Pular para o conteúdo principal

E lá se foram 5.000 km

Calma. Não sou ultra maratonista. Não sou um destes super humanos. Estes 5.000 km são resultado de muita disciplina, dedicação e de amor a um esporte há tempos preterido. Sim, pois cresci nas piscinas por conta da bronquite e me diverti nas quadras e areias com vôlei. O basquete também ocupou muito do meu tempo e o futebol apenas com amigos muito pacientes, ou no gol.
A corrida foi resultado da falta de tempo e da pança que começava a crescer. Sempre fui magro, mas a pança... a danada da pança. Chegou a um ponto em que minha esposa ficava brincando como se fosse uma bola de cristal, enquanto assistíamos TV. Levei para o coração, claro.
Esta estória começou no estacionamento do condomínio em que morávamos. Se estendeu para as ruas em volta, até que eu já tinha disposição para ir e voltar do Horto Botânico de Niterói. Com o tempo, novas distâncias. A orla de Niterói vira minha companheira. Descubro que não sou um pária quando descubro que meu compadre Glaucio praticava a corrida. Logo em seguida as primeiras provas. Novos amigos. Muitas experiências. Novo estilo de vida.
A transformação foi tão gradual que quando percebi já treinava para uma maratona. Meu primeiro treinador. Desafio pesado, mas que valeu a pena. Uma lição para a vida sobre vontade e resistência. De tão emocionante, hoje ainda fico com os olhos marejados. Depois desta "viagem à lua" me perdi, mas rapidamente me reencontrei, pois correr depois de um tempo não depende de desafios, pois a vida já lhe impõe barreiras. Correr passar ser o espaço de tempo dedicado ao auto-conhecimento. Ao lazer. Ao pensamento.
Quando comecei a correr me coloquei como meta não desistir antes de correr o equivalente a uma viagem de carro de Niterói até Recife. Na porta da minha casa de infância. Corri, corri e corri, até que cheguei. Achei tão legal a idéia que resolvi correr a distância de volta antes de pensar em parar. Quando achei que a viagem estava chegando ao fim, decidi que deveria seguir em direção ao sul do país. Mais especificamente Florianópolis, onde passei ótimas férias e voltaria a qualquer hora para ver como a ilha paraíso está. Atualmente estou chegando nas proximidades de São José dos Campos. Ainda tem chão até Floripa, mas o que importa se for para dizer que preciso continuar correndo?
E você? O que te movimenta?
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Garmin Brasil: confiança tem nome!

Dia 11 de agosto, dia do último treino com meu Forerunner 610 funcionando. Não houve mandinga capaz de fazer a tela sensível ao toque responder o lado ocidental simplesmente não respondia mais ao toque.

Em conversa com o compadre Gláucio sobre que a Garmin havia montado uma unidade de reparo no Brasil. O processo foi bem simples. Num primeiro momento (1) descrevi o problema em um pedido de assistência, aos cumprir com os testes padrões sugeridos pelo atendente. Pouco tempo depois (2) recebi um orçamento para resolução do problema e se estivesse interessado, deveria realizar o pagamento do valor. O passo seguinte seria (3) enviar via correio o dispositivo sem acessórios para a Garmin Brasil. Fiz seguro e mandei via SEDEX. Daí foi aguardar pelo atendimento. A Garmin Brasil tem uma SLA de 30 dias úteis, mas não precisei aguardar tanto para rever meu FR 610 funcionando. Na última quarta treinei com ele. Estava como novo. Até a película protetora estava na tela para mostrar que era nova.


Exc…

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…