Pular para o conteúdo principal

Eu joguei um Kayano novo na lixeira

Desse março de 2010 consegui me manter saudável e corri dezenas de provas, dos 5 aos 42 quilômetros, me fazendo em alguns momentos de treinos específicos (ladeiras, areia ou cross) e funcionais para fortalecimento muscular. Por conta das coisas da vida acabei me descuidando e em fevereiro de 2014 sofri minha primeira lesão muscular. Amarguei oito semanas no estaleiro. O corpo parou, mas a cabeça girava. Hipóteses para a lesão orbitavam sem parar, até que uma teoria se firmou: a culpa foi o enfraquecimento da musculatura.
A certeza e a frustração eram tanta que em poucos dias eu já tinha ido a um médico (por conta do atestado) e me matriculado em uma academia. As primeiras semanas foram de total dedicação. Até esteira fiz para reduzir o impacto na panturrilha neste jumento de treinada. É sabido que o estresse provocado na musculatura é muito maior na corrida de rua. Mas não consegui negar minha natureza. Eu não gosto da rotina de academia e para piorar o horário concorria com a rotina com meu filho.
Rapidamente outras coisas (qualquer outra coisa na verdade) ganharam prioridade e em maio (ou junho) eu não frequentava mais a academia. Apesar de não sentir mais dores, apenas no final de julho (quase 14 semanas sem treinar direito), entre idas e vindas voltei a rotina de treinos. Gradativamente fui recuperando o ritmo e fiz algumas provas de 5 km e logo depois de 10 km. Uma delas foi a terceira etapa da Athenas, quando corri abaixo de uma hora. Logo depois, apesar do calor, melhorei o tempo  na Run The Night e comecei a sonhar com 10 km em 55 minutos.
Durante este novo ciclo de treinos, senti a outra panturrilha em meados de dezembro. Enquanto me recuperava da nova lesão, vi o ano acabar e metade de janeiro passar. Foi tempo suficiente para reavaliar tudo que estava fazendo e cheguei a algumas conclusões: (1) usei o Asics Neo Geo 33 além do que deveria. Apesar de esteticamente inteiro, rodei mais de 1.200 km com ele, quando não deveria passar de 800 km. Ainda mais que ele possuía menos amortecimento que o Kayano. Foi praticamente autoflagelação. Eu sentia o desconforto muscular, mas não achava que problema era o sapato velho. Culpei o cansaço e o pouco alongamento após os treinos; (2) os treinos, por sinal, podem ter corroborado para a lesão. O aumento de intensidade para baixar o tempo pode ter sido crucial, pois o esforço foi além do que o corpo poderia suportar sem a ajuda do tênis adequado; (3) o repouso também foi um item, pois inúmeras vezes treinei após noites com menos de seis horas de descanso; (4) por fim, o alongamento. Nunca mais serei negligente com o alongamento. Faz muita diferença, pois evita dores musculares e o encurtamento das fibras.

Resumindo, um ano como nenhum outro antes experimentado. Paguei uma academia que não fiz e ainda deixei de fazer os treinos funcionais que já estava acostumado a fazer. Com a grana que gastei com a academia, deixei de comprar um Kayano e no final o problema estava justamente no tênis. Irônico, mas parte da vida.
Mais do que nunca ficarei atento a quilometragem do calçado. Cada um tem suas peculiaridades. As minhas são o tênis e os exercícios funcionais.
Quais são as suas?
Boas passadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

André e seu novo tênis: Asics Gel Cumulus

É o Cumulus! O tênis me obrigou a fazer uma homenagem ao velho humorista que tive a satisfação de conhecer na minha infância, quando os Trapalhões passaram por Recife. Mas Cumulus é o nome do meu novo parceiro de corrida. O Asics Cumulus é um tênis com ênfase no amortecimento, mas não tão caro quanto o Asics Nimbus ou o Asics Kayano. Teste de rua. O tênis é realmente impressionou, com um amortecimento realmente inesperado. Para quem lê pela primeira vez este blog, eu estou trocando os tênis com ênfase em estabilidade por aqueles com ênfase em amortecimento. Há algum tempo busco um bom ortopedista para diagnosticar uma dor, que acho ser na crista ilíaca (depois de muito procurar em mapas de anatomia), ao invés de passar simples anti-inflamatórios.  Eu defendo uma têse de que a dor seja consequência do impacto, tanto que enquanto usei o Adidas Cushion (amortecimento) ela diminuiu. Quando voltei para o Asics Kayano (estabilidade), assim como quando usei o Adidas Sequence ela se fez mais pr…

Você é um corredor iniciante, intermediário ou avançado?

A Runners de fevereiro (Ed. 28) começa com uma matéria muito interessante na seção Treino. A matéria Semanão fala sobre a importância dos ciclos no desenvolvimento do corredor e que tentar colocar em uma única semana todos os tipos de treino é algo realmente complicado, quando não, improvável de ser feito. A sugestão é adotar um intervalo de tempo maior para que possamos incluir todos os treinos necessários para nosso desenvolvimento. A idéia é boa, simples e de praxe a revista ainda apresenta sugestões para os treinos de qualidade. Mas o que mais me marcou na reportagem foi a forma como foi identificado o nível do corredor. É a primeira vez que vejo algo do gênero, então segue o registro:Iniciante: aquele que corre até 24 Km semanaisIntermediário: aquele que corre de 24 Km a 48 Km semanaisAvançado: aquele que corre de 48 Km a 64 Km semanaisComo você se vê? Sua quilometragem semanal será determinante para o desenvolvimento de sua capacidade como corredor, seja seu objetivo ganhar resi…

O segredo dos corredores quenianos

Passei a semana procurando informações sobre corredores quenianos. Achei matérias que justificavam o desempenho deles o fator genético, outros usaram os treinos em altitude (O Quênia está a mais de 2.000 metros do nível do mar) e por fim a dedicação. A matéria O SEGREDO DOS CORREDORES QUENIANOS de Javier Triana humaniza os feitos dos queniano, mostrando mais uma vez que somos fruto do meio. A necessidade mais uma vez faz o homem. Prova disso foi que o "britânico" Mo Farah, vencedor dos 10.000 metros e o Kiprotich de Uganda fizeram. Eles treinam no Quênia, no High Altitude Training Centre, a capital mundial da corrida em distância - veja reportagem na The Finisher.
Com um estilo de vida tão simplório, correr sempre foi algo necessário para cruzar distâncias. Como foi bem dito na reportagem, eram 10 quilômetros para ir para a escola e outros dez para voltar para casa. Assim como a bola está para as crianças brasileiras, a corrida está para as crianças quenianas. A especializaçã…