Pular para o conteúdo principal

A APPAI, a Corrida da Mulher e a etapa Lapa do Circuito Light Rio Antigo

modinha veio para ficar. A corrida de rua a cada ano atrai mais adeptos de todos os cantos. Inclusive através da APPAI, que oferece para associados e familiares inscrições para as corridas, em troca de alimentos não perecíveis. Um baita incentivo para tirar a galera do sofá nas manhãs de domingo.
No último domingo tive o privilégio de acompanhar minha esposa e nossa amiga Renata na Corrida da Mulher CAIXA. Corrida que teve como objetivo divulgar a campanha Eu Amo Meus Peitos, que faz parte do movimento contra o Câncer de Mama. O objetivo do evento que teve apoio da Sociedade Brasileira de Mastologia alerta que dia 50 mil casos de câncer de manda registrados anualmente, infelizmente mais de 20% levam ao óbito das mulheres, por terem sido descobertos em estágio avançado. O câncer de mama é rápido, tanto que dobra de tamanho a cada 6 meses. Por conta disso, mulheres com mais de 40 anos têm gratuidade no exame de mamografia pelo Sistema Único de Saúde (SUS), conforme Lei Federal. Não entre para a estatística. Cuide-se.

A Corrida da Mulher

Hoje foi meu dia de staff. A corrida era para minha esposa, nossa amiga Renata e uma outra centena de mulheres. A concentração foi montada em uma praça próxima do Corte do Cantagalo e seguindo a tradição os arredores do pórtico de largada estavam coloridos com as barracas das assessorias esportivas. Inclusive a APPAI.  Por conta da dificuldade para estacionar, eu e o rebento assistimos a largada de um ponto mais a frente no percurso. Acenamos para mamãe e seguimos em nossa aventura de bicicleta até as quadras de basquete. Ficamos um bocado de tempo por lá. Assistimos as primeiras colocadas e mais boa parte das corredoras passarem e em meio as brincadeiras não vimos nossas corredoras.
Algumas ligações depois estávamos todos juntos na concentração. Alegres elas contratam suas impressões da prova e sobre a inédita volta na lagoa. Os tradicionais 5 quilômetros ficaram para trás por conta dos 7.500 metros que foram vencidos nesta manhã de domingo. Algumas fotos e dois picolés de chocolate depois seguimos para casa. Nada melhor do que o esporte, numa manhã de domingo com sol para celebrar a vida.

Circuito Light Rio Antigo - Etapa Lapa

Seria um domingo como outro qualquer, com sol, corrida e muita descontração se não fossem as circunstâncias. Correr os quatro quilômetros de prova da etapa Lapa do Circuito Light Rio Antigo foram especiais, por representarem meu retorno saudável a corrida, por ver minha esposa, nossas amigas Marta e Renata também fazerem deste esporte um caminho para uma vida saudável e, principalmente, por lembrar que a regularidade é um de nossos maiores trunfos em direção as conquistas... ao êxito.

A corrida, que por conta das obras no centro do Rio, teve apenas 4 quilômetros e a largada foi nas proximidades dos lendários Arcos da Lapa e descemos a Evaristo da Veiga com o imponente Teatro Municipal a nossa esquerda. O pelotão ainda estava bem compacto. A atenção tinha que ser redobrada por conta dos caminhantes. Descemos a Rua México e demos de frente com a prainha da São José, que possui o formato de um pequeno anfiteatro. Cercada normalmente por barraquinhas, eventualmente artistas utilizam o espaço para divulgarem seus talentos. Então atravessamos a Rio Branco e ao fundo podia se ver a majestosa Ponte presidente Costa e Silva, comumente chamada de ponte Rio-Niterói. A Catedral da Candelária pode ser vista de relance quando chegamos a grandiosa Presidente Vargas. O centro nervoso do Rio de Janeiro. Avançamos observados pelo velho relógio da Central do Brasil, nossa estação de trens e metro. Em seguida entramos numa rua e margeamos a Praça da República e suas cutias. Depois de um breve instante na sombra, corremos para o posto de hidratação na Praça Tiradentes, que tem em seu entorno o teatro João Caetano. O fim estava próximo quando subíamos o viaduto da República do Paraguai, que nos presenteou com a velha e gigantesca catedral. Foi buscar inspiração nela e remeter para o sprint final.
Foram fabulosos 27 minutos. Mesmo sem treinar nas últimas semanas e dando atenção a panturrilha magoada. Felicidade plena, tanto que ainda fiquei um tempo na dispersão tentando achar as meninas. Tive a sorte de encontrar uma amiga, Milene, velha companheira de trabalho. Trocamos impressões sobre a prova e depois de um tempo fomos buscar nossa medalha.
Pouco depois estávamos todos reunidos. Tiramos a foto para registrar o feito e seguimos em frente após compartilhar um desejo de bons treinos até o próximo desafio.

O estande da APPAI no Circuito Light Rio Antigo é concorrido. Não faltou nada para ninguém, mas exigiu uma disse de paciência para enfrentar as grandes filas para massagem e para o lanche. A camisa da associação, em poliamida, é muito superior a do evento, feita em poliéster. Parabéns pela preocupação com o bem estar dos seus corredores.

Gostaria de deixar uma crítica construtiva aos organizadores. Os preços estão praticamente no mesmo nível das demais provas. Seria muito importante para evitar a evasão deste belo projeto esportivo alcançar o nível dos demais organizadores.
Boas passadas!

Comentários

  1. Feliz retorno meu amigo, para vc e sua esposa!
    Belíssimo texto sobre as provas que participaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Drica.
      Saudades de vocês. Acabou que não conseguimos marcar o almoço, mas somos perseverantes e vamos conseguir reunir a galera uma vez mais.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…