Pular para o conteúdo principal

A vida... é uma caixinha de surpresas

Era uma manhã como outra qualquer. Enquanto eu concluída os preparativos pistas mais um treino, assistia a céu ganhar tons mais claros.
A quarta semana de oito, na preparação para Athenas 10K, chegava ao ápice do primeiro microciclo com treinos de tiros de média duração. Era hora de avaliar o ritmo. Por se tratar da primeiras prova do ano, o objetivo é modesto: correr abaixo de 28 minutos. O que equivale ao meu ritmo de meia maratona.
Então lá fui eu rua a fora ainda pensando no percurso que faria. Quando o aquecimento chegava ato fim decidi ir para São Francisco. O terreno plano ajudaria muito a desenvolver velocidade. Configurei o monitor para trabalhar dentro da zona 4 e fui para o primeiro dos quatro tiros.
Terminei o primeiro tiro no meio da avenida que margeia a orla. Feliz com o resultado do primeiro tiro, respirei fundo por instantes e segui para o tiro. Mas a vida é uma caixinha de surpresas. Quando eu já alcançava a grande curva em direção a Charitas, a panturrilha direita deu sinais de cansaço, como já acontecera em outras oportunidades. Concentrado eu ouvia apenas minha respiração, enquanto procurava a melhor técnica para as passadas. Olhei para a baía para curtir o visual e de repente BOOM! A panturrilha direita travara. Parecia que existiam caroços de feijão cru entre as fibras musculares. Manquei até o banco de cimento achando que poderia ser cãibra, mas havia algo diferente. Algo mais presente, latejando... incomodando. Tentei alongar de leve. Nada. Nem para mais, nem para menos. Lembrei onde estava e comecei a mancar de volta para casa. Eu estava a pelo menos um quilômetro de um ponto de ônibus.
Se houve algo de bom nesta situação foi que gradativamente foi ficando mais fácil caminhar e quando vi já estava no ônibus.  Pouco depois eu já estava de banho tomado e diclofenaco passado na perna. Foi colocar a roupa e seguir para o trabalho. No caminho falei com meu irmão, que sobrou uma contratura. Pela forma como reagi ele disse ser uma contratura leve. Que com antibiótico e gelo eu estaria curado antes da ressonância ficar pronta. Infelizmente a preparação para a prática caiu ser interrompida por uma semana. Terei que rever a intensidade do treino inclusive, antes de poder calçar o tênis novamente.
Lembrei do Joseph Climber e sorri (assista, pois sempre vale a pena rir). Minha primeira lesão muscular em quase quatro anos de corrida. Impossível imaginar isso depois de passar ileso pelos pesados treinos de uma maratona e me machucar em treinos de média intensidade para uma prova de 5 km.
A vida... é uma caixinha de surpresas.
Boas passadas.

Comentários

  1. Oi, André.
    Mesmo treinando corretamente não somos ilesos de ter uma lesão. Boa recuperação pra ti e boa preparação para o seu objetivo. Sempre achei treinos para prova de 5km mais intensos, afinal se espera mais "explosão".
    abraço
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Helena.

      A vida é assim, mas vamos que vamos. Domingo está quase ali.
      Obrigado pela visita.
      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…