Pular para o conteúdo principal

Eu joguei um Kayano novo na lixeira

Desse março de 2010 consegui me manter saudável e corri dezenas de provas, dos 5 aos 42 quilômetros, me fazendo em alguns momentos de treinos específicos (ladeiras, areia ou cross) e funcionais para fortalecimento muscular. Por conta das coisas da vida acabei me descuidando e em fevereiro de 2014 sofri minha primeira lesão muscular. Amarguei oito semanas no estaleiro. O corpo parou, mas a cabeça girava. Hipóteses para a lesão orbitavam sem parar, até que uma teoria se firmou: a culpa foi o enfraquecimento da musculatura.
A certeza e a frustração eram tanta que em poucos dias eu já tinha ido a um médico (por conta do atestado) e me matriculado em uma academia. As primeiras semanas foram de total dedicação. Até esteira fiz para reduzir o impacto na panturrilha neste jumento de treinada. É sabido que o estresse provocado na musculatura é muito maior na corrida de rua. Mas não consegui negar minha natureza. Eu não gosto da rotina de academia e para piorar o horário concorria com a rotina com meu filho.
Rapidamente outras coisas (qualquer outra coisa na verdade) ganharam prioridade e em maio (ou junho) eu não frequentava mais a academia. Apesar de não sentir mais dores, apenas no final de julho (quase 14 semanas sem treinar direito), entre idas e vindas voltei a rotina de treinos. Gradativamente fui recuperando o ritmo e fiz algumas provas de 5 km e logo depois de 10 km. Uma delas foi a terceira etapa da Athenas, quando corri abaixo de uma hora. Logo depois, apesar do calor, melhorei o tempo  na Run The Night e comecei a sonhar com 10 km em 55 minutos.
Durante este novo ciclo de treinos, senti a outra panturrilha em meados de dezembro. Enquanto me recuperava da nova lesão, vi o ano acabar e metade de janeiro passar. Foi tempo suficiente para reavaliar tudo que estava fazendo e cheguei a algumas conclusões: (1) usei o Asics Neo Geo 33 além do que deveria. Apesar de esteticamente inteiro, rodei mais de 1.200 km com ele, quando não deveria passar de 800 km. Ainda mais que ele possuía menos amortecimento que o Kayano. Foi praticamente autoflagelação. Eu sentia o desconforto muscular, mas não achava que problema era o sapato velho. Culpei o cansaço e o pouco alongamento após os treinos; (2) os treinos, por sinal, podem ter corroborado para a lesão. O aumento de intensidade para baixar o tempo pode ter sido crucial, pois o esforço foi além do que o corpo poderia suportar sem a ajuda do tênis adequado; (3) o repouso também foi um item, pois inúmeras vezes treinei após noites com menos de seis horas de descanso; (4) por fim, o alongamento. Nunca mais serei negligente com o alongamento. Faz muita diferença, pois evita dores musculares e o encurtamento das fibras.

Resumindo, um ano como nenhum outro antes experimentado. Paguei uma academia que não fiz e ainda deixei de fazer os treinos funcionais que já estava acostumado a fazer. Com a grana que gastei com a academia, deixei de comprar um Kayano e no final o problema estava justamente no tênis. Irônico, mas parte da vida.
Mais do que nunca ficarei atento a quilometragem do calçado. Cada um tem suas peculiaridades. As minhas são o tênis e os exercícios funcionais.
Quais são as suas?
Boas passadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Do jeito que dá

A crise realmente chegou para todos. Da mesma forma que Lelo Apovian relata (na matéria A corrida não pode parar, publicada recentemente no site da Runners World Brasil) que a vida não está fácil para quem vive da corrida, não está fácil para nós que desafiamos o orçamento do mês para encaixar eventualmente acessórios e inscrições nas despesas mensais. É preciso se planejar e saber quanto é quando gastar. Nestas horas relembro de informações cortadas nestes anos de corrida. Uma que se aplica bem a este momento foi dita pelo nosso melhor maratonista (na minha humilde opinião) de todos os tempos. Vanderlei disse que se preparava para participar em alto nível de suas provas em média num ano. Particularmente algo sensato até para nós amadores, já que a maioria das planilhas treino (genética ou não), sugerem oito semanas de treino para um prova. Além de bom adequado, fisiologicamente dizendo, faz bem para o bolso nos dias atuais. Muitas organizações sabendo que as pessoas serão mais criteri…

Asics, Fundação do Câncer e o GEL-Noosa TRI 10

A Asics e a Fundação do Câncer chegam ao terceiro ano de uma campanha, onde 10% da receita da compra de produtos da coleção Accelerate Hope será doada para a Fundação do Câncer. Pesquisando sobre o modelo do tênis envolvido na campanha descobri que este foi feito para pronadores como eu!
A Edição especial da série GEL-Noosa TRI 10 com cores comemorativas da campanha Accelerate Hope, além do visual, a nova entressola Solyte e a placa Propulsion Trusstic garantem melhor amortecimento e resposta mais rápida durante as passadas. A altura do calcanhar reduzida oferece mais performance com um contato mais eficiente.
O que eu sei sobre este modelo?
Praticamente nada. Um verdadeiro tiro no escuro. O blogueiro Victor Caetano deixou seu feedback sobre o modelo no Corrida Urbana. Vale a leitura. O que me chamou atenção foi o menor peso em relação ao Kayano, referência para quem tem pisada pronada (na minha humilde opinião).
O tênis é muito difundido entre triatletas e o cardaço elástico foi feito ju…

Rebuild

Umas das coisas que mais admiro nesta vida é a possibilidade de mudar as coisas. De desenvolver, criar, crescer. Uma das coisas que mais tenho receio nesta vida é o imponderável, pois ele é a pitada de improvável em nossos planos, mas como diria Darwin, os organismos mais bem adaptados ao meio têm maiores chances de sobrevivência. E assim vou eu após praticamente cinco meses sem colocar o tênis.
Sair hoje cedo (não tão cedo quanto nos velhos tempos) para meu primeiro treino do ano foi muito bom. Não aconteceu nada de novo ou inesperado. Trote leve por quarenta minutos, coração com frequência alta e algumas dores de um corpo há muito abandonado.
O céu de outono azulado e sem nuvens era mesmo de outros anos. Os poucos corredores que acordam cedo eram praticamente os mesmos. O que mudou? Tudo, pois a cada passo ficamos mais fortes, mais resilientes e capazes de buscar o melhor para nós e para àqueles que nos cercam. É a busca incansável pelo equilíbrio corpo/mente para viver de uma única m…