Pular para o conteúdo principal

Corrida e caminhada contra o câncer de mama - por Marta Fierro

Esta semana o post não será de minha autoria, pois fiz questão de registrar a Corrida e caminhada contra o câncer de mama 2014. Um evento para alertar a todos deste mal que afeta milhares de mulheres no Brasil e sabe-se lá quantas outras no mundo. Minha amiga Marta Fierro aceitou o convite e conta nas linhas abaixo como ela e a corrida venceram este desafio mortal, para celebrar a vida mais do que nunca. Espero que a leitura inspire todos vocês.
Boas passadas.

Corrida e caminhada contra o câncer de mama - por Marta Fierro

Dia 18 de maio de 2014. Um dia de muita emoção: Corrida e caminhada contra o câncer de mama. Essa é a 2ª corrida que eu participo. E o motivo de tanta emoção é a benção de poder celebrar a vida. Aqui estou, a pedido de meu amigo André, para contar um pouco dessa estória e a origem dessa emoção.
Há 02 anos, eu recebi um diagnóstico que me tirou o chão: câncer de mama com 43 anos de idade. Esse diagnóstico ganhou mais peso, pois a minha mãe faleceu vítima de câncer de ovário.
Por conta do meu histórico familiar, eu sempre realizei os exames necessários de 6 em 6 meses, o que me possibilitou descobrir o câncer no estágio inicial. Fiz a mastectomia total da mama direita e 4 sessões de quimioterapia. Durante o meu tratamento, eu tinha que cuidar ao máximo de minha imunidade. E, por conta disso, eu não podia freqüentar lugares fechados como a academia e nem realizar atividade física de grande esforço para não debilitar ainda mais o meu organismo. A única coisa que eu fazia era caminhar 03 vezes por semana no playground do prédio de minha madrinha.
Não sofri nenhum dos severos efeitos colaterais da quimioterapia. As únicas coisas que eu sentia eram muito sono e fome no dia da aplicação. Depois, vida normal. Tanto foi assim que , eu trabalhei normalmente durante o tratamento, faltando somente nos primeiros dias das aplicações por conta do sono e lentidão a que eu era acometida. Considero-me muito abençoada porque apesar do que passei, eu não aparentava. Meus colegas do trabalho até se esqueciam que eu estava fazendo quimioterapia. A isso tudo, eu credito a três coisas: pensamento positivo, fé e atividade física. A atividade física se mostrou vital nesse momento, pois ela preparou o meu corpo para enfrentar esse desafio.
Eu contava os dias, rezando para retornar a minha ginástica, ao meu spinning e a minha corrida. A corrida, depois disso, passou a ser a minha companheira inseparável; aquela que me ajudará a manter o meu peso e garantir que nenhum câncer apareça. Assim, no dia em que eu retirei os pontos da minha cirurgia, eu fiz uma promessa: a de que eu participaria todo ano, da Corrida e caminhada contra o câncer de mama, como forma de ajudar na luta contra o câncer de mama, para celebrar a minha vitória e a benção de viver. Por isso, tanta emoção está presente, porque quando eu visto a camisa da competição, eu penso em mim e em todas as mulheres que passaram por esse desafio. Venceram e hoje estão aqui, correndo.
Assim, me despeço e agradeço por essa oportunidade de compartilhar esse momento feliz com vocês.
#correrpelavida

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…