Pular para o conteúdo principal

Os ares do outono

Minha alegria aumenta quando chegamos ao mês de abril. Mês em que a temperatura aqui no Rio de Janeiro fica mais amena e a corrida além de prazerosa se torna até confortável. Mesmo no dia dos intervalados, pois o ar condicionado natural é um convite ao bom desempenho em treinos e provas. Se você não sabe, estudiosos confirmaram que a temperatura que proporciona um ótimo desempenho está entre 16 e 18 graus. Frio? Sonhando com o cobertor? Não lhe culpo, pois já pensei assim. Mas é um tipo de experiência transformadora e muito saudável, visto que os problemas de desidratação ficaram para trás junto com o calor. Isso não significa que você pode ficar sem beber água. Beba ao menos um copo antes de treinar e outro nos pós treino (no mínimo).
Procure uma roupa adequada para esta época de temperaturas mais baixas. Se você é friorento, existem camisetas de poliamida com mangas longas. Calças se tornaram uma febre entre as mulheres, mas também existem modelos masculinos. A maioria dos sites que vendem materiais esportivos tem ofertas para estas roupas, mas pesquise por conta do melhor preço.
Os amantes da corrida matutina nesta época do ano são presenteados com uma alvorada única. O céu azul normalmente é muito limpo e um colorido único para aqueles que tentarem presenciar tal momento.
Merchan amigo. As primeiras duas semanas de abril eu tive uma folga do trabalho, o que me possibilitou participar da rotina da casa e "conhecer" o dia-a-dia de Niterói. Engraçado como andar pelo bairro e levar o filho para escola pode nos proporcionar. Tanto que acabei conhecendo uma loja de materiais esportivos chamada Sunthrice. De origem australiana, ela trás roupas e cosméticos com uma característica interessantes para nós corredores: estes proporcionam proteção UVA e UVB. Agradecimentos ao Márcio pelas amostras dos cosméticos. Minha esposa elogiou muito a base (com fator de proteção solar), fato raro para pessoas de pele negra. 
Boas passadas!

Comentários

  1. André preciso confessar, adoro ver vocês reclamando do frio de 16 e 18 graus, hahaha...
    Por aqui o negócio é um pouco mais punk e tem que sair pra treinar com geada.
    Cada um com seus desafios e suas adversidades. Beijos
    Bons km
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ju.
      Na verdade eu gosto (e muito) do frio. Eu tenho um ditado. Quando está frio, coloca-se roupa. Quando está calor, não dá para ficar pelado. Mesmo com praias e piscinas têm dias complicados por aqui.
      Treinar nesta fervura requer cuidados. Sair com garrafinha é pré-requisito para o (meu) bom treino. Minha melhor prova foi a meia maratona internacional do rio de 2011. Largamos com 16ºC e chuva e 1h54 depois eu chegava eufórico no Aterro do Flamengo. Meu melhor tempo até hoje. Sonho superá-lo, mas dificilmente será por aqui. O calor diminui demais nosso desempenho, por isso gosto tanto dos meses de abril, maio, junho e julho.
      Mais uma vez, parebéns pela conquista!
      Beijos e boas passadas!
      André

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por você passar por aqui.
Deixei sua opinião ou comentário sobre o tema. Uma boa conversa é sempre salutar.
Boas passadas!

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…