Pular para o conteúdo principal

Desorientação


A noite era para comemorar o tricampeonato do Flamengo, mas seria impossível não falar de corrida. Sempre houve um pacto informal entre este que vos escreve e o Glaucio, padrinho do meu casamento e da corrida. O cara que me convenceu a correr minha primeira meia maratona, depois minha primeira prova off road e por fim uma tal maratona. Eu confessei ao Glaucio a dificuldade que estava enfrentando para manter o ritmo dos treinos nesta reta final do ano. Era um mix de justificativas que iam desde o excesso de trabalho, afazeres domésticos, os sábados estudando, à vontade de curtir um ócio para descansar a cabeça da dura rotina. Ele tentando me consolar disse que o pós maratona dele foi muito parecido. Nada fazia sentido depois de tanta dedicação e quilômetros rodados. O desafogo dele foi a bicicleta. O meu tem sido a diversidade. Tem dias que eu corro, outros eu nado, ou vou para o Tai Ji Chuan. É assim que a senhora chinesa escreveu no folder do projeto social. Assim, faço das tripas coração e tento cumprir com os tais três dias de atividade por semana.

A novidade nesta inusitada rotina foi a inclusão da musculação. Ela. A chata. Que nem durante a preparação para a maratona me submeti. Optei pelos exercícios funcionais e fugi do treino sob quatro paredes, mas minha hora chegou.
Estes primeiros dias estão sendo de adaptação, sem uma série ainda definida e um instrutor que perturba para que antes de puxar o ferro eu faça um pouco de esteira. Se eu tivesse visão de calor, ele teria virado churrasco. Se eu quisesse correr, eu o faria na rua - pensei. Esteira? Tentei achar ânimo em algum lugar dentro de mim. Cinco minutos e só, ele disse. Para aquecer.
Fui para aquele salão com setenta e dez zilhões de esteiras. Escolhi uma e liguei. Coloquei em meu ritmo de aquecimento e fiquei olhando para o visor do equipamento. Muitos botões. Conexão para iPhone. Será que minha cinta do Garmin funcionaria com a esteira? Olhei a minha volta. Gente com fone de ouvido. Lembro deste tempo. Televisão? Noticiário! Na outra novela. Pessoal doido. Será que conhecessem tv a cabo? Olho para o nada e os ouvidos percebem uma música. Música eletrônica. Boa. Me lembrou outros tempos com meu mp3 da Sony. O ritmo ajuda. Olho para a esteira e vejo que os cinco minutos estavam acabando, mas algo adormecido luta e gritava dentro de mim. Escravo do meu instinto, levei o dedo até a seta para cima (a do acelerador da esteira) com um único pensamento. Meia hora com o pace de maratona para desenferrujar. Depois eu vou malhar. 
Estou voltando :-)
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…