Pular para o conteúdo principal

A APPAI, a Corrida da Mulher e a etapa Lapa do Circuito Light Rio Antigo

modinha veio para ficar. A corrida de rua a cada ano atrai mais adeptos de todos os cantos. Inclusive através da APPAI, que oferece para associados e familiares inscrições para as corridas, em troca de alimentos não perecíveis. Um baita incentivo para tirar a galera do sofá nas manhãs de domingo.
No último domingo tive o privilégio de acompanhar minha esposa e nossa amiga Renata na Corrida da Mulher CAIXA. Corrida que teve como objetivo divulgar a campanha Eu Amo Meus Peitos, que faz parte do movimento contra o Câncer de Mama. O objetivo do evento que teve apoio da Sociedade Brasileira de Mastologia alerta que dia 50 mil casos de câncer de manda registrados anualmente, infelizmente mais de 20% levam ao óbito das mulheres, por terem sido descobertos em estágio avançado. O câncer de mama é rápido, tanto que dobra de tamanho a cada 6 meses. Por conta disso, mulheres com mais de 40 anos têm gratuidade no exame de mamografia pelo Sistema Único de Saúde (SUS), conforme Lei Federal. Não entre para a estatística. Cuide-se.

A Corrida da Mulher

Hoje foi meu dia de staff. A corrida era para minha esposa, nossa amiga Renata e uma outra centena de mulheres. A concentração foi montada em uma praça próxima do Corte do Cantagalo e seguindo a tradição os arredores do pórtico de largada estavam coloridos com as barracas das assessorias esportivas. Inclusive a APPAI.  Por conta da dificuldade para estacionar, eu e o rebento assistimos a largada de um ponto mais a frente no percurso. Acenamos para mamãe e seguimos em nossa aventura de bicicleta até as quadras de basquete. Ficamos um bocado de tempo por lá. Assistimos as primeiras colocadas e mais boa parte das corredoras passarem e em meio as brincadeiras não vimos nossas corredoras.
Algumas ligações depois estávamos todos juntos na concentração. Alegres elas contratam suas impressões da prova e sobre a inédita volta na lagoa. Os tradicionais 5 quilômetros ficaram para trás por conta dos 7.500 metros que foram vencidos nesta manhã de domingo. Algumas fotos e dois picolés de chocolate depois seguimos para casa. Nada melhor do que o esporte, numa manhã de domingo com sol para celebrar a vida.

Circuito Light Rio Antigo - Etapa Lapa

Seria um domingo como outro qualquer, com sol, corrida e muita descontração se não fossem as circunstâncias. Correr os quatro quilômetros de prova da etapa Lapa do Circuito Light Rio Antigo foram especiais, por representarem meu retorno saudável a corrida, por ver minha esposa, nossas amigas Marta e Renata também fazerem deste esporte um caminho para uma vida saudável e, principalmente, por lembrar que a regularidade é um de nossos maiores trunfos em direção as conquistas... ao êxito.

A corrida, que por conta das obras no centro do Rio, teve apenas 4 quilômetros e a largada foi nas proximidades dos lendários Arcos da Lapa e descemos a Evaristo da Veiga com o imponente Teatro Municipal a nossa esquerda. O pelotão ainda estava bem compacto. A atenção tinha que ser redobrada por conta dos caminhantes. Descemos a Rua México e demos de frente com a prainha da São José, que possui o formato de um pequeno anfiteatro. Cercada normalmente por barraquinhas, eventualmente artistas utilizam o espaço para divulgarem seus talentos. Então atravessamos a Rio Branco e ao fundo podia se ver a majestosa Ponte presidente Costa e Silva, comumente chamada de ponte Rio-Niterói. A Catedral da Candelária pode ser vista de relance quando chegamos a grandiosa Presidente Vargas. O centro nervoso do Rio de Janeiro. Avançamos observados pelo velho relógio da Central do Brasil, nossa estação de trens e metro. Em seguida entramos numa rua e margeamos a Praça da República e suas cutias. Depois de um breve instante na sombra, corremos para o posto de hidratação na Praça Tiradentes, que tem em seu entorno o teatro João Caetano. O fim estava próximo quando subíamos o viaduto da República do Paraguai, que nos presenteou com a velha e gigantesca catedral. Foi buscar inspiração nela e remeter para o sprint final.
Foram fabulosos 27 minutos. Mesmo sem treinar nas últimas semanas e dando atenção a panturrilha magoada. Felicidade plena, tanto que ainda fiquei um tempo na dispersão tentando achar as meninas. Tive a sorte de encontrar uma amiga, Milene, velha companheira de trabalho. Trocamos impressões sobre a prova e depois de um tempo fomos buscar nossa medalha.
Pouco depois estávamos todos reunidos. Tiramos a foto para registrar o feito e seguimos em frente após compartilhar um desejo de bons treinos até o próximo desafio.

O estande da APPAI no Circuito Light Rio Antigo é concorrido. Não faltou nada para ninguém, mas exigiu uma disse de paciência para enfrentar as grandes filas para massagem e para o lanche. A camisa da associação, em poliamida, é muito superior a do evento, feita em poliéster. Parabéns pela preocupação com o bem estar dos seus corredores.

Gostaria de deixar uma crítica construtiva aos organizadores. Os preços estão praticamente no mesmo nível das demais provas. Seria muito importante para evitar a evasão deste belo projeto esportivo alcançar o nível dos demais organizadores.
Boas passadas!

Comentários

  1. Feliz retorno meu amigo, para vc e sua esposa!
    Belíssimo texto sobre as provas que participaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Drica.
      Saudades de vocês. Acabou que não conseguimos marcar o almoço, mas somos perseverantes e vamos conseguir reunir a galera uma vez mais.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…