Pular para o conteúdo principal

Resiliência

No último sábado aprendi uma grande lição, quando resolvi não fazer o longão. Aprendi a respeitar meus limites físicos e mentais após uma nova e cansativa semana de trabalho. Foi bom, pois olhei para vida além do tênis. Foi um ótimo precedente para ir com o rebento para a piscina em companhia da minha mãe. Foi uma manhã muito proveitosa para a alma, corpo e coração. Como é bom fazer aquele pequenino feliz. É algo que não custa dinheiro. Custa apenas dedicação. Nunca foi tão fácil ser feliz. Precisei apenas de uma piscina e um escorrega horas a fio. Daí veio a fome e cansaço e fomos embora para casa.
Tá. E a corrida com isso, não é? O longão ficou para a manhã de domingo. De corpo e alma refeitos, me diverti com os 4 tiros de 4 Km.  Ao todo foram pouco mais de 18 Km, sem exageros ou riscos de lesão. Fechei com chave de ouro a primeira parte (de novo) do ciclo de treinos. Esta semana foi providencialmente preenchida de treinos regenerativos. A marcha era tão lenta que me senti obrigado a colocar ladeiras no percurso para quebrar a monotonia. Consegui dormir um pouco mais, fato também crucial para este breve intervalo de descanso. Cheguei agora há pouco do último treino leve do ciclo. Segunda o bicho volta a pegar. Serão intervalados muito intensos até a semana que antecede a prova, quando a carga será reduzida para chegar o melhor possível na prova.
A corrida me ensionou muito sobre resiliência. Ser fiel aos seus planos (se forem bons) trará uma riqueza sem preço para você. Eu chamo de sabedoria de vida, que me deixa mais resistente para as adversidades da vida, ou melhor mais resiliente. A vida aperta aqui e ali, mas a visão do que me esperava lá na frente me deu forças para continuar seguindo. Essa tal resiliência trouxe mais equilíbrio emocional, ou vice versa, e aumenta gradativamente a cada quilômetro corrido.
Como está muito bem colocado pelo Nuno Cobra, em sua obra entitulada A SEMENTE DA VITÓRIA, o que eu quero é “chegar ao cérebro pelo músculo e ao espírito pelo corpo”.


2700 KM DEPOIS...
Os últimos 100 quilômetros foram bastante complicados. O cansaço provocado pela rotina trabalho, casa, treinos e noites mal dormidas afetou meu desempenho. Mas faz parte. Isso é viver. É saber que a vida ri do nosso planejamento, testa nosso interesse e motivação. Mas como bom brasileiro que levanta e sacode a poeira, tenta dar a volta por cima. Até logo Alagoas. Sergipe, estou chegando.
Boas passadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…