Pular para o conteúdo principal

3%

Mais um ano se passa e o tempo, ou melhor, gerenciá-lo vem se tornando o maior dos desafios. Gerenciar tempo é fazer opções, escolher fazer algumas coisas e abrir mão de outras. É causa e efeito se tornando cada dia mais palpáveis, presentes e imutáveis. O que foi feito, foi feito. Não tem volta. É virar a página e seguir em frente, pois viver preso ao passado é não viver novos momentos e experiências. Mas nossa percepção sobre o tempo muda com o passar dos anos. Quando novos confiamos no amanhã, mas o tempo trás outra percepção do tempo. Hoje não vejo apenas o dia, mas os seis que o seguem para conseguir organizar a rotina de trabalho, casa, estudos, treinos, família, amigos e lazer. É claro que a conta é injusta, pois algumas coisas são inevitáveis e algo sempre fica de fora ou por compensar no próximo ciclo.
Eu me dei ao trabalho de distribuir todas as minhas horas de uma semana em uma planilha com os seguintes itens: descanso, transporte, trabalho, estudo, lazer e família. Fiquei impressionado com algumas coisas. Durmo menos que a maioria da população (que dorme 8 horas) e funciono. Porém o mais importante foi perceber que eu gasto apenas três por cento do meu tempo com a corrida. Três ... o resto está para a vida e seus desafios da sociedade moderna.
Não dá para abrir mão de algo que faz tão bem, principalmente por ser praticado em horário extraordinário. A vida vai ter que se encaixar no resto do tempo.

MARATONA DO RIO: FALTAM 15 DIAS
Junho é um contraste explícito ao mês de maio. Naturalmente já seria expressiva a diferença, por conta dos longões. Os treinos têm superado facilmente a hora e meia de treino e com isso o volume semanal superou pela primeira vez na minha vida os sessenta quilômentros. O feito que se repetiu nas últimas duas semanas, eu só havia alcançado em uma única semana de junho do ano passado. Alguns ajustes vêm sendo feitos na alimentação e na reposição energética durante os treinos. Enjoado do Carb Up, voltei a utilizar a paçoquita. É sério. Não é piada. De alto teor energético e saborosa, mando uma para dentro a cada quarenta minutos para fazer o treino algo ainda mais prazeroso.
O esforço tem sido grande e hoje uma novidade. O tornozelo direito ficou um pouco doido durante o dia. Farei gelo apenas por precaução, visto que o esforço ainda vai continuar grande nas próximas duas semanas.

PROMOÇÃO: EU QUERO CORRER O CIRCUITO ATHENAS RIO 2013 – ETAPA II
Corredores. A sorte foi lançada. Veja no link no alto da página a forma de participar da mais nova promoção do blog André e o tênis, patrocinada pela Iguana Sports.

Comentários

  1. André, curioso como fizeste o relato do seu percentual de tempo aplicado a corrida. A gente se assusta ao ver números, estatísticas tão fundamentadas na frente. Mas, 3% é bastante coisa, perto das horas de trabalho e de sono.
    Força para o seu próximo objetivo. Foco!!
    Ah! Parabéns pela promoção nova no blog.
    Abraço e boas corridas.
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena.
      Obrigado pela visita, mas você acha 5 horas semanais muita coisa? São três filmes e talvez o tempo para fazer pipoca para eles :-)
      Pena que estás em Floripa, senão lhe desejaria boa sorte no sorteio.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. Sabe o que também me impressionou??? Os 11% com o trânsito. É muita coisa!

    Eu não sei porque cargas d'água ainda não comprei uma caixa de paçoquita para mim! rs

    Cuide bem desse tornozelo, André!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... 24 (horas) x 7 (dias) x 11% = 18 horas e 27 minutos de trânsito na semana. Triste é saber que existem casos muito piores que o meu.
      O tornozelo esteve a base de pomada diclofenaco nos últimos dias. Melhorou, mas ainda dói um cadin.
      Quanto as paçoquitas - risos - é o sabor sem pecado :-) É a dose de alegria no meio do treino. Cuidado para não enjoar também.
      Boas passadas e beijos.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…