Pular para o conteúdo principal

Aquilo que nos molda

Diz um velho ditado que o ser humano é feito de hábitos. Sejam eles bons ou ruins de alguma forma eles nos definem, compõem um grupo de coisas que denominamos nossa identidade.
Segundo algumas definições, hábitos são ações que repetimos com frequência e justamente devido a esta frequência acabamos realizando certas ações "no automático".
Sabendo que esta ou aquela ação vem se repetindo sistematicamente, o corpo elabora uma forma de fazê-lo consumindo menos energia. Coisas como escrever com a sua melhor mão, falar um idioma, andar de bicicleta, os macetes dos games, até mesmo a prática da corrida são resultado deste trabalho. O processo também vale para os hábitos ruins. O desafio é que com o tempo fica mais difícil criar novos hábitos, assim como perder os antigos. Às vezes os novos hábitos são conflitantes com os velhos e se faz necessário demoli-los para se construir os novos.
Alguns exercícios mentais são sugeridos para que não percamos esta habilidade de modelar a mente, mas isso é outra história. O grande desafio de quem quer iniciar qualquer nova atividade, neste caso a corrida, está em construir um novo hábito.
A reconstrução voluntária exigirá sacrifícios, porém existe a possibilidade de ser menos dolorida, pois você está desejando a mudança. É a velha história de ver o copo meio cheio. Você já aceitou a mudança e está batalhando para que ela se consolide em sua vida. Ao contrário daqueles que souberam da necessidade da mudança e sofrem por conta dela.
Aceitar a dinâmica da vida é estar em sintonia com a Teoria de Darwin, onde aquele que se adapta, sobrevive. Para mim, a corrida promoveu mais que mudanças físicas. Ela estimulou um exercício mental incrível para superar a adversidade natural que é a corrida, seja por conta da distância ou intensidade. Para minha felicidade, este exercício trouxe benefícios para outras áreas da vida.
E você? Como a corrida lhe moldou?
Boas passadas!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…