Pular para o conteúdo principal

A polêmica dos calçados de corrida

O assunto que usei como tema para abrir este post teve como motivação uma fantástica e detalhada reportagem na Revista Runners deste mês. As inúmeras páginas da matéria PÉ NO CHÃO falaram sobre tudo que cerca correr descalço (ou quase com os minimalistas) ou de tênis. Apresentou origem da proposta, os prós, a posição dos fabricantes, mas botou pimenta trazendo informações sobre quem deveria utilizar e as conseqüências negativas por uma transição sem planejamento. Mas a declaração de que correr vai além das preocupações com os pés foi determinante para ratificar a importância de se trabalhar o fortalecimento do corpo como um todo. Para nós, especificamente, dar atenção ao posterior da coxa, panturrilhas, região abdominal, costas e ombros seria uma boa. Quase nada.
Essa coisa de corrida natural me fez lembrar dos bebês, que em seus ensaios para andar acabam correndo com a parte plantar do pé. Sem tocarem os calcanhares. Mas com a chegada dos primeiros pares de tênis, reaprenderam a forma de pisar, levando ao uso do calcanhar. Talvez seja o preço da vida urbana, cada vez mais distante do animal que habita nossa carne.
Assim, depois de uma vida usando sapatos e tênis convencionais, tentar usar um tênis minimalista, ou mesmo os tênis com pouco amortecimento, exige-se um período de adaptação. Aos rebeldes ou destemidos fica o alerta de que a propensão a lesão é significativa, se o uso for sem prudência.
É certo que esta alternativa técnica pode trazer benefícios, mas não nos salvará do risco de lesões. Trocar de pisada só irá agredir partes diferentes do corpo, gerando outros tipos de lesão. A imagem ao lado não faz juz ao problema, pois não marca o tendão de aquiles e a fratura por estresse nas falanges dos pés. Leia a reportagem. É o melhor dossiê que li sobre o assunto até hoje.


2500 KM JÁ PASSARAM FOI TEMPO!
Engolido pelos afazeres acabei esquecendo da minha marcação de distância, que sempre me faz lembrar de uma parte muito boa da minha vida. 
Mas desta vez não tenho o que falar do passado, mas sim de fatos presentes. Dentre eles a aposentadoria do Asics Cumulus e a aquisição do Asics 3020, que já registrei minha impressão em outro post. A intensidade dos treinos finais para a Golden Four. E o fantasma da bronquite que não para de me assombrar nesta época do ano.
Uma das decisões mais importantes desta semana foi não correr o primeiro treino. O longão do domingo foi puxado e treinar cansado não teria sido algo prudente.
2500 Km depois vale citar uma outra vez a importância da planilha na rotina de um corredor. Trabalhar de forma organizada e com uma proposta complexa de treinos é uma arma poderosa contra o marasmo dos clássicos treinos de rodagem, que o leigo acredita ser o único jeito de correr.
Por fim, posso dizer que sempre se aprende algo com os posts de outros corredores blogueiros. Zapear os blogs se tornou uma fonte rica de motivação e aprendizado.
É isso! Boas passadas para todos.

Comentários

  1. Olá André. Muito interessante seus comentarios. Correr descalço não é pra quem quer. É pra quem pode! Por falar em tenis.... vi uma marca que desconhecia: Skechers GoRun. Vc tem informações? Thank´s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nestes dois anos e meio ainda não esbarrei nesta marca. Estou curioso até para pesquisar.

      Obrigado pela visita!

      Abs

      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…