Pular para o conteúdo principal

Asics Kayano 18: exceed

Hoje cedo ao pegar a viseira da K42 Búzios, finalmente descobri um bom título para este texto, que estou adiando há duas semanas. Na viseira laranja a palavra EXCEEED está em destaque. Caiu como uma luva para descrever um tênis que nesta preparação para minha primeira maratona me ajudou a deixar para trás mais de setecentos quilômetros. Por incrível que pareça o tênis continua confortável, com as ranhuras no solado e a costura impecável. Acho que muito em decorrência da evolução da minha corrida como um todo (diz-se força e técnica), pois o Kayano sempre foi um excelente tênis para pronadores independente da sua versão.

Se você é novo por aqui é importante que saiba que existem basicamente três tipos de pisada: pronada, neutra e supinada. Para cada tipo de pisada, as empresas de calçado desenvolveram tênis com reforços específicos para auxiliar na durabilidade do tênis. Muito se falou sobre corrigir a passada, mas na minha humilde opinião uma abordagem infeliz.
Quando eu comecei a correr, assim como a maioria, não sabia lhufas sobre a corrida e tudo que a cercava e acabei comprando um tênis para pisada neutra ou supinada. O resultado não foram dores, ou contusões, mas um tênis destruído em menos de noventa dias! A critério de comparação, o Asics Kayano 18 já está comigo há seis meses e com disposição para seguir comigo mesmo depois da maratona. Assim, procure se informar sobre a forma como você pisa. Um ortopedista esportivo é o melhor caminho para tal. Se você não sabe nem por onde começar, procure um profissional de educação fisica ou uma assessoria esportiva. Eles talvez possam lhe indicar um nome.

MARATONA DO RIO: FALTAM TRÊS SEMANAS
Depois de um mês de maio complicado, vi minha rotina começar a voltar ao normal. Em decorrência de ter treinado pouco nas últimas semanas, o "mestre" ajustou a planilha a minha realidade. A idéia é criar lastro para terminar a prova em no máximo quatro horas e meia. Nada espetacular, mas esta é a minha realidade. Até esta dose de realidade ajudou a combater a frustração por não conseguir cumprir com o plano A.
Os treinos de junho rapidamente ganharam cara de longão, um dos meus treinos favoritos, pois são perfeitos para avaliar ritmo. Saio de casa com a meta de manter o esforço na casa dos 85% da FCM e desenvolver dentro deste limiar, que hoje consigo manter o ritmo perto de 6'20"/km.
Em meio a rotina que se restabelece, um treino foi em companhia do Glaucio e de alguns companheiros da assessoria esportiva ajudou a motivar. Foi legal rever o pessoal depois de tanto tempo, apesar da subida ao Parque da Cidade não ser algo simples. Mas até desta brabeira eu senti falta.
Os intervalados também não tem sido fáceis. Tiros de 3 quilômetros se tornaram um padrão nas últimas semanas e juntando aquecimento e desaceleração, os treinos intervalados estão chegando a 18 quilômetros! Doideira. Por conta disso, o despertador começa a tocar mais cedo também (às quatro da matina). É o jeito de treinar sem comprometer a rotina da família ou profissional.
Mas esta semana ainda fui premiado com a presença da Renata, em sua nova fase com treinos de resistência. Inclusive me surpreendi com seu ritmo em torno dos 6'10"/km! Ao contrário do que ela pensa, tem tino para a coisa, visto treinar há tão pouco tempo.
Vou terminar o post com um vídeo que vez outra assisto e ratifica um velho ditado de corredor: "Você é o que você treina". A carne vai ser colocada a prova, mas maratona é isso!

Leia também: André e seu novo tênis: asics Kayano 18


CIRCUITO ATHENAS RIO - ETAPA II: aguardem, pois a Iguana Sports concedeu uma cortesia para a segunda etapa do evento que acontecerá no Rio de Janeiro.

Comentários

  1. Neste fim de semana tenho um longão de 35km, o último para a Maratona (atrasou por conta das viagem de férias, faz parte). E vamos levando!
    minha meta é terminar entre 4:40 e 4:50, vou saber se é realidade depois desse treino.

    Bem que eu poderia esbarrar com você e com a Renata (que conheci através de um comentário no seu blog) nesses treinos mais longos, isso dá um gás extra power ultra mega :)

    Abraços e bons treinos, a Maratona está chegando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Drica,
      Mudança de planos. Domingo tem longão e teu ritmo bateu com o meu. Vamos sair às seis e meia da igreja São Judas Tadeu, na Oraia de Icaraí, em direção à Itacoatiara e voltar. Só isso kkk
      Mais detalhes procure pelo grupo aberto no facebook André e o tênis.
      Beijos

      Excluir
    2. Olha! Drica é de Niterói também???

      Excluir
    3. Pois é! E parece que o marido dela também corre. Se der mole já esbarrei neles sem saber um 100 número de vezes :-)

      Excluir
  2. André,

    Boa sorte e boa preparação nessa reta final para a maratona do Rio.

    Abraços e bons treinos.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Brunno.
      A torcida faz a diferença :-) Inclusive na corrida de rua!
      E vamos que vamos!
      Abraço

      Excluir
  3. Ah, você está sendo um gentleman, isso sim! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AHAHAH Agora que você leu?
      Mas não é mentira e parabéns pela nova fase, que desejo que continue sem lesões.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…