece óbvio, mas passo despercebida esta alternativa técnica para captar mais "combustível" para correr. Nas próximas semanas trarei minhas impressões desta técnica.

DIÁRIO DE UMA MEIA MARATONA, CAPÍTULO 7
Os dias que vêem após uma prova normalmente são preenchidos por uma fadiga muscular, mas desta vez até que a recuperação foi rápida. O treina da quarta, o primeiro depois da corrida, foi leve e sem complicações. Confesso que não me prendi rigorosamente ao Polar para delimitar meu ritmo. A freqüência cardíaca média ficou levemente acima do limite da zona, mas era um ritmo que eu conseguia praticar com conforto.
Sábado não foi diferente. Uma hora para soltar a musculatura e manter o fôlego para oa última parte do ciclo de treinos para a Asics Golden Four.


MUSCULAÇÃO E TREINOS NA ESCADAS
É um fato incontestável que o reforço muscular conciliado com exercícios educativos aceleraram minha recuperação. A Corrida da Ponte me mostrou que o corpo estava forte, porém me faltava fôlego! A evidência para esta conclusão estava no Polar. Minha FC média ficou em 93%! Eu queria acelerar, mas não tinha mais combustível. Os músculos ardiam carentes de energia. O corpo se mexi a base da vontade, literalmente.

Assim, manterei os treinos na escada e a musculação junto com as corrida. O desafio será descansar para conseguir cumprir com esta missão.

SUPERAQUECIMENTO
Há alguns anos esta era uma cena não muito rara nas corridas de Fórmula 1. É certo que uma infinidade de motivos podem levar o carro a não aguentar com a missão a ele atribuída e o mesmo pode ser dito ao corredor.
Aproveitando que estamos às vésperas da Corrida da Ponte 2011, gostaria de dividir com vocês uma opinião sobre superaquecimento. Faz algum tempo que venho pesquisando sobre o impacto do calor em nosso desempenho e percebi que existe bastante material sobre o assunto.
O interesse veio por causa de um hábito que carrego desde que comecei a treinar na rua. Eu sempre levei uma garrafa com meio litro d'agua e a cada 15 minutos bebo um tanto e jogo outro na cabeça para manter a sensação de conforto durante a atividade. Mas eu vejo que a maioria ignora tal prática e é algo que me deixou encucado.

Muita gente acha que o superaquecimento só ocorre por causa dos dias ensolarados e com temperatura alta. Errado! A temperatura alta não é o único responsável pela queda de desempenho ou mal esta em um corredor. Não se hidratar ou se refrescar durante os treinos pode afetar a musculatura e aumentar a freqüência cardíaca, em detrimento da desidratação e da concentração de lactato. Também compromete a recuperação do corpo após treino nestas condições. Em situações extremas pode-se alcançar a hipertermia ou insolação, responsáveis por grande mal estar ou mesmo levar a morte por danos nos órgãos internos. Literalmente, a pessoal começa a cozinhar por dentro quando sua temperatura corpórea alcança os 40 graus.
Se você está se perguntando o motivo pelo qual toquei neste assunto, pergunte a alguém o que foi correr a provas no verão, ou em temperaturas superiores a 30 graus. É preciso prudência para que a atividade física continue proporcionando prazer e saúde.

PIT STOP
As dores que eu vinha sentindo na canela me fizeram refletir sobre os motivos que provocaram este temeroso quadro. Preocupado com a forma de execução do exercício, acabei esquecendo do básico. O Asics Cumulus alcançara 600 Km rodados outro dia. Assim Asics Kayano entrara no batente na semana que antecedera a Corrida da Ponte. Como o desconforto sumiu, segui com ele para a prova.
Às vezes o mais simples e óbvio é o que resolve. Cada vez mais eu entendo o quanto a nossa percepção é importante em nosso desenvolvimento físico e técnico, seja nos treinos ou nas provas. É preciso ouvir o corpo para evitar lesões ou exageros, que podem nos deixar de molho. Eu já passei um tempo parado e hoje fico atento a qualquer alteração que eu venha a sentir.

Comentários

  1. Esse lance da respiração tem uma resposta quase natural. Eu fico tentando inspirar pelo nariz e expirar pela boca, mas quando o bicho pega, e você não sabe mais o que fazer para buscar energia, acaba inspirando e respirando pela boca. É desesperadamente natural. Quanto à musculação não há dúvida, é muito importante. Sugiro trocar o treino das escadas por treinos de tiros. Velocidade é tudo! Abcs e bons treinos!

    ResponderExcluir
  2. Leo,
    Obrigado pela visita. Mas você tem razão, pois quando a situação aperta ignoramos essa coisa de inspirar pelo nariz. A minha dúvida é se teríamos mais gás no final se desde o início praticássemos a respiração pela boca.
    Abs
    André

    ResponderExcluir
  3. Disposto a degustar diferentes tipos de insetos? Por sinal só expirar já me rendeu bons engasgos...
    Parabéns pelo blog! Adicionado nos feeds!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima observação, Felipe.
      Agradeço a visita e a participação na discussão. A situação não deixa de ser engraçada e factível para qualquer um :-)
      Boas passadas!
      André

      Excluir
  4. Grande André !!
    Temos que ficar ligado em qualquer sinal de nosso corpo ., poís ele é uma engrenagem e se estiver qualquer coisa errada ele dá sinal !!

    Parabéns pela postagem muito boa !!

    Abraçoss

    Romildo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelo elogio, Romildo.

      "Ouvir" o corpo eu considero o maior dos desafios. É preciso escovar muito asfalto antes de compreender o funcionamento do nosso corpo, mas estamos aí.

      Vamos que vamos.

      Até a próxima.

      Excluir
  5. André, acho que cada pessoa tem o seu método de corrida; eu prefiro (e já me acostumei), durante 80% da corrida inspirar pelo nariz e expirar pela boca, e no restante - gás total - só consigo respirar pela boca, devido ao ritmo com intensidade forte. Vai depender também de como estou me sentindo no dia, e da questão climática também; se tiver muito sol é complicado...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como diria meu antigo professor de química, sobre as mesmas condições naturais de temperatura e pressão (CNTP) tendemos a apresentar o mesmo comportamento. Particularmente testei o método nos últimos dois treinos, mas só percebi maior suporte nos trechos de maior intensidade. Minha dúvida é se a prática auxilia a consumir menos nossa reserva energética quando realizada nos trechos de menor intensidade. Fora isso, não identifiquei nada de novo.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas.
      André

      Excluir
  6. Boa noite ...pratico o treino de corrida com o tipo respiracao 2:1 (duas passadas inspirando pela boca e uma passada expirando pela boca tb) acho mto eficiente para os meus treinos ... grande abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela sua visita. Os fundistas normalmente praticam 3:1. Você corre provas curtas (5K)?
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…