Pular para o conteúdo principal

A polêmica dos calçados de corrida

O assunto que usei como tema para abrir este post teve como motivação uma fantástica e detalhada reportagem na Revista Runners deste mês. As inúmeras páginas da matéria PÉ NO CHÃO falaram sobre tudo que cerca correr descalço (ou quase com os minimalistas) ou de tênis. Apresentou origem da proposta, os prós, a posição dos fabricantes, mas botou pimenta trazendo informações sobre quem deveria utilizar e as conseqüências negativas por uma transição sem planejamento. Mas a declaração de que correr vai além das preocupações com os pés foi determinante para ratificar a importância de se trabalhar o fortalecimento do corpo como um todo. Para nós, especificamente, dar atenção ao posterior da coxa, panturrilhas, região abdominal, costas e ombros seria uma boa. Quase nada.
Essa coisa de corrida natural me fez lembrar dos bebês, que em seus ensaios para andar acabam correndo com a parte plantar do pé. Sem tocarem os calcanhares. Mas com a chegada dos primeiros pares de tênis, reaprenderam a forma de pisar, levando ao uso do calcanhar. Talvez seja o preço da vida urbana, cada vez mais distante do animal que habita nossa carne.
Assim, depois de uma vida usando sapatos e tênis convencionais, tentar usar um tênis minimalista, ou mesmo os tênis com pouco amortecimento, exige-se um período de adaptação. Aos rebeldes ou destemidos fica o alerta de que a propensão a lesão é significativa, se o uso for sem prudência.
É certo que esta alternativa técnica pode trazer benefícios, mas não nos salvará do risco de lesões. Trocar de pisada só irá agredir partes diferentes do corpo, gerando outros tipos de lesão. A imagem ao lado não faz juz ao problema, pois não marca o tendão de aquiles e a fratura por estresse nas falanges dos pés. Leia a reportagem. É o melhor dossiê que li sobre o assunto até hoje.


2500 KM JÁ PASSARAM FOI TEMPO!
Engolido pelos afazeres acabei esquecendo da minha marcação de distância, que sempre me faz lembrar de uma parte muito boa da minha vida. 
Mas desta vez não tenho o que falar do passado, mas sim de fatos presentes. Dentre eles a aposentadoria do Asics Cumulus e a aquisição do Asics 3020, que já registrei minha impressão em outro post. A intensidade dos treinos finais para a Golden Four. E o fantasma da bronquite que não para de me assombrar nesta época do ano.
Uma das decisões mais importantes desta semana foi não correr o primeiro treino. O longão do domingo foi puxado e treinar cansado não teria sido algo prudente.
2500 Km depois vale citar uma outra vez a importância da planilha na rotina de um corredor. Trabalhar de forma organizada e com uma proposta complexa de treinos é uma arma poderosa contra o marasmo dos clássicos treinos de rodagem, que o leigo acredita ser o único jeito de correr.
Por fim, posso dizer que sempre se aprende algo com os posts de outros corredores blogueiros. Zapear os blogs se tornou uma fonte rica de motivação e aprendizado.
É isso! Boas passadas para todos.

Comentários

  1. Olá André. Muito interessante seus comentarios. Correr descalço não é pra quem quer. É pra quem pode! Por falar em tenis.... vi uma marca que desconhecia: Skechers GoRun. Vc tem informações? Thank´s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nestes dois anos e meio ainda não esbarrei nesta marca. Estou curioso até para pesquisar.

      Obrigado pela visita!

      Abs

      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…