Pular para o conteúdo principal

E lá se foram 5.000 km

Calma. Não sou ultra maratonista. Não sou um destes super humanos. Estes 5.000 km são resultado de muita disciplina, dedicação e de amor a um esporte há tempos preterido. Sim, pois cresci nas piscinas por conta da bronquite e me diverti nas quadras e areias com vôlei. O basquete também ocupou muito do meu tempo e o futebol apenas com amigos muito pacientes, ou no gol.
A corrida foi resultado da falta de tempo e da pança que começava a crescer. Sempre fui magro, mas a pança... a danada da pança. Chegou a um ponto em que minha esposa ficava brincando como se fosse uma bola de cristal, enquanto assistíamos TV. Levei para o coração, claro.
Esta estória começou no estacionamento do condomínio em que morávamos. Se estendeu para as ruas em volta, até que eu já tinha disposição para ir e voltar do Horto Botânico de Niterói. Com o tempo, novas distâncias. A orla de Niterói vira minha companheira. Descubro que não sou um pária quando descubro que meu compadre Glaucio praticava a corrida. Logo em seguida as primeiras provas. Novos amigos. Muitas experiências. Novo estilo de vida.
A transformação foi tão gradual que quando percebi já treinava para uma maratona. Meu primeiro treinador. Desafio pesado, mas que valeu a pena. Uma lição para a vida sobre vontade e resistência. De tão emocionante, hoje ainda fico com os olhos marejados. Depois desta "viagem à lua" me perdi, mas rapidamente me reencontrei, pois correr depois de um tempo não depende de desafios, pois a vida já lhe impõe barreiras. Correr passar ser o espaço de tempo dedicado ao auto-conhecimento. Ao lazer. Ao pensamento.
Quando comecei a correr me coloquei como meta não desistir antes de correr o equivalente a uma viagem de carro de Niterói até Recife. Na porta da minha casa de infância. Corri, corri e corri, até que cheguei. Achei tão legal a idéia que resolvi correr a distância de volta antes de pensar em parar. Quando achei que a viagem estava chegando ao fim, decidi que deveria seguir em direção ao sul do país. Mais especificamente Florianópolis, onde passei ótimas férias e voltaria a qualquer hora para ver como a ilha paraíso está. Atualmente estou chegando nas proximidades de São José dos Campos. Ainda tem chão até Floripa, mas o que importa se for para dizer que preciso continuar correndo?
E você? O que te movimenta?
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…