Pular para o conteúdo principal

Os ares do outono

Minha alegria aumenta quando chegamos ao mês de abril. Mês em que a temperatura aqui no Rio de Janeiro fica mais amena e a corrida além de prazerosa se torna até confortável. Mesmo no dia dos intervalados, pois o ar condicionado natural é um convite ao bom desempenho em treinos e provas. Se você não sabe, estudiosos confirmaram que a temperatura que proporciona um ótimo desempenho está entre 16 e 18 graus. Frio? Sonhando com o cobertor? Não lhe culpo, pois já pensei assim. Mas é um tipo de experiência transformadora e muito saudável, visto que os problemas de desidratação ficaram para trás junto com o calor. Isso não significa que você pode ficar sem beber água. Beba ao menos um copo antes de treinar e outro nos pós treino (no mínimo).
Procure uma roupa adequada para esta época de temperaturas mais baixas. Se você é friorento, existem camisetas de poliamida com mangas longas. Calças se tornaram uma febre entre as mulheres, mas também existem modelos masculinos. A maioria dos sites que vendem materiais esportivos tem ofertas para estas roupas, mas pesquise por conta do melhor preço.
Os amantes da corrida matutina nesta época do ano são presenteados com uma alvorada única. O céu azul normalmente é muito limpo e um colorido único para aqueles que tentarem presenciar tal momento.
Merchan amigo. As primeiras duas semanas de abril eu tive uma folga do trabalho, o que me possibilitou participar da rotina da casa e "conhecer" o dia-a-dia de Niterói. Engraçado como andar pelo bairro e levar o filho para escola pode nos proporcionar. Tanto que acabei conhecendo uma loja de materiais esportivos chamada Sunthrice. De origem australiana, ela trás roupas e cosméticos com uma característica interessantes para nós corredores: estes proporcionam proteção UVA e UVB. Agradecimentos ao Márcio pelas amostras dos cosméticos. Minha esposa elogiou muito a base (com fator de proteção solar), fato raro para pessoas de pele negra. 
Boas passadas!

Comentários

  1. André preciso confessar, adoro ver vocês reclamando do frio de 16 e 18 graus, hahaha...
    Por aqui o negócio é um pouco mais punk e tem que sair pra treinar com geada.
    Cada um com seus desafios e suas adversidades. Beijos
    Bons km
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju.
      Na verdade eu gosto (e muito) do frio. Eu tenho um ditado. Quando está frio, coloca-se roupa. Quando está calor, não dá para ficar pelado. Mesmo com praias e piscinas têm dias complicados por aqui.
      Treinar nesta fervura requer cuidados. Sair com garrafinha é pré-requisito para o (meu) bom treino. Minha melhor prova foi a meia maratona internacional do rio de 2011. Largamos com 16ºC e chuva e 1h54 depois eu chegava eufórico no Aterro do Flamengo. Meu melhor tempo até hoje. Sonho superá-lo, mas dificilmente será por aqui. O calor diminui demais nosso desempenho, por isso gosto tanto dos meses de abril, maio, junho e julho.
      Mais uma vez, parebéns pela conquista!
      Beijos e boas passadas!
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Kayano 20 NYC

Segundo o Garmin Connect foram 771 km corridos em 105 treinos. Foi assim que larguei o aço no meu antigo Asics Kayano 20. Gostei tanto dele que dei um jeito de encontrar seu irmão siamês, criado exclusivamente para homenagear a Maratona de Nova Iorque de 2013. Após o cancelamento da prova em 2012, o retorno de uma das mais tradicionais provas de rua precisava ser cheia de pompa. E a Asics não brincou em serviço. Além de muito bonito, o tênis tem tudo o que preciso para continuar evoluindo até outubro: estabilidade e conforto.
Muito já foi dito sobre a importância (ou não) do tênis na vida de um corredor. Eu sou do time que acredita que um bom tênis faz a diferença, tanto que hoje eu aceito usar qualquer tênis para correr desde que seja o Asics Kayano. Dentre minhas teorias eu acredito que ele seja o tênis mais eficaz para corredores de pisada pronada e que pesem mais de 90 kg. Como já mencionei em outros posts sobre tênis, já tentei utilizar outros modelos sem muito sucesso. Alguns aca…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…