Pular para o conteúdo principal

Circuito Light Rio Antigo - o relato

Esta etapa teve um gostinho diferente, pois está sendo a primeira vez que fomos pela Associação Beneficente dos Professores Públicos - APPAI, que ofereceu à seus associados inscrições em troca de latas de leite em pó. Além do caráter social da campanha, foi legal terminar o ano com mais está corrida. É uma poderosa válvula de escape. Uma maneira ímpar de se celebrar a vida.
Devido a agenda apertada, foi uma corrida sem muito planejamento. Eu e Andréa fomos para corrida sem muito alarde, ou expectativa. Sem meu Garmin, com defeito, fui de peito aberto para os cinco quilômetros. Corri na base da percepção e sem muitas pretensões, pois a preparação para esta corrida se resumiu a cinco treinos de esteira, em que nenhum deles fiz os 5K na meia hora que me propus a fazer de treino. Mas treino é treino. E corrida é corrida.
Chegamos ao local da prova no instante em que a largada estava sendo realizada. Rapidamente colocamos a mochila no guarda-volumes e caminhamos para a largada. Na hora em que passamos pelo pórtico, oito minutos já haviam se passado, mas ainda haviam caminhantes iniciando seu percurso.
Minha corrida mais parecia uma slalom gigante. Gastei bastante energia e atenção passando aquele mar de gente. De certa forma foi bom, pois eu receava ficar meio neurótico com a ausência do monitor cardíaco. Mas fui bem. Sobrevivi a falta do equipamento e segui em um ritmo saudável. A passagem pelos pontos de hidratação foi uma loucura. As pessoas paravam para pegar água, reflexo da inocência existente nestas provas para iniciantes. Mas vale o esforço para pegar os copos, pois a água estava maravilhosamente gelada nos dois pontos de hidratação. O céu nublado ajudou um bocado, apesar da sensação de abafamento. Se o sol tivesse a pino, com certeza o aperto seria maior. E por falar em aperto, sofri para subir o viaduto da República do Paraguai. Mas rapidamente o corpo se ajeitou e continuei em frente. 
Aquela altura faltava menos de um quilômetro. A descida foi uma benção depois de tanto esforço. Entrei na Evaristo da Veiga e o pórtico mostrava o final da prova. Sem sprint, mas eufórico. Os 27'15" extraoficialmente já me alegraram e há pouco fiquei ainda mais feliz por ver no certificado 26'57". O sorriso feliz e nostálgico veio junto com um suspiro ao ver a marcação completamente louca do meu smartphone. A saudade do meu Garmin bateu forte, mas falta pouco... em breve ele estará de volta se Deus quiser.
Apesar da minha esposa não querer muito marketing, não posso de deixar registrar que ela melhorou em mais de três minutos o tempo da prova.
ACHO que por este ano é só... agora é continuar com os treinos e planejar 2014.
Boas passadas!

Comentários

  1. Oi, André.
    Parabéns pela sua participação na prova. Aliás, de vocês dois. Que bacana correr com marido/esposa. Casal unido dentro e fora da pista. Lindo exemplo.
    Achei linda a medalha, uma das mais bonitas que já vi. Muito show!!
    Bora aproveitar os dias de dezembro e planejar 2014. Bons km's!!
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Helena.
      Realmente a medalha é uma das mais bonitas que tenho, tanto que resolvi fotografá-la. O fundo branco valorizou demais a foto e vou adotar a técnica para as próximas conquistas.
      Sim. Achei legal vê-la participar. Não foi a primeira vez que ela correu, mas desta vez foi "com sangue nos olhos". Nós, que já batemos muito asfalto, sabemos o quão bom é para nossa saúde e domingo fiquei feliz em dobro :-)
      Sem saúde, sem vida.
      Com saúde, com vida.
      Boas passadas e feliz ano novo para você e os seus.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…