Pular para o conteúdo principal

Circuito Light Rio Antigo - o relato

Esta etapa teve um gostinho diferente, pois está sendo a primeira vez que fomos pela Associação Beneficente dos Professores Públicos - APPAI, que ofereceu à seus associados inscrições em troca de latas de leite em pó. Além do caráter social da campanha, foi legal terminar o ano com mais está corrida. É uma poderosa válvula de escape. Uma maneira ímpar de se celebrar a vida.
Devido a agenda apertada, foi uma corrida sem muito planejamento. Eu e Andréa fomos para corrida sem muito alarde, ou expectativa. Sem meu Garmin, com defeito, fui de peito aberto para os cinco quilômetros. Corri na base da percepção e sem muitas pretensões, pois a preparação para esta corrida se resumiu a cinco treinos de esteira, em que nenhum deles fiz os 5K na meia hora que me propus a fazer de treino. Mas treino é treino. E corrida é corrida.
Chegamos ao local da prova no instante em que a largada estava sendo realizada. Rapidamente colocamos a mochila no guarda-volumes e caminhamos para a largada. Na hora em que passamos pelo pórtico, oito minutos já haviam se passado, mas ainda haviam caminhantes iniciando seu percurso.
Minha corrida mais parecia uma slalom gigante. Gastei bastante energia e atenção passando aquele mar de gente. De certa forma foi bom, pois eu receava ficar meio neurótico com a ausência do monitor cardíaco. Mas fui bem. Sobrevivi a falta do equipamento e segui em um ritmo saudável. A passagem pelos pontos de hidratação foi uma loucura. As pessoas paravam para pegar água, reflexo da inocência existente nestas provas para iniciantes. Mas vale o esforço para pegar os copos, pois a água estava maravilhosamente gelada nos dois pontos de hidratação. O céu nublado ajudou um bocado, apesar da sensação de abafamento. Se o sol tivesse a pino, com certeza o aperto seria maior. E por falar em aperto, sofri para subir o viaduto da República do Paraguai. Mas rapidamente o corpo se ajeitou e continuei em frente. 
Aquela altura faltava menos de um quilômetro. A descida foi uma benção depois de tanto esforço. Entrei na Evaristo da Veiga e o pórtico mostrava o final da prova. Sem sprint, mas eufórico. Os 27'15" extraoficialmente já me alegraram e há pouco fiquei ainda mais feliz por ver no certificado 26'57". O sorriso feliz e nostálgico veio junto com um suspiro ao ver a marcação completamente louca do meu smartphone. A saudade do meu Garmin bateu forte, mas falta pouco... em breve ele estará de volta se Deus quiser.
Apesar da minha esposa não querer muito marketing, não posso de deixar registrar que ela melhorou em mais de três minutos o tempo da prova.
ACHO que por este ano é só... agora é continuar com os treinos e planejar 2014.
Boas passadas!

Comentários

  1. Oi, André.
    Parabéns pela sua participação na prova. Aliás, de vocês dois. Que bacana correr com marido/esposa. Casal unido dentro e fora da pista. Lindo exemplo.
    Achei linda a medalha, uma das mais bonitas que já vi. Muito show!!
    Bora aproveitar os dias de dezembro e planejar 2014. Bons km's!!
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena.
      Realmente a medalha é uma das mais bonitas que tenho, tanto que resolvi fotografá-la. O fundo branco valorizou demais a foto e vou adotar a técnica para as próximas conquistas.
      Sim. Achei legal vê-la participar. Não foi a primeira vez que ela correu, mas desta vez foi "com sangue nos olhos". Nós, que já batemos muito asfalto, sabemos o quão bom é para nossa saúde e domingo fiquei feliz em dobro :-)
      Sem saúde, sem vida.
      Com saúde, com vida.
      Boas passadas e feliz ano novo para você e os seus.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…