Pular para o conteúdo principal

É importante registrar seus treinos?

Nem foi uma ou duas pessoas que já comentaram sobre o "E lá se vão" que mantenho no grupo aberto André e o tênis no facebook. Me disseram que motiva. Outros se impressionam com os mais de quatro mil quilômetros corridos. Uma vez um ultra maratonista me cumprimentou pelo feito, mas tive que dizer que esta quilometragem era referente ao três anos e pouco de treinos e não ao trabalho do último ano (meu Deus! Eles rodam tranquilamente três mil ao ano).
Eu decidi registrar meus treinos desde o princípio, após ler em uma revista Runners sobre os efeitos deste pequeno hobby. Tais como:
1. Manter o foco. Você é o que você pensa. Simples assim. Muitas vezes pensamos no exercício apenas quando chega a hora do treino. Se você, como eu, trabalha e tem outro cem número de compromissos na semana separa o equivalente a 2% ou 3% do seu tempo da semana para lembrar da corrida. Se o treino fosse uma pessoa, possivelmente você nem saberia o nome dela pela falta de contato.
2. Definição de metas. Muitos aplicativos oferecem a marcação de metas, sejam elas cumprir distâncias, agendar as provas, vencer seu recorde pessoal, enfim, a gosto do freguês. Eu já testei alguns, mas me afeiçoei pelo Runkeeper. Os usuários de monitores cardíacos das marcas Garmin, Polar e Suunto têm ferramentas semelhantes, ou superior. Mas o interessante do Runkeeper é a acessibilidade. Através de um smartphone, você tem funções que e recursos de frenquecímetros de ponta em um aplicativo gratuito. Até recentemente, eu treinava com um Polar FS3C e o Runkeeper ditando os treinos.
3. Controle do seu tênis. Todo mundo sabe que o controle de quilometragem de um carro é muito importante, em virtude das revisões mecânicas. São os quilômetros rodados que provocam o desgaste das peças e o tênis passa pela mesma situação. Após ler algumas revistas um tênis dura em média 600 quilômetros, mas este número pode variar para mais ou para menos em decorrência do peso, forma de correr e dos cuidados que se tem com ele. Meus primeiros tênis chegavam massacrados nos 600 quilômetros, pois eu utilizava muito os calcanhares para correr. Com o ganho de força nos tornozelos e panturrilhas sacrifico menos o tênis, que tem durado pouco mais de 800 quilômetros.
4. Motivação. Um ato que pode parecer um exagero para uns, podem servir de motivação para outros. Uma das coisas que me mantém motivado é saber que estou promovendo qualidade de vida. Não foi uma, nem duas vezes que me agradeceram pelo exemplo. A gente nunca sabe a hora ou o que vai nos tirar do ostracismo físico. Para mim foi uma promoção no jornaleiro. Eu procurava uma atividade física que se encaixasse na minha complicada agenda e quando descobri a corrida, minha vida mudou para melhor. Muita gente se identificou com a história a sua maneira arrumou seu tempo para colocar o tênis e ir para rua ou esteira mudar a própria história.
5. Socialização. Ser corredor é fazer parte de uma tribo. Você fala de algo diferente, faz coisas diferentes e nem sempre bem interpretadas pelos velhos amigos. As redes sociais e as ferramentas de controle dos treinos podem lhe colocar próximos de outros praticantes do esporte. Eu mesmo descobri amigos que já corriam por conta dos aplicativos e redes sociais. Isso só mostra como temos a conhecer sobre quem está a nossa volta.
Eu poderia falar mais um monte sobre a importância de se registrar os treinos, mas estes são os principais.

GOOGLE MAPS
Fazia tempo que eu não atualizava este mapa, mas vamos lá. Nestes anos já corri o suficiente para ir à minha antiga casa em Recife e já estou quase chegando ao estado do Espírito Santo. Louco, não? Mas nada impossível. São apenas três treinos semanais feitos de forma consistente por pouco mais de três anos. São números para uma pessoa normal que se dedica a corrida. Não sou um corredor de ponta, pelo contrário. Com 41 anos os desafios são outros. Manter a forma física é fundamental para uma mente saudável. As poucas, mas preciosas horas de treino servem para colocar a cabeça em ordem, organizar a vida. São minutos que lhe ajudam a colocar o pé no chão e entender seus limites e garantir a dose de diversão que precisamos para ser felizes.
Boas passadas!

Comentários

  1. Ah! Eu sou à moda antiga: tenho um caderninho onde anoto tudo! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O importante é o controle, minha amiga. O como fica por conta de cada um :-) Se um dia quiser ajuda como aplicativos, estou à disposição.
      Obrigado pela visita.
      Boas passadas!

      Excluir
  2. André,

    Como sempre, seu post está muito bem escrito e traz uma questão bastante relevante para nós corredores amadores.

    Eu comecei a anotar/registrar meus treinos apenas esse ano (voltei a treinar no ano passado, mas sem muita disciplina, depois de ficar alguns anos parado). Para mim, os motivos principais que você citou são: 1 (manter o foco) e 4 (motivação). Arrisco dizer que o fato de registrar todos os treinos ajudou a me tornar mais disciplinado em seguir os treinos.

    Muito bacana sua ideia de pegar o total percorrido e ver até onde você chegaria. (Desde que comecei a marcar, em janeiro/13, percorri quase 550 kms). E vamos em frente!

    Abraços e bons treinos.
    Brunno - http://movidoaendorfina.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Brunno,
      Cada um a sua maneira vai encontrando um jeito de "matar o leão" e seguir em frente. A parte interessante é que quanto maior nossa dedicação, mais dedicado ficamos!
      Obrigado pela visita e pelo elogio.
      Até a próxima.
      Boas passadas!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…