Pular para o conteúdo principal

A vida... é uma caixinha de surpresas

Era uma manhã como outra qualquer. Enquanto eu concluída os preparativos pistas mais um treino, assistia a céu ganhar tons mais claros.
A quarta semana de oito, na preparação para Athenas 10K, chegava ao ápice do primeiro microciclo com treinos de tiros de média duração. Era hora de avaliar o ritmo. Por se tratar da primeiras prova do ano, o objetivo é modesto: correr abaixo de 28 minutos. O que equivale ao meu ritmo de meia maratona.
Então lá fui eu rua a fora ainda pensando no percurso que faria. Quando o aquecimento chegava ato fim decidi ir para São Francisco. O terreno plano ajudaria muito a desenvolver velocidade. Configurei o monitor para trabalhar dentro da zona 4 e fui para o primeiro dos quatro tiros.
Terminei o primeiro tiro no meio da avenida que margeia a orla. Feliz com o resultado do primeiro tiro, respirei fundo por instantes e segui para o tiro. Mas a vida é uma caixinha de surpresas. Quando eu já alcançava a grande curva em direção a Charitas, a panturrilha direita deu sinais de cansaço, como já acontecera em outras oportunidades. Concentrado eu ouvia apenas minha respiração, enquanto procurava a melhor técnica para as passadas. Olhei para a baía para curtir o visual e de repente BOOM! A panturrilha direita travara. Parecia que existiam caroços de feijão cru entre as fibras musculares. Manquei até o banco de cimento achando que poderia ser cãibra, mas havia algo diferente. Algo mais presente, latejando... incomodando. Tentei alongar de leve. Nada. Nem para mais, nem para menos. Lembrei onde estava e comecei a mancar de volta para casa. Eu estava a pelo menos um quilômetro de um ponto de ônibus.
Se houve algo de bom nesta situação foi que gradativamente foi ficando mais fácil caminhar e quando vi já estava no ônibus.  Pouco depois eu já estava de banho tomado e diclofenaco passado na perna. Foi colocar a roupa e seguir para o trabalho. No caminho falei com meu irmão, que sobrou uma contratura. Pela forma como reagi ele disse ser uma contratura leve. Que com antibiótico e gelo eu estaria curado antes da ressonância ficar pronta. Infelizmente a preparação para a prática caiu ser interrompida por uma semana. Terei que rever a intensidade do treino inclusive, antes de poder calçar o tênis novamente.
Lembrei do Joseph Climber e sorri (assista, pois sempre vale a pena rir). Minha primeira lesão muscular em quase quatro anos de corrida. Impossível imaginar isso depois de passar ileso pelos pesados treinos de uma maratona e me machucar em treinos de média intensidade para uma prova de 5 km.
A vida... é uma caixinha de surpresas.
Boas passadas.

Comentários

  1. Oi, André.
    Mesmo treinando corretamente não somos ilesos de ter uma lesão. Boa recuperação pra ti e boa preparação para o seu objetivo. Sempre achei treinos para prova de 5km mais intensos, afinal se espera mais "explosão".
    abraço
    Helena
    Blog Correndo de bem com a vida
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Helena.

      A vida é assim, mas vamos que vamos. Domingo está quase ali.
      Obrigado pela visita.
      Abraço

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…