Pular para o conteúdo principal

Circuito do Sol 2015, o relato

Foi em uma manhã nublada e com a temperatura na casa dos 27°C em que quatro mil pessoas resolveram trocar a cama pelo Aterro do Flamengo. Esta foi minha terceira participação nesta prova, salvo engano em sua terceira edição. Apesar da alta temperatura e da remota possibilidade de bons resultados, participar desta prova tem um quê de oficializar o início da temporada. Daqui para frente é treinar e superar as marcas.

O retorno foi modesto. Os trinta minutos e vinte segundos não fizeram jus a inscrição PELOTÃO QUÊNIA logo abaixo do número de peito, mas trouxeram ótimas lembranças de um passado repleto de boas histórias. E por falar em passado, valeu rever os amigos. Valeu assistir ao Carlos debutar na prova de 5K, após perder dezenove quilos em ínfimos aos três meses de dedicação. Valeu ver o Eric e a Isabel correndo com desenvoltura. O Pedro também chegou chegando e a surpresa foi encontrar uma antiga colega trabalho, completamente viciada pela corrida. Parabéns, Lilian.
É legal ver o pessoal se mobilizando em torno do esporte.
Que venha à Athenas!

Avaliação da prova
Domingo foi a primeira vez desde 2011 que vi a organização de uma prova tentar botar ordem na largada. A surpresa foi muito grande, pois me acostumei a ver o contrário. Obviamente a largada foi ótima, justamente por não ter que gastar energia ultrapassando corredores mais lentos. Outro ponto importante, porém de insatisfação deveu-se ao retorno com meio quilômetro de prova. A multidão ainda estava muito embolada, assim alguns amigos disseram que fizeram o contorno andando. Será que não daria para o percurso ter sido o inverso?
Senti falta das mesas de massagem no pós-prova, mas enxugar a estrutura deve ter alguma relação com a crise que vivemos. O sacolão térmico foi a surpresa, pois será muito útil.

Boas passadas!
Isabel, Eric, Pedro, Carlos e eu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…